Universidade Federal Fluminense



Baixar 1.22 Mb.
Página238/334
Encontro27.05.2018
Tamanho1.22 Mb.
1   ...   234   235   236   237   238   239   240   241   ...   334
Considerações iniciais

O presente texto tem por intenção abordar os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) da Educação Física de forma a observar em seu discurso o que se pretende para a educação física a partir da demanda de novas competências.

Com isto acreditamos dar maiores contribuições ao debate travado na área atentando para um novo elemento a qual teremos de nos posicionar no interior da escola: a demanda de novas competências.

Quando se faz a leitura do PCN – Educação Física, vê-se a intenção de atentar esta disciplina sob novos enfoques, inclusive de cunho progressista. Assim observa-se o uso de discursos que entendem a educação física mais voltada para as questões pedagógicas, indo de encontro com o que, hegemonicamente estava se propondo.

No passado o poder hegemônico, via ações governamentais, procurou por meio da educação física propagar o seu ideário instrumental do desempenho físico e técnico dos alunos, na tentativa de preparar a classe de trabalhadores para compor as forças produtivas da época. Dessa forma a educação física era concebida como uma atividade prática no interior da escola, pois o trabalho assim o era, exigindo o uso de habilidades motoras.

Não obstante, percebemos agora um movimento contraditório do próprio poder hegemônico em relação à educação física. Devido às novas exigências do mercado, que perfazem uma dimensão mais intelectual do trabalho, a educação física sob o olhar hegemônico, é entendida não mais apenas pelo seu caráter físico, mas também pela possibilidade de gerar habilidades intelectuais, visto que este é o componente que se persegue agora.

E esta visão hegemônica, da qual nos reportamos pode ser constatada a princípio no PCN – Educação Física.

O documento de Educação Física traz uma proposta que procura democratizar, humanizar e diversificar a prática pedagógica da área, buscando ampliar, de uma visão apenas biológica, para um trabalho que incorpore as dimensões afetivas, cognitivas, sócio/culturais dos alunos”. (PCN – Educação Física – 1º e 2º Ciclos, 1997, p. 15).

Assim, como se pode observar, o poder hegemônico (via governo federal) entende que a educação física que no passado restringia-se (ou melhor, era restringida) a uma visão biológica não dá conta de contribuir para o projeto de formação humana em que pese o modelo de competências.

Porém este entende também, que é possível à educação física alinhar-se com tal projeto na medida em que puder “ampliar” a sua visão para outras dimensões humanas.

Para tal, e no PCN – Educação Física veremos isto, o discurso contido neste documento procurará se aproximar das novas concepções de educação física, como a cultura corporal, sob a idéia de que estas guardam coerência com o modelo de trabalhador de novo tipo que se está procurando. Assim



Atualmente se concebe a existência de algumas abordagens para a Educação Física escolar no Brasil que resultam da articulação de diferentes teorias psicológicas, sociológicas e concepções filosóficas. Todas estas correntes têm ampliado os campos de ação e reflexão para a área e a aproximado das ciências humanas, e, embora contenham enfoques científicos diferenciados entre si, com pontos muitas vezes divergentes, têm em comum a busca de uma Educação Física que articule as múltiplas dimensões do ser humano”. (PCN – Educação Física – 1º e 2º Ciclos, 1997, p. 24).

É justamente pensando nestas múltiplas dimensões que fazem referência a subjetividade humana, que o PCN – Educação Física procura articular o seu discurso em favor das competências. E aqui, os autores deste documento, ideologicamente, procuram criar um consenso entre estas abordagens (construtivista, psicomotora, cultura corporal, etc) como se cada uma pudesse dar sua contribuição perfazendo estas múltiplas dimensões do ser humano (Soares, 1997).

No discurso do PCN – Educação Física é possível constatar que em diversos momentos procura-se inserir algumas das competências, que apresentam amplamente divulgadas pelo mercado, e que se referem a dimensão do “saber-ser” e “saber-fazer”. O “saber-fazer” refere-se às qualidades pessoais adquiridas e mobilizadas pela pessoa; o “saber-fazer” aos conhecimentos e noções adquiridos na prática.

Tendo como pano de fundo a aprendizagem de movimentos, o PCN – Educação Física procura atentar para a possibilidade de se gerir os comportamentos e atitudes ligados às dimensões supra citadas. Desta forma,



Aprender a movimentar-se implica planejar, experimentar, avaliar, optar entre alternativas, coordenar ações do corpo com objetos no tempo e no espaço, interagir com outras pessoas, enfim, uma série de procedimentos cognitivos que devem ser favorecidos e considerados no processo de ensino e aprendizagem na área de Educação Física. (...) É fundamental que as situações de ensino e aprendizagem incluam instrumentos de registro, reflexão e discussão sobre as experiências corporais, estratégicas e grupais que as práticas da cultura corporal oferecem ao aluno”. (PCN – Educação Física. 1º e 2º Ciclos, 1997, p. 34).

É importante observar para este trecho no que tange as referências que se faz para a demanda de competências. Estas referências perfazem as dimensões do “saber-ser” e “saber-fazer” que convergem para a noção de competência. Assim, para o “saber-fazer” destaca-se o planejar, avaliar, optar; e para o “saber-ser” destaca-se o interagir com outras pessoas, que em outras palavras significa trabalhar em grupo, que inclusive é um dos comportamentos e atitudes de fundamental importância para os novos padrões produtivos.

Portanto é necessário que esta dimensão seja “incluída” nas aulas, para que então a educação física se aproxime do modelo de competências. Para um trabalhador de novo tipo é necessário que a educação física também o seja.

Isto eleva a tese de que a educação física da forma como era/é concebida hegemonicamente não contempla a demanda das novas competências. Como coloca Martins (et alli)



Podemos afirmar que as tendências históricas da Educação Física, não respondem às necessidades contemporâneas de formação humana, pois atenderam demandas sociais, políticas e econômicas bem específicas datadas historicamente. O homem de novo tipo exigido pelo novo estágio não aceita mais a velha definição de saúde do higienismo, do padrão de civismo e cidadania do militarismo e dos comportamentos e habilidades da disciplina taylorista-fordista veiculada pela esportivização do ensino escolar”. (2000 p. 49).

No entanto é possível identificar no PCN – Educação Física um certo retorno destas tendências históricas sob novas roupagens. No item sobre a “relevância social dos conteúdos” no contexto brasileiro, destaca-se a necessidade de conhecimentos que possam contribuir para a manutenção e promoção da saúde. Assim,



Foram selecionadas práticas da cultura corporal de movimento que têm presença marcante na sociedade brasileira, cuja aprendizagem favorece a ampliação das capacidades de interação sócio cultural, o usufruto das possibilidades de lazer, promoção da saúde pessoal e coletiva”. (PCN – Educação Física, 3º e 4º Ciclos, 1998, p. 67).

Pela idéia que procuramos traçar ao longo deste estudo, entendemos que na medida em que nos PCN´s da Educação Física fazem alusão às tendências hegemônicas que atendiam as demandas históricas do passado, produz-se um enfraquecimento do discurso que ao mesmo tempo procura alinhar-se com o modelo de competências, pois como o próprio PCN procurou afirmar, na sua construção teórica, é necessária uma educação física ampliada às múltiplas dimensões humanas.

No decorrer do documento foram destacados comportamentos e atitudes que fazem alusão ao esquema que foi destacado por Ramos (2001), a partir do trio: saber, saber-fazer, saber-ser. Sendo o saber ligado aos conhecimentos explicitamente transmissíveis; o saber-fazer ligado aos conhecimentos e noções adquiridos na prática e o saber-ser referindo-se as qualidades pessoais.

Além dos comportamentos e atitudes que foram destacados para a educação física desenvolver em suas ações pedagógicas, encontramos um outro elemento que reforça a idéia de que o entendimento que os PCN – Educação Física tem do modelo de competências aproxima-se do trio destacado acima.

Quando se observa no PCN – Educação Física o item “síntese dos princípios que norteiam a educação física no ensino fundamental”, chama-nos atenção o aspecto denominado de Categorias de Conteúdos. Este aspecto ressalta que os conhecimentos acerca da área da educação física devem ser tratados segundo três categorias, a saber: categoria conceitual (fatos, conceitos e princípios), categoria procedimental (ligados ao fazer) e categoria atitudinal (normas, valores e atitudes). (PCN – Educação Física, 3º e 4º Ciclos, 1998).

Fazendo-se uma comparação destas categorias (conceitual, procedimental e atitudinal) com o trio (saber, saber-fazer e saber-ser) é possível perceber uma profunda similaridade entre estes, o que leva a crer que o PCN´s – Educação Física entende o modelo de competências a partir da idéia do trio, reproduzindo a sua essência.

A partir dos elementos, que nos foram possível destacar, percebemos que tanto não se invalida o fato a possibilidade da educação física poder ser utilizada no projeto hegemônico de formação do trabalhador de novo tipo, como também não se invalida a possibilidade de que da forma como era/é entendida, hegemonicamente, ela se afasta deste projeto, ainda mais sabendo que ainda apresenta-se muito evidente as suas tendências históricas. Inclusive presentes, como se pode ver, no próprio PCN – Educação Física.

Portanto, nos limites do nosso estudo, nos foi possível fazer as seguintes constatações, que longe de trazer elementos com a intenção de dar uma conclusão finalizada deste tema, ao contrário pretendeu contribuir com o debate que se tem travado acerca da educação física escolar na busca de entender as transformações por que vem sofrendo bem como as possibilidades de resistência ativa a partir de um projeto se sociedade transformador.



O autor, Graziany Penna Dias, leciona no CIEP 456 – G P Marco Polo



Baixar 1.22 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   234   235   236   237   238   239   240   241   ...   334




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual