Universidade Federal do Pará



Baixar 0.53 Mb.
Página5/11
Encontro04.03.2018
Tamanho0.53 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11
Formação de classes de equivalência

O objetivo desta etapa foi estabelecer classes de equivalência que incluam fotos de faces na mesma classe de fotos de itens altamente preferidos (avaliados individualmente para cada criança). Foi utilizado o procedimento informatizado de emparelhamento ao modelo com atraso através do software PCR (Programa de Contingências de Reforço) ou sessões manuais de emparelhamento ao modelo. Foram apresentados 2 conjuntos de 2 estímulos para treino de discriminações condicionais por identidade: A (A1 - uma foto de face humana em posição frontal, com expressão neutra e A2 - uma foto de paisagem sem presença humana); B (B1 – uma foto de personagem infantil e B2 – uma foto de um item neutro). A Figura 1 exemplifica a formação dos conjuntos.





Estímulos

Conjuntos

A

A1



A2



B

B1



B2



Figura1. Exemplo de estímulos dos Conjuntos A (A1 e A2) e B (B1 e B2).
O procedimento da formação da classe de equivalência foi dividido em 4 fases. Cada sessão foi composta de 12 a 32 tentativas, apresentadas por ordem semi-aleatória e possui critério de desempenho mínimo de 90% de acertos na sessão.

Fase 1. Composta por sessões de discriminação de identidade de emparelhamento ao modelo AA, cada tentativa no PCR se iniciava com a apresentação de um estímulo modelo (por exemplo A1) na tela do computador. Respostas de tocar esse estímulo modelo produziam a apresentação de dois estímulos de comparação (A1 e A2) em posições randomizadas na tela a cada tentativa. Respostas de tocar no estímulo referente ao modelo (A1) foram reforçadas com vídeos altamente reforçadores e estímulos tangíveis/comestíveis de preferencia do participante (R1) e se encerrava a tentativa. Respostas ao outro estímulo encerravam a tentativa sem reforçamento e se iniciava uma nova tentativa, sem intervalo entre tentativas programados.



O mesmo procedimento foi realizado com toda tentativa de treino, com os estímulos modelo e de comparação, bem como os reforçadores correspondentes, como exemplificado na Figura 2.



Figura 2. Contingências específicas de desempenho. Os conjuntos de letras e números (A1, A2, B1 e B2) exemplificam unidades comportamentais de quatro termos que podem resultar dos treinos de AA e BB. Estímulos modelos são ilustrados à esquerda das linhas verticais, e exibidos simultaneamente estímulos de comparação à direita das linhas verticais. A seleção das respostas de comparações são mostrados por “R” dentro do círculo. Os estímulos selecionados como reforçadores são representados por R1 e R2.
As relações A1A1 e B1B1 foram reforçadas pelo mesmo conjunto de reforçadores (R1 – vídeos, comestíveis e reforço social). As relações A2A2 e B2B2 foram reforçadas com outro conjunto de reforçadores com menor magnitude (R2 – vídeos, comestíveis e reforço social).

Fase 2. Aprendidas as relações AA (A1A1 e A2A2), foram ensinadas as relações BB (B1B1 e B2B2) por meio do mesmo procedimento de treino.

Fase 3. Iniciava após o critério de no mínimo 90% de acertos serem atingidos nas Fases 1 e 2, e era composta por sessões contendo os conjuntos A (A1A1, A2A2) e B (B1B1 e B2B2).

Fase 4. Consistia no teste para avaliar se as relações emergentes estabelecidas são relações de equivalência AB (transitividade). O teste de emergência de discriminação condicional arbitrária de emparelhamento ao modelo AB ocorreu por meio de tentativas de sonda das relações condicionais A1B1 (personagem preferido e figura de face) e A2B2 (item neutro e figura de paisagem). A sessão foi composta por 18 tentativas, doze de linha de base (3 de cada discriminação: A1A1, A2A2, B1B1 e B2B2) e seis de sonda (3 de cada discriminação: A1B1 e A2B2). Não havia reforçamento programado para a primeira tentativa de cada sonda, somente as seguintes. Respostas de tocar no estímulo referente ao modelo A1 (S+ B1) foram reforçadas com vídeos altamente reforçadores e estímulos tangíveis/comestíveis de preferencia do participante (R1) e se encerrava a tentativa. Respostas de tocar no estímulo referente ao modelo A2 (S+ B2) foram reforçadas com vídeos reforçadores e estímulos tangíveis/comestíveis de preferencia do participante, porém de menor magnitude (R2) e se encerrava a tentativa. Respostas ao S- encerravam a tentativa sem reforçamento e se iniciava uma nova tentativa, sem intervalo entre tentativas programados.

Se o participante atingisse critério na Fase 4, ele faria uma nova sessão da Fase 3 e após atingir critério iria para a Fase 6.

Fase 5. Caso o participante não atingisse o critério de aprendizagem das relações arbitrárias AB, na fase anterior, ele faria o procedimento da Fase 5, que correspondia ao treino das relações A1B1 e A2B2 juntamente com o treino da linha de base AA e BB, conforme a Fase 3, porém com todas as tentativas corretas sendo reforçadas. Atingido o critério se iniciava a Fase 6.

Fase 6. Compreendia no último teste do procedimento de classe de equivalência de estímulos para avaliar se as relações emergentes estabelecidas são relações de equivalência BA. O teste de emergência de discriminação condicional arbitrária de emparelhamento ao modelo BA ocorreu por meio de tentativas de sonda das relações condicionais B1A1 (Figura de Face e Personagem preferido) e B2A2 (Figura de Paisagem e Item neutro). Assim como na fase 4, a sessão foi composta por 18 tentativas, doze de linha de base AB (6 de cada discriminação: A1B1 e A2B2) e seis de sonda (3 de cada discriminação: B1A1 e B2A2). O procedimento foi idêntico ao descrito na Fase 4 (Teste AB) exceto pelas relações testadas B1A1 e B2A2.

Fase 7. Caso o participante não tenha atingido o critério de aprendizagem das relações BA, na fase anterior, eram realizados treinos das relações B1A1 e B2A2 juntamente com o treino das relações AB.

Como alternativa ao modelo informatizado, foi utilizado o mesmo procedimento realizado em uma mesa com estímulos 2D, sendo que as respostas de entregar para o experimentador o estímulo de comparação referente ao modelo foram reforçadas. O procedimento de treino, teste e reforçamento permaneceram os mesmos descritos nas fases acima. A escolha do modelo utilizado dependeu das características e desempenho de cada participante.

Após o treino foram reaplicados os procedimentos para Sonda descrito nos itens 1, 2 e 3 do método.





Baixar 0.53 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual