Universidade Federal do Pará



Baixar 480.13 Kb.
Página4/11
Encontro04.03.2018
Tamanho480.13 Kb.
#154
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11
MATERIAIS E MÉTODOS

Participantes

Duas crianças diagnosticadas com autismo, 4 e 3 anos de idade, do sexo masculino, apresentando baixa atenção para presença de adultos e pouco contato visual nos procedimentos de pré-teste, selecionadas entre sete crianças. Não apresentam comorbidades ou comportamentos autolesivos.

Ambiente


O estudo foi realizado em salas de atendimento e de experimentação do projeto APRENDE, climatizadas e com iluminação branca artificial, no prédio do Núcleo de Teoria e Pesquisa do Comportamento, na Universidade Federal do Pará.

Instrumentos

Foi utilizado um computador HP All in One Touchsmart® 610-110 br, com o sistema operacional Windows XP® com tela sensível ao toque para desempenhar o software PCR (Programa de Contingências de Reforço). Utilizou-se também 28 figuras impressas coloridas em papel sulfite e plastificadas individualmente, medindo 10 cm X 10 cm cada. A figuras eram correspondentes a 2 exemplares de 6 diferentes fotos de faces humanas, 6 diferentes fotos de paisagens, 1 foto de personagem infantil e 1 foto de item neutro.

Nas fases de Linha de Base e pós-teste foram utilizadas 6 figuras com fotos de faces humanas e 6 figuras com fotos de paisagens. Cada figura foi impressa colorida em papel fotográfico e medindo 10 cm X 15 cm. Foram utilizados, quando necessário, cartões com figuras de personagens e de itens neutros.

Utilizou-se ainda uma câmera filmadora para gravar as sessões, estímulos reforçadores diversos previamente selecionados com base no relato dos pais e nos testes de preferência, um notebook e folhas de registro específicas.

Método


Promover a formação de classes de equivalência através do procedimento de emparelhamento ao modelo com atraso.

Foram realizadas sessões de Linha de Base com três medidas: Avaliação de Observação a Faces, Avaliação de Preferencia por Figuras de Faces e Testes Sociais. Cada uma dessas medidas foi repetida após a finalização dos treinos para avaliar o possível efeito da inclusão de faces nas classes de equivalência.

1. Avaliação da observação de faces: Foi verificada a duração e a frequência das respostas de observação da face do experimentador em até duas configurações. Foram realizadas 10 tentativas e cada tentativa se iniciava com a aproximação da face do experimentador a aproximadamente 50 cm da face da criança durante uma atividade não social. Aguardava-se por 5 segundos a resposta de olhar para o rosto do experimentador. Se o participante olhasse, se iniciava o Intervalo entre Tentativas (IET) de aproximadamente 20 segundos e o resultado da tentativa era registrado como positivo na configuração de Aproximação. Se a resposta não ocorresse, eram apresentadas expressões faciais sem emissão de som vocal imediatamente após 5 segundos iniciais e aguardava-se por mais 5 segundos. Se a resposta de olhar para a face do experimentador ocorresse, a tentativa era considerada positiva, registrando-se um + na folha de registro para a configuração de Expressão. Se a resposta não ocorresse, registrava-se com um sinal de negativo (-). Logo após, a tentativa era dada por encerrada e iniciado o IET. Nesta fase, não havia consequências programadas para observar a face do experimentador.

2. Avaliação de preferência por figuras de faces: Foi verificada a frequência e a duração da resposta de escolha e observação de 6 figuras de Faces frontais, com expressões neutras e de 6 figuras de paisagem sem presença humana em 10 tentativas. Cada tentativa se iniciava com a apresentação simultânea de duas figuras, uma de face e uma de paisagem. A criança foi estimulada a escolher uma das figuras não havendo consequências programadas para as respostas de observação e escolha. Quando necessário, foram utilizadas figuras de personagens infantis e de itens neutros dentre as figuras de paisagem e faces, para auxiliar na emissão da resposta-alvo de observar e escolher as figuras. Uma resposta de escolha de qualquer das duas figuras encerrava a tentativa. Foram realizadas 10 tentativas no teste.

3. Testes sociais: o objetivo foi avaliar a atenção do participante para a presença de adultos em seu ambiente e na sua interação com ou sem o uso de vozes. Foram realizados em duas configurações: (a) 5 tentativas em que o experimentador brincava com a criança numa sala com poucos estímulos disponíveis no ambiente, enquanto um segundo experimentador entrava na sala e cumprimentava a criança enquanto se aproximava; e (b) 5 tentativas semelhantes à descrita no item “a” exceto que, ao entrar, o segundo experimentador se aproxima da criança sem a cumprimentar. Foi analisada a frequência e duração da resposta de olhar para o rosto do segundo experimentador.



Baixar 480.13 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11




©psicod.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
Processo seletivo
ensino fundamental
minas gerais
seletivo simplificado
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
Concurso público
direitos humanos
Universidade estadual
saúde mental
educaçÃo infantil
educaçÃo física
Centro universitário
saúde conselho
ciências humanas
santa maria
Poder judiciário
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ensino aprendizagem
língua portuguesa
políticas públicas
Colégio estadual
recursos humanos
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
outras providências
secretaria municipal
público federal
educaçÃo universidade
Conselho municipal
catarina prefeitura
Componente curricular
conselho estadual
psicologia programa