Universidade Federal do Pará



Baixar 480.13 Kb.
Página3/11
Encontro04.03.2018
Tamanho480.13 Kb.
#154
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11
JUSTIFICATIVA

O desenvolvimento de habilidades em crianças diagnosticadas com autismo pode se dar por meio de uma intervenção precoce. Para um tratamento efetivo é importante que haja identificação de quais pré-requisitos estão em falta para que as intervenções necessárias para o desenvolvimento da criança sejam realizadas. Em crianças com baixa atenção a faces humanas, o desenvolvimento do comportamento verbal pode ser prejudicado. Assim, entende-se que se a atenção a faces humanas for ampliada, pode-se esperar aumento na interação social e posteriormente na aprendizagem verbal. Estima-se ainda que essas habilidades podem ser adquiridas por meio de intervenções comportamentais e de procedimentos especiais (Greer, et al,. 2011; Keohane, Delgado, & Greer, 2008; Siller & Sigman, 2002).

A Análise do Comportamento Aplicada tem se mostrado uma eficiente ferramenta no tratamento ao autismo e o estudo de formação de Classes de Equivalência é um procedimento amplamente pesquisado em ABA. No entanto, poucos estudos sobre Classes de Equivalência voltada para o autismo têm sido publicados em periódicos científicos nacionais e internacionais (Gomes, Varella, & Souza, 2010). O procedimento indicado sugere correspondência de identidade com contingências de reforçamento específico para os resultados, supondo-se que as relações de estímulo-reforçador serão suficientes para a correspondência arbitrária Face-Itens Reforçadores (Personagens infantis preferidos). Assim, espera-se que possa ocorrer alteração de função de estímulos, como faces, e observação desse efeito na interação social estruturada e não estruturada. O presente estudo se justifica por explorar essa possibilidade.
OBJETIVOS

Avaliar se a inclusão de fotos de faces em classes de equivalência com imagens de itens reforçadores altera a preferência por faces e o desempenho de contato visual em testes sociais com crianças diagnosticadas com autismo.

Objetivos Específicos

Mensurar a duração e a frequência das respostas de observação da face do experimentador em situação de tentativas durante interação com estímulos não sociais e de média magnitude reforçadora;

Mensurar a duração e a frequência de observação e escolha por figuras de faces em teste de preferência por tentativas discretas;

Mensurar a observação de faces em testes sociais;

Promover a formação de classes de equivalência através do procedimento de emparelhamento ao modelo, classes essas que incluirão faces e itens reconhecidamente com função reforçadora (brinquedos, vídeos ou comestíveis), por meio de treino de discriminações condicionais por identidade;

Repetir os testes de observação, preferência por figuras de faces e testes sociais para avaliar o possível efeito da inclusão de faces nas classes de equivalência.





Baixar 480.13 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11




©psicod.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
Processo seletivo
ensino fundamental
minas gerais
seletivo simplificado
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
Concurso público
direitos humanos
Universidade estadual
saúde mental
educaçÃo infantil
educaçÃo física
Centro universitário
saúde conselho
ciências humanas
santa maria
Poder judiciário
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ensino aprendizagem
língua portuguesa
políticas públicas
Colégio estadual
recursos humanos
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
outras providências
secretaria municipal
público federal
educaçÃo universidade
Conselho municipal
catarina prefeitura
Componente curricular
conselho estadual
psicologia programa