Um pouco de história: o despertar para a questão


Os instrumentos metodológicos



Baixar 2.56 Mb.
Página4/83
Encontro27.05.2018
Tamanho2.56 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   83
3.1. Os instrumentos metodológicos
É preciso escolher instrumentos para acessar a questão, vislumbrar e escolher trilhas a seguir e modos de se comportar nessas trilhas, criar alternativas de ação para eventuais surpresas, criar armadilhas para capturar respostas significativas.

Bernardette Gatti


Gatti (2003), faz uma comparação do pesquisador a um caçador/pescador. Segundo ela, o pesquisador precisa ter todos os seus sentidos apurados. Deve ser perspicaz, atento, sagaz, alerta, vivo. Deve conhecer sua “presa” e o contexto em que vive. A partir disso, a autora sinaliza a importância da escolha dos instrumentos a serem utilizados na pesquisa. Como, afinal, ir em busca das “respostas” que nos propusemos a atingir? À luz de que teóricos interpretaremos os dados coletados? Estas são decisões que muitas vezes se relacionam com a nossa visão de mundo, de homem, de pesquisa.

Sendo assim, esta pesquisa foi realizada dentro de uma perspectiva que privilegia os fundamentos da teoria histórico-cultural de investigação. Desta maneira, durante o ano de 2006 foi desenvolvido o Estudo Piloto desta pesquisa, concretizado através de observações, entrevistas individuais, entrevista coletiva e análise de documentos. Este estudo se configurou em uma aproximação com o campo de pesquisa, buscando compreender o infocentro desde o momento de sua implantação, para apreender seu funcionamento e os sentidos à ele atribuído pelos alunos, pelos bolsistas que nele trabalham e por seus gestores.

Assim sendo, a imersão no campo de pesquisa pautou-se, primeiramente, em observações do infocentro, acompanhando, dia-a-dia, as atividades desenvolvidas pelos alunos neste local, percebendo a freqüência de seus usuários, os sites que mais visitam, entre outros aspectos.

Estas observações se configuraram em um primeiro contato com alunos da UFJF como um todo e com as práticas por eles efetivadas dentro desta sala de informática. Porém, este momento não exigia de mim, pesquisadora, uma postura neutra ou passiva. A todo instante dialogava com os alunos presentes sobre os usos que faziam do infocentro, o que pensavam a respeito dele, etc. Assim, esse momento se constituiu em um encontro de diferentes vozes, tornando o entendimento possível por meio da comunicação verbal e extra-verbal.

Outro instrumento utilizado foi a entrevista, tanto individual quanto coletiva. Após a realização das observações, os responsáveis19 pelo infocentro foram entrevistados individualmente, buscando compreender melhor as atitudes e escolhas adotadas no infocentro, a estrutura deste local, entre outros aspectos. Da mesma forma, em entrevista coletiva, foi possível compreender a visão dos bolsistas que trabalham no infocentro. Assim, concretizou-se a oportunidade de contrapor a visão dos alunos com a visão de quem idealizou este projeto e com a visão dos bolsistas que nele trabalham.

É importante ressaltar que essas entrevistas não foram concretizadas pela realização de perguntas para obtenção de simples respostas. Buscou-se uma construção de sentidos a partir da interlocução efetivada entre pesquisador e sujeito, dependendo dos acontecimentos para continuarem seu curso. As entrevistas20 se construíram, portanto, tendo claro que a compreensão da palavra do outro gera sempre uma contrapalavra. Sendo assim, segundo Freitas, M. (2002), este é um momento dialógico, de produção de linguagem, pois se realiza pela interação verbal.

A partir destas entrevistas e do diálogo travado durante as observações, foi possível perceber uma reformulação de opiniões: minhas e deles (sujeitos: alunos, bolsistas, diretores e administradores). No decorrer do campo, fui percebendo a importância de captar cada entoação, cada suspiro, cada gesto, cada significado, para então compreender o sentido geral de cada enunciação. E esse sentido não é fechado. Ele se altera constantemente, se complementa e se corrige, ele está em construção.

Essa compreensão a partir das entrevistas foi aprofundada com a análise do projeto do infocentro, buscando contrapor o texto escrito com a realidade vivenciada. A análise se configurou no estudo do projeto desenvolvido sobre o infocentro, que se constitui no documento oficial sobre sua idealização e posterior concretização.

Vieira (2002), ao trabalhar com o documento oficial e basear-se em Bakhtin, nos ajuda a compreendê-lo. Segundo ela, enquanto texto, este discurso é produto de uma enunciação concreta, determinada pelos gêneros discursivos. É ainda, entendido como dominante por ser socialmente reconhecido e legitimado, tendo suas palavras, portanto, um caráter inatingível e monovalente. Por outro lado, é também dialógico porque, mesmo sem pretender, constitui um gesto responsivo, gerando uma contrapalavra.

Por sua vez, no trabalho realizado no ano de 2007, o foco passou a ser os alunos do curso de Pedagogia. Assim, pretendi compreender as repercussões que a implantação do infocentro trouxe para a formação inicial e os sentidos que os alunos do curso de Pedagogia da UFJF passaram a construir a respeito do computador/internet em sua vida pessoal e em ambiente escolar a partir desta utilização.

Para tal, o Grupo Focal foi o instrumento primordial para a concretização deste trabalho. Guimarães, V. (2006, p. 157) o caracteriza como forma de explorar determinado foco ou assunto específico a partir de um ou mais grupos. Sua utilização, portanto, “pressupõe a opção por coletar dados com ênfase não nas pessoas individualmente, mas no indivíduo enquanto componente de um grupo”.

Esta é uma técnica que, segundo Feital (2006), consiste na formação de grupos que unam sujeitos (entre seis ou dez) que apresentam determinadas características em comum e se dispõem a participar da discussão sugerida pelo facilitador do grupo.

À esse facilitador, cabe o papel de fazer intervenções que propiciem as trocas, sempre tendo em mente os objetivos de trabalho do grupo. É importante ainda, contar com a presença de relatores que anotem as discussões e com equipamentos para o registro das mesmas.

Nas orientações gerais para a realização de Grupos Focais, Feital (2006) ressalta a sugestão de que o número de grupos varie entre três e quatro / dez e doze. A duração dos encontros pode variar de 1 hora e meia a 3 horas e as sessões devem perfazer, geralmente, o total de 1 ou 2.

No grupo de pesquisa LIC utilizamos o Grupo Focal como instrumento metodológico em nossas pesquisas, ampliando suas funções. Uma vez que trabalhamos com a pesquisa de abordagem histórico-cultural que supõe, além do diagnóstico da realidade, uma intervenção transformadora, usamos o grupo focal que denominamos de reflexivo, com uma estrutura e dinâmica marcadas por especificidades propiciadoras de um processo reflexivo/transformador. Isso fica evidente no trabalho de Feital (2006), participante do grupo LIC, que optou em sua pesquisa por um trabalho com um número menor de grupos (apenas 2) e um número maior de encontros (7). Com base em sua pesquisa, pretendia trabalhar com um número maior de encontros (aproximadamente oito para cada grupo) e de alunos (em torno de 10 ou 12), reunidos em dois grupos, para que a possibilidade de reflexão se estendesse e aprofundasse, atingindo melhor os objetivos da pesquisa com abordagem histórico-cultural, que vão além da simples descrição de uma realidade.

Desta maneira, vislumbro no Grupo Focal Reflexivo a possibilidade de compreender os sentidos construídos pelos alunos do curso de Pedagogia da UFJF a respeito do infocentro e da inserção do computador/internet em ambiente escolar. Para além dessa compreensão, acredito que este instrumento abriu margens para o desenrolar de reflexões transformadoras sobre este assunto.

É indispensável ressaltar, portanto, a importância da voz do sujeito ser sempre valorizada e do estabelecimento de interações dentro do grupo para a compreensão dos aspectos a serem desvelados. É na e pela linguagem, no e pelos signos21, que o processo reflexivo entre pesquisador e pesquisado se efetiva, buscando uma construção de sentidos a partir da interlocução estabelecida entre todos os participantes. Assim, a idéia de realizar um maior número de encontros, visando uma melhor compreensão da realidade e o estabelecimento de uma reflexão maior entre os participantes, é um fator relevante a ser mencionado.

A pesquisa, diante disso, é compreendida como um processo que se efetiva pela relação entre sujeitos que participam e têm suas opiniões valorizadas, confrontadas e reformuladas por meio do diálogo e da reflexão estabelecidos. A compreensão, por sua vez, não é um aspecto isolado, mas se efetiva em consonância com a intervenção, buscando sempre uma transformação em todos os participantes do processo.





Catálogo: ppge -> files -> 2010
ppge -> Ata da ducentésima octogésima sexta reunião ordinária do colegiado delegado do programa de pós-graduaçÃo em educaçÃO/ced/ufsc
files -> Faculdade de educaçÃo programa de Pós-Graduação em Educação edital processo seletivo 2014 o programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora faz saber a todos quantos virem o presente
files -> Maria fernanda van erven
files -> O interessante é que o próprio Estevam de Oliveira em seus escritos não utilizou apenas uma denominação quando se referia às escolas graduadas
2010 -> Um labirinto
2010 -> Universidade federal do pampa
files -> Universidade federal de juiz de fora faculdade de educaçÃo programa de pós-graduaçÃo em educaçÃo quadro de disciplinas para 2018/3

Baixar 2.56 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   83




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual