Ústav románských jazyků a literatur


Relação da Arte literária para com a Cultura



Baixar 377.75 Kb.
Página5/23
Encontro06.04.2018
Tamanho377.75 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   23

3. Relação da Arte literária para com a Cultura

Para poder seguir com a própria reflexão e análise das obras de José Cardoso Pires achamos pertinente esboçar algumas considerações teóricas sobre a relação da literatura com a cultura, quer em geral quer de uma sociedade em concreto.

Tal como acontece em outros campos artísticos, também a literatura é formada em função das outras relações exercidas lado a lado conforme o tempo e o espaço em que estas ocorrem. Como fundamental seria relacionar a Literatura com a Cultura pois esta união podemos entender como uma manifestação discursiva que pode ser lida nas suas remissões a um solo cultural específico. A nossa óptica da leitura parte desta premissa de a literatura ser uma «manifestação discursiva» em permanente contacto com as outras que, em conjunto vão constituindo todo o que é a Cultura. Consequentemente, entendemos que qualquer discurso, quer literário quer não, desenvolve-se a partir de uma «vinculação ideológica» de certa forma rígida com os pressupostos culturais que apoiam este discurso de modo a poder estar remetido a um espaço cultural determinado.

A teoria da literatura contemporânea baseia os seus pressupostos fundamentais numa teoria geral dos discursos. Neste sentido desenvolveu o seu pensamento Michel Foucault, segundo o qual sabemos que a Literatura, tal como a Psicologia, a Sociologia e naturalmente também a História são acontecimentos discursivos permitidos pelas determinadas regras de formação, mesmo que o próprio enunciador não tenha consciência delas:


As regras de formação discursiva têm lugar não na mentalidade ou na consciência dos indivíduos, mas no próprio discurso; elas impõem, por conseguinte, segundo um tipo de anonimato uniforme a todos os indivíduos que tentam falar neste campo discursivo.10

Trata-se então das regras de formação que definem a sequência e a regularidade dos enunciados dos campos referidos e estes enunciados são simplesmente manifestações de uma formação discursiva, entendidas aqui como «a prática discursiva»:


Finalmente o que se chama «a prática discursiva» é um conjunto de regras anónimas, históricas, sempre determinadas no tempo e no espaço, que definiram, em uma época dada, e para uma determinada área social, económica, geográfica ou linguística, as condições de exercício da função enunciativa.11

Desta afirmação é-nos apresentada a prática discursiva como uma actividade raramente racional que condiciona até o próprio enunciador que narra. É, portanto, necessário levar em consideração também as relações extra-textuais, presentes em quaisquer discursos, que se desenvolvem à parte da intenção do enunciador. Sendo assim compreendemos que o texto literário está a ser constantemente influenciado pelas pressões externas e por isso o discurso não pode ser exclusivamente entendido como uma realidade independente e completa.

Além disso sabemos que os textos literários reflectem também uma realidade linguístico-estilística, digamos um nível linguístico, inerente à literatura e aspectos extra-linguísticos, que completam todo o significado.

Para a nossa leitura das obras referidas na parte introdutória deste trabalho precisamos de ressaltar a importância da questão do referente extra-linguístico da literatura. Este elemento deveria ser objectivado aquando à análise do texto por estar inscrito num contexto mais amplo onde se escreve a Literatura, pois este elemento resulta como o «produto» da cultura da sociedade.

Seguindo as palavras do crítico literário Luiz Costa Lima à procura de caracterizar o referente extra-verbal, verificamos a delineada relação entre a Cultura e Literatura:


Este elemento alheio ao sistema verbal não é um dado, mas sim um participante de outro sistema igualmente simbólico, de inscrição semiológica. A cultura não passa de um conjunto de inscrições semiológicas. Neste sentido, fora da cultura, isto é, no conjunto de suas linguagens, o real é o impossível.12
O referente extra-verbal não é constituído então por um dado empírico como, por exemplo, um acontecimento histórico ou qualquer realidade que falaria independente da linguagem, pois entre o simbólico e o dado natural, já medeia um conjunto de códigos distinto.13

O referente do discurso é, assim, um elemento já cultural, implantado simbolicamente na cultura e é apenas enquanto a inscrição cultural, ou seja, enquanto a realidade simbólica que o referente interessa à análise e interpretação do discurso literário:


Se o referente importa à análise do discurso é porque, sob a sua aparência de dato bruto revela-se sua verdadeira inscrição cultural-semiológica.14
O texto literário deve ser, conforme o afirmado acima, entendido como um produto e simultaneamente como o produtor de uma cultura, pois ao mesmo tempo que a escreve, apresentando-a numa realidade própria, ficcional, inscreve-se nela e é, ao lado de uma grande diversidade de discursos, absorvido pelo seu património discursivo.
Estas considerações entendemos como fundamentais para poder afirmar que da mesma maneira que a linguagem de um indivíduo, tem sido influenciada pelos aspectos alheios e inconscientes, o texto literário também é condicionado pela personalidade e linguagem do seu autor e, antes de mais, pela linguagem da sua Cultura.



Baixar 377.75 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   23




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual