Questões sobre psicologia do desenvolvimento



Baixar 331.5 Kb.
Página22/55
Encontro04.03.2018
Tamanho331.5 Kb.
#110
1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   ...   55
Piaget – Cognitivo
O infante está na fase sensório-motora, pois o bebê está recebendo, por seus órgãos sensoriais, as estimulações do ambiente, e vai agindo sobre ele. A maior realização do bebê nesta fase é saber que os objetos continuam existindo mesmo que estejam fora de seu campo visual devido a representação mental que possuem deste objeto ausente.

Piaget afirmava a importância da criança receber estimulação visual, auditiva, tátil, que tenha objetos variados para manipular e muitas possibilidades para se movimentar para incentivar a inteligência. Ex: móbiles.

Para Piaget, as crianças são “cientistas em miniatura” e constroem esquemas (teorias) para explicar suas experiências com o mundo. Ao encontrar um objeto ou evento novo, a criança tenta compreendê-lo em termos de um esquema pré-existente (assimilação). Se o esquema antigo não é adequado para acomodar o novo evento, então a criança modifica-o estendendo sua teoria sobre o mundo, revisando seu esquema anterior (acomodação).

No 1º mês de vida, a criança exerce os reflexos presentes no nascimento (sucção, movimentos dos membros, dos olhos, etc); depois já passa a coordenar reflexos e reações. Os movimentos das mãos passam a coordenar-se com os movimentos dos olhos: olha para aquilo que ouve, tenta alcançar objetos, agarra-os, chupa-os.

Mais tarde, pode repetir intencionalmente as reações que produzem resultados interessantes. Por exemplo: a) aos 4 meses de idade um bebê pode esticar as pernas para atingir, com pontapés, um boneco suspenso sobre o berço, para vê-lo balançar; b) Jaqueline, filha de Piaget, aos 11 meses: “está deitada de barriga para baixo numa manta e procura, estendendo o braço, apanhar seu pato de borracha. Durante os movimentos que faz para agarrar o pato, remexe acidentalmente a manta, o que agita o pato à distância. Então, parece compreender logo a relação e puxa a manta até o ponto em que pode agarrar diretamente o brinquedo.

Nota-se que a criança procura um objeto que estiver escondido, chegando a remover um obstáculo para apanhá-lo. No fim do primeiro ano, a criança parece estar interessada em novidades e manifesta curiosidade; deixa cair objetos para observar a queda.

Após um ano de idade, puxa brinquedos com cordas, utiliza varas para empurrar ou atrair coisas para si.

Observe o condicionamento nas palavras de Piaget, observando sua filha Jacqueline, com 9 meses e 6 dias: “gosta do suco de uva que lhe dão num copo, mas não aprecia a sopa se encontra na tigela. Segue a mãe com os olhos; quando a colher vem do copo, ela abre a boca, ao passo que, quando vem da tigela, a boca permanece fechada.” Quando tem 1 ano, 1 mês e 10 dias: “desinfeta-se um arranhão com álcool. Ela chora. Depois, basta-lhe ver o vidro de álcool, para que recomece o choro. Dois dias mais tarde, a mesma reação quando percebe o vidro, antes mesmo que o desarrolhem.”




Baixar 331.5 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   ...   55




©psicod.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
Processo seletivo
ensino fundamental
minas gerais
seletivo simplificado
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
direitos humanos
Curriculum vitae
Concurso público
saúde mental
Universidade estadual
educaçÃo física
educaçÃo infantil
Centro universitário
saúde conselho
ciências humanas
santa maria
Excelentíssimo senhor
Poder judiciário
Conselho regional
assistência social
Atividade estruturada
ensino aprendizagem
políticas públicas
língua portuguesa
Colégio estadual
outras providências
recursos humanos
ResoluçÃo consepe
Dispõe sobre
secretaria municipal
público federal
educaçÃo universidade
Componente curricular
Conselho municipal
catarina prefeitura
conselho estadual
psicologia programa