Psicologia aplicada a administraçÃO



Baixar 0.64 Mb.
Página13/14
Encontro03.03.2018
Tamanho0.64 Mb.
1   ...   6   7   8   9   10   11   12   13   14

Participação em aula

  • +: nota de participaçao

  • Prestar atenção em aula

    • -: “cold call”

  • Frequencia em aula:

    • -: chamada

  • Leitura previa:

    • +: prova

    • -: Valer nota; quiz surpresa

  • Ir a monitorias:

    • +: nota de participação

    • -: receio da reação do grupo

  • Colaborar nos trabalhos:

    • +: nota por individuo

    Comportamento inadequado:

    • Uso do celular:

      • P: não poder responder chamada

      • E: não ter o direito de perguntar/duvidas

    • Conversar:

      • P: ser mandado para fora

      • E: não ter o direito de perguntar/duvidas

    • Não fazer leitura obrigatoria:

      • P: expulsão de aula

    • Free rider:

      • P: Possibilidade de exclusao

      • E: retira nota do grupo

    REFORÇOS:



    INTERVALAR PROPROCIONAL

    (baseado no tempo) (baseado na frequência comportamental)

    Fixo Variável Fixo Variável







    INTERVALAR

    PROPORCIONAL

    FIXO

    Após um período de tempo fixo e previsível.

    Ex.: PI e PF



    Após um número fixo e pré-determinado de comportamentos.

    Ex.: Arredondamento (da nota) por frequência.

    Se vender 10 objetos, ganha bônus.


    VARIÁVEL

    Após um período de tempo variável e não previsível.

    Ex.: Quis surpresa



    Após um número variável de comportamento.

    Ex.: Nota por participação.


    O proporcional é em cima do comportamento desejável, ao contrario do intervalar, e por isso a ideia de ser mais efetivo. O fixo gera padrão de comportamento, e o variável gera um constante estado de tensão. O fixo gera uma capacidade do sujeito se organizar para alcançar aquele objetivo. Ex.: metas tangíveis e já estabelecidas.


    * Para ensinar um novo comportamento. – Reforço dado após cada comportamento desejável. O efeito é aprendizado rápido de novo comportamento, mas de efeito limitado.
    INDIRETO (SOCIAL): Uma possibilidade de ajustar comportamento é analisar os outros, e seguí-los. Ex.: Análisar como as pessoas estão se vestindo e “copiá-las”.

    ATIVA: Ou baseado em antigas experiências, ir adaptando ao novo ambiente. Ex.: Primeiro dia na faculdade, adaptar de como foi o primeiro dia na escola.


    APRENDIZAGEM SOCIAL (Bandura)

    • Refere-se à aquisição de conhecimento por meio do processa e to mental de informações por observação e imitação de outros;

    • Este processo permite aprender mais rapidamente, visto que, por observação, evita-se o processo custo de tentativa e erro;

    • Aprendizagem via observação e rode-modeling;

    • Seu comportamento não precisa ser reforçado para ser aprendido ou adquirido.

    INDIRETO (social): OBSERVAÇÃO  IMITAÇÃO  INTEGRAÇÃO


    Comportamento do modelo Modelo Punido  Não reproduz

    Modelo Reconhecido  Imitação  Integração





    Depende de processos Motivacionais


    Processo de Retençao: guarda “imagens” do que foi observado. Pegar fatias do observado e memorizar. Ex.: Em uma apresentação de uma hora, guarda que na discussão, o sujeito foi incisivo na negociação.

    Processo de Reproduçao:

    • Habilidades

    • Autoeficacia: habilidade de confiar “no seu taco”. Acreditar ser capaz de organizar e executar determinados cursos de ação necessários para lidar com situações.

      • Quando acha que não vai conseguir, o sujeito tenta menos/desiste mais rápido.  baixa autoeficácia (problema)

    Processos Motivacionais: (reforços)

    • Direto

    • Autoreforço

    • Vicariante: observar o comportamento dos outros e as consequências do comportamento, ajustando seu próprio comportamento de acordo. Gera expectativa de recompensa. Se a pessoa se comportar do mesmo modo, irá ser recompensado.

      • Experiencia João Bobo

    • Autoregulação: disciplina e auto-controle para apresentar determinado objetivo. Controlar próprio comportamento, sem controles externos.

      • Experiência Marshmellow

    22.10.14


    PERSONALIDADE: não há características boas ou ruim, e sim cada um apresenta uma determinada característica que deve ser explorada.
    Necessidades

    Valores/atitudes Percepção Julgamento/ Tomada de decisão Comportamento

    Personalidade
    Centro de controle interno: unidade de controle

    Automonitoramento: expectativa para se adequar a expectativa dos outros.



    • Alto: tem jogo de cintura – interação  “Saber falar”

    PERSONALIDADE TIPO A E B:




    PERSONALIDADE PROATIVA:


    BIG FIVE:

    Extrovertido & Reservado: a presença do extrovertido é bom para o ambiente.

    Agradabilidade & Independente: manter relações harmoniosas;

    Instavél & constante (emocional): grau de segurança em situações novas.

    Liberdade & Conservador: Alto grau de liberdade: mias criativo; Alto grau de Conservador: mais pragmático.

    Bagunceiro & Consciente: grau de foco e disciplina e organização para realizar as tarefas/metas.


    27.10.14

    DETERMINANTES PERSONALIDADE



    • Hereditariedade

    • Ambiente

    • A hereditariedade pode definir os parâmetros ou limites, mas o potencial total de individuo será determinado pelo seu ajuste às demandas e exigências do ambiente (família e experiências pessoais).

      • A família é um grande determinante de personalidade, pois é a que tem a maior interação com a pessoa, na principal fase da pessoa, quando esta é criança, porque cada nova experiência é marcante e inovadora, já que há pouca experiência anterior.

    TOMADA DE DECISÃO

    • Qual o critério de decisão? O que leva as pessoas a escolherem determinada opção?

      • Maximizar os ganhos (utilidade)

      • Minimizar as perdas (desutilidade)

    AS PREMISSAS DA RATIONAL CHOICE



    • Identificação

    • Identifica critérios

    • Atribui pesos aos critérios

    • Identifica todas as alternativas viáveis

    • Avalia todas as alternativas

    • Escolhe a melhor alternativa

    Critérios de avaliação (neste caso para a escolha da faculdade)



    • Reputação

    • Qualidade

    • Preço

    • Localização

    • Parcerias

    • Infraestrutura


    HOMEM ECONOMICO?




    (Ultimatum Games): jogo das propostas de dividir 100,00

    • A rejeição de proposta assimétrica: O jogador 2 esta disposto a não receber nada, para que o outro “se ferre”, e não receba nada também. Reciprocidade condicional não-estratégica e vingança

    • Vingança não é racional, pois sua utilidade vai diminuir com isso.

    SIMON: racionalidade limitada



    • As pessoas se desviam sistematicamente do processo de decisão racional


    Complexidade da situação

    Informação incompleta

    Restrição de tempo e custo

    Racionalidade limitada *

    Limitações individuais

    Armazenamento de informações

    Processamento de informações

    Percepção de informação



    Limitações Situacionais

    *capacidade processual limitada

    29.10.14

    Para lidar com as limitações, nós tentamos criar modelos simplificados que englobam apenas alguns aspectos da decisão. Esses modelos simplificados a listagem de alternativa é incompleta, e, portanto a ordem importa (as mais simples, as mais familiares).



    • Complexidade da situação: temos uma tendência nas nossas decisões; a complexidade do ambiente de decisão é muito influente, sendo que há uma maior tendência de menor esforço/resistência, levando a nos omitirmos.

      • Ex.: por ser muito trabalhoso cancelar uma conta, nós decidimos por não fazer nada, ao invés de insistir e cancelar. E a justificativa para isso é que é muito demorado e não tenho tempo para isso.

      • Decisao por omissão é a mais provável

    Como a racionalidade é limitada (enfrentamos problemas na hora de decisão), a maximização da utilidade torna-se incompleta, e nem sempre a melhor escolha é a que maximizaria a utilidade, mas é a que seria o mais satisfatório dado as restrições no ambiente.
    A maneira como é escrita influencia na decisão.

    • FRAMING E RISCO: quando ofereço ganhos de igual valor esperado, quando enquadro o problema como um ganho, a tendência é de aversão ao risco (optamos pelo ganho certo). E quando enquadra a situação como uma perda, nossa tendência se inverte e nos tornamos mais propensos ao risco (optamos pela variável).

      • A percepção de perda é mais poderosa do que para ganho (aversão a perda)

        • Ex.: A) ganhar R$500 ou B) 50% de ganhar R$1000  a escolha fica em A, pois o ganho é certo.

        • A) perder R$500 ou B) 50% perder R$1000  a escolha fica em B, por conta e ser amante ao risco.




    • EFEITO DE DOTAÇÃO (efeito de posse):

      • Vendedor: caneca a $7,12  lembrança, memória

      • Comprador: caneca a $2,88

      • O Ponto de Referencia (PR) gera valoração de posse: para quem tem a posse do bem tem um valor de perda, e para quem não o tem, gera valor de ganho. As pessoas tem a tendência de supervalorizar a perda.

      • O efeito de dotação é muito forte.

      • Ex.: Leilão: os que lideram o leilão pagam mais do que realmente valia, pois a ideia de quase ter o item gera ideia de posse, e, a ideia de “perder” o item o leva a cobrir a oferta.

    RESUMO: Escolha racional X Racional limitada (satisfatória)



    • Limitações situacionais;

    • Limitações individuais (capacidade processual limitada)

      • Atalhos cognitivos:

        • Framing: aversão ao risco

        • Preferencia ao risco:

          • Ganho: aversão ao risco

          • Perda: amante ao risco

        • Supervalorizaçao de bens (Efeito dotação)

          • Posse: supervalorizado

          • Não posse: ganho



    • HEURISTICA DE DISPONIBLIDADE:

      • Tendência a fazer inferência sobre frequência de um evento baseado na facilidade de lembrança de episódios desse evento: o que lembra com mais facilidade atrelado à frequência de ocorrência.

      • Disponibilidade influenciada por:

        • Frequência

        • Vivacidade (marcante)

          • Lembra mais porque foi você que fez. Já quando foi a outra pessoa que fez, não fica tão claro na sua mente/lembrança.

        • Distância temporal

          • Quanto mais próximo o evento, mais fresco esta na memoria, e mais fácil de se lembrar. Ex.: avaliação de desempenho, pois o que foi feito nos últimos meses vai contar mais do que nos últimos 5 anos.

      • Ex.: Morte por Aids e Roubo seguido de Morte  achamos que há mais morte por roubo do que ainda, entretanto o real resultado é o oposto.

    05.11.14


    • HEURISTICA DE REPRESENTATIVIDADE:

      • Prioriza a informação individualizada, estereotipadas; a informação representativa é mais tangível, mais concreta, mais vivida.

      • Tendência de se basear/assimilar nas caracteristas do grupo maior, mesmo quando há informação melhor disponível.

      • A representatividade é determinada, por sua vez, pelo grau de similaridade de um evento específico com a maioria dos outros de uma mesma classe.

      • Insensibilidade a probabilidades prévias;

      • Força dos estereótipos

      • Problema: as pessoas confiam demais nos estereótipos, e acabam deixando de lado as evidências reais (probabilidades da amostra).




    • ANCORAGEM E COERÊNCIA ARBITRÁRIA: Complexidade e decisão

      • Tendência a considerar um valor particular a uma quantidade desconhecida antes de estimar aquela quantidade;

      • Quando é apresentado um valor menor, a tendência da pessoa em contribuir/pagar por algo se torna menor ao daquele que lhe é apresentado um valor maior.

      • Problema: a resposta apresentada apresenta-se enviesada pela ancora.

      • A âncora atua como uma sugestão, e inconscientemente aparece mais disponível em nossa lembrança, o que nos leva a fazer uma média daquele determinado valor.

      • Ex.: em uma negociação, a primeira oferta é a âncora, pois é capaz de posicionar a negociação.

    10.11.14

    SISTEMAS COGNITIVOS



    • Sistema 1: (intuitivo) rápido, sem esforço, involuntário.

      • Primeiro processamento; é a origem das impressões e intuições;

      • Habilidades natas: nos permite maior chance de sobrevivência; nasce para perceber os perigos do ambiente.

      • Habilidade por pratica prolongada: esse conhecimento adquirido fica armazenado na memoria, que fica muito fácil de acessar, sem esforço, sem atenção. Quando algo é praticado por muito tempo, aquilo é acessado sem muito esforço. Julgamento afiado, longo e certeiro.

      • Ex.: medico dá o diagnóstico, e pede exame para comprovar o problema.

    • Sistema 2: (lógico)lento, com esforço, deliberado.

      • Controle de qualidade mental. Ele monitora (mais ou menos) a qualidade de saída do sistema 1. Permite que julgamentos equivocados do 1 sejam aceitos.

      • O sistema 2 só é mobilizado, quando o sistema 1 não encontra resposta.

    AS BASES DOS VIESES CONGNITIVOS

    • Racionalidade limitada e assimetria de informação;

    • Os dois sistemas de pensamento;

    • Julgamentos intuitivos (heurística)

    DESONESTIDADE

    Case: Hipercart

    Como reduzir os problemas de roubo no estoque, repositores não rodarem adequadamente, salario abaixo da média, turnover de repositores e operadores, excesso de hora extra?



    • Câmeras no estoque

    • Alocação full time no estoque

    • Controle adicional por fiscalização (procedimento de segurança)

    • Demissão por justa causa, em caso de roubo (punição)

    • Aumento de funcionários de estoque

    • Avaliar antecedentes criminais

    • Procedimento de rotação de produtos na gondola

    • Meta de redução de perda: bônus (premio)  reforço positivo

    • Meta coletiva: diminuição de perda: bônus em forma de folga (reforço negativo)

    • Multa/punição para quebra de protocolo

    • Não distribuição de produtos danificados para funcionários (Extinção)

    • Melhorar relacionamento (diminuir turnover)  mais confiança

    • Melhorar a remuneração  diminuirá inequidade

    Para resolver esses problemas de Desonestidade: tentando aumentar os “custos” da desonestidade



    • Aumenta a probabilidade de ser pego e/ou RATIONAL CRIME

    • Aumenta a magnitude da punição.

    • Esse modelo pesa os benefícios e os custos da desonestidade

    12.11.14

    DESONESTIDADE NO DIA A DIA

    Consumidores desonestos?


    • IR? Seguro de Saúde? Pirataria e download de músicas ilegal?

    A desonestidade é causada por algumas pessoas muito desonestas ou há varias pessoas sendo um pouquinho desonestas?


    A ABORDAGEM PSICOLÓGICA DA HONESTIDADE

    O rational crime diz que: as pessoas vão trapacear mais quanto maior for os benefícios em relação a probabilidade de ser pego. Entretanto o experimento da matriz mostrou que quanto maior fosse o beneficio em relação a sua punição não obteve um aumento de desonestidade com isso. O que o experimento diz é que há uma recompensa interna pela honestidade, fazendo com que a pessoa se sinta integra, honesta.

    Até certo ponto, a desonestidade cresce com o beneficio. Mas após esse ponto, por mais que aumente o beneficio externo, a desonestidade se manterá constante. Isso ocorre por conta das noções de certo e errado (padrão moral), o que nos torna insensíveis aos níveis externos de desonestidade.

    Entretanto, quando o beneficio externo é muito grande, a desonestidade volta a crescer.




    Baixar 0.64 Mb.

    Compartilhe com seus amigos:
  • 1   ...   6   7   8   9   10   11   12   13   14




    ©psicod.org 2020
    enviar mensagem

        Página principal
    Universidade federal
    Prefeitura municipal
    santa catarina
    processo seletivo
    concurso público
    conselho nacional
    reunião ordinária
    prefeitura municipal
    universidade federal
    ensino superior
    ensino médio
    ensino fundamental
    Processo seletivo
    minas gerais
    Conselho nacional
    terapia intensiva
    oficial prefeitura
    Boletim oficial
    Curriculum vitae
    seletivo simplificado
    Concurso público
    Universidade estadual
    educaçÃo infantil
    saúde mental
    direitos humanos
    Centro universitário
    educaçÃo física
    Poder judiciário
    saúde conselho
    santa maria
    assistência social
    Excelentíssimo senhor
    Atividade estruturada
    ciências humanas
    Conselho regional
    ensino aprendizagem
    Colégio estadual
    Dispõe sobre
    secretaria municipal
    outras providências
    políticas públicas
    ResoluçÃo consepe
    catarina prefeitura
    recursos humanos
    Conselho municipal
    Componente curricular
    psicologia programa
    consentimento livre
    ministério público
    público federal
    conselho estadual