Província da África Austral – Sector de Moçambique


CASA GERAL - Segunda Sessão sobre a espiritualidade marista



Baixar 352.92 Kb.
Página66/72
Encontro28.11.2019
Tamanho352.92 Kb.
1   ...   62   63   64   65   66   67   68   69   ...   72
59. CASA GERAL - Segunda Sessão sobre a espiritualidade marista
WEB PAGE 08/06/2009

No dia 29 de maio, teve lugar uma segunda reunião sobre a Espiritualidade marista para os leigos que trabalham na Casa Geral de Roma. O objetivo era o de conhecer mais profundamente a espiritualidade marista, tal como é apresentada no documento “Água da Rocha”, autêntico guia para o ano de espiritualidade, nas comunidades maristas de todo o mundo.


A reunião foi ambientada com algumas imagens do Curso de Espiritualidade marista para os leigos de língua inglesa e francesa, realizado semanas atrás, em Saint Paul-Trois-Châteaux, França. Sublinhava a importância dos leigos para a vida da comunidade marista, como elementos de um mesmo corpo. Em seguida continuamos o estudo do documento, mediante explicações do Ir. Teófilo sobre os 4 capítulos. Algumas perguntas fundamentais introduziam cada um dos capítulos. Primeiro: O que é a espiritualidade marista? Segundo: Como vivo eu a espiritualidade marista? Terceiro: Como vivemos nós a espiritualidade marista? Quarto: Onde eu ou nós vivemos a espiritualidade marista?


No primeiro capítulo vimos como a Espiritualidade marista está estreitamente unida à experiência quotidiana de cada um. Trata-se de uma espiritualidade apostólica e marial, de compaixão para com as pessoas, de paixão por Deus. As características da espiritualidade marista encontram-se nos números 16-41: A presença e o amor de Deus; a confiança em Deus; o amor a Jesus e a seu Evangelho; a simplicidade, o espírito de família vivido de um modo mariano. Este primeiro capítulo ensina que os Maristas, consagrados e leigos, “devem ser os primeiros” junto ao altar: onde celebramos a Eucaristia, a presença de Deus e de seu amor; junto à cruz: o que significa estar perto do sofrimento de nossos irmãos e irmãs; junto ao presépio: ou seja, perto do Menino Deus, perto da juventude e das crianças de qualquer latitude e condição.


No segundo capítulo descobrimos as práticas que nos ajudam a viver essa Espiritualidade, na vida concreta. Encontram-se nos números 80-87.


Depois dessa explicação fizemos um trabalho em grupos. Fizemos uma leitura temática, buscando os temas especiais que encontramos repetidamente em todo o documento e que nos orientam para um estilo de vida e uma missão. Alguns temas retornam mais frequentemente: espiritualidade como caminho, compaixão, ternura, bondade, acolhida, esperança, Eucaristia, equilíbrio entre ação/contemplação. Detivemo-nos especialmente sobre esse último tema, o do equilíbrio, buscando o número 131, onde Maria é apresentada como exemplo de perfeito equilíbrio entre a ação e a contemplação: Ela escuta a Palavra e se põe a serviço da Isabel. Anunciação e Visitação constituem um todo.


Depois passamos a examinar o terceiro capítulo, voltado para a relação com os demais. Vimos os seis “pilares” para caminhar como irmãos e irmãs, na fé: 1. A importância de construir a comunidade; 2. A prática das “pequenas virtudes” ; 3. A Eucaristia, isto é, ser pão para os demais; 4. Construir Igreja marial, caracterizada pelo acolhimento, pela aceitação, ternura e missão; que tenha o rosto de Maria; 5. Ser irmãos e irmãs partilhando vida e missão; 6. A Trindade como exemplo de relação de amor, de unidade e de comunhão.


Por fim, passamos ao Capítulo 4º com a pergunta: Onde podemos tornar prática a espiritualidade marista? Novamente, uma lista de seis instrumentos serviu para orientar nossa ação: 1. Abertura aos chamados do Espírito: a missão ad Gentes e a maior participação dos leigos em geral e das mulheres em particular, como alguns desses chamados; 2. A escuta dos gritos do mundo: O que ouvimos? Onde estão as realidades em que somos chamados a trabalhar? 3. Nosso apostolado como parte do projeto de Deus; 4. Um apostolado feito do jeito de Maria; 5. Nossa missão é teologal, somos chamados a ser semeadores de esperança; 6. A missão ad Gentes: aceitar a mudança de destino e partir para onde precisam mais de nós, em novos contextos.

Vimos que o apostolado pode desenvolver-se em vários níveis, segundo o texto de Is 61,1 e Lc 4,18:

1) Evangelizar os pobres: estar com eles e combater as estruturas que geram injustiça social (nível social);


2) Libertar os escravos: trabalhar para que todo homem/mulher tenha seus direitos reconhecidos (nível político);


3) Devolver a vista aos cegos: entender isso como convite a melhorar as condições de vida (saúde, alimentação…) das pessoas (nível físico);


4) Consolar aqueles que têm o coração partido: partilhar, consolar, carregar o sofrimento dos irmãos (nível psicológico);


5) Proclamar a Palavra de Deus: anunciar um Deus próximo e que nos ama, que se entregou por nós (nível religioso).


Esta sessão, como a anterior, despertou muito interesse e contou com boa participação. Como leigos da Casa generalícia queremos partilhar e compreender melhor a espiritualidade marista, de modo que nos sintamos parte integrante da missão. É também um modo de nos sentirmos maristas e expressar-nos como tais, no trabalho que realizamos a serviço da Congregação.


Desejamos que haja outros encontros de formação sobre a tradição espiritual marista e sobre a missão. Esses encontros ajudam, hoje e no futuro, a usufruir de mais água viva do manancial da tradição de Marcelino Champagnat. Vale a pena continuar a beber “Água da Rocha”.

________________
Angela, Dorotea e Emanuela

Roma, 4 de junho de 2009





Baixar 352.92 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   62   63   64   65   66   67   68   69   ...   72




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
oficial prefeitura
minas gerais
terapia intensiva
Conselho nacional
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ciências humanas
ensino aprendizagem
outras providências
secretaria municipal
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
Dispõe sobre
catarina prefeitura
Colégio estadual
recursos humanos
Conselho municipal
consentimento livre
ministério público
conselho estadual
público federal
psicologia programa
Serviço público