Província da África Austral – Sector de Moçambique


A entrega “oficial” do livro “Água da Rocha”



Baixar 352.92 Kb.
Página6/72
Encontro28.11.2019
Tamanho352.92 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   72
6. A entrega “oficial” do livro “Água da Rocha”

aos Irmãos da Casa Generalícia
WEB PAGE 23/11/ 2007
A entrega “oficial” do livro Água da Rocha aos Irmãos da Casa Geral foi feita no dia 15 de Outubro, no decorrer de uma oração mariana preparada para o efeito. Esta oração foi baseada na oração “oficial” para o Ano de Espiritualidade. Mas então o Ano de Espiritualidade, tem uma oração oficial? Sim, embora não fosse escrita especificamente para esse fim. (Baixar a oração – Italiano – 1,2 MB)

Quando a Comissão redactora de Água da Rocha levantou o problema de escrever uma oração “oficial” para o Ano de Espiritualidade a resposta foi a seguinte: e para quê escrever uma oração se já temos uma bem bonita no fim do livro. A Comissão referia-se à oração que aparece no nº 156 do livro, páginas 86 e 87. É uma partilha na visão profética do Magnificat de Maria. Deste modo, deixaria a todos os maristas o apelo a rezarem esta oração e com esta oração ao longo do Ano de Espiritualidade (e depois, claro está). Repitamos pois, para que não haja dúvidas que essa oração é a oração oficial para o Ano de Espiritualidade.

Durante esta oração mariana os Irmãos Seán e Luis Sobrado distribuíram o livro aos Irmãos da casa Geral. A oração (que pode ser vista na WEB) apresentava quatro momentos distintos correspondendo a quatro partes tomadas do nº 156 de Água da Rocha. Em cada momento também foi apresentado um poema-oração power point acompanhando os diferentes capítulos do livro.

No primeiro momento dávamos graças a Deus, por Maria, por sermos pequenos irmãos e irmãs dos outros. Esta fraternidade e sororidade tornam-nos responsáveis de oferecer ao mundo a nosso espiritualidade: “é um dom oferecido ao Povo de Deus, a Irmãos e Leigos, a tada a gente…”.

No segundo momento pedíamos a Deus, por Maria, para sermos irmãos e irmãs de todos prestando uma atenção particular aos jovens e sobretudo aos mais abandonados. Éramos convidados a bebermos todos na fonte de “um apóstolo apaixonado que caminhou por vales e montes para tornar Jesus conhecido e amado”.

No terceiro momento repetíamos a invocação tradicional, “Maria, nosso Recurso Habitual” e pedíamos directamente a Maria o “favor” de rezar por nós e connosco. Para que nos tornasse “irmãos e irmãs cheios de audácia, sempre apaixonados pela vida, com o coração ardendo de amor”.


No quarto e último momento pedíamos também directamente a Maria para que nos ajudasse a estar “presentes a todas as pessoas como ela esteve, com um coração atento e compassivo”. Esta presença nada mais era do que a missão a que somos chamados pela força do Espírito em nós. Tal como aconteceu em Maria…

Diferentes imagens de Maria acompanhavam o folheto da oração. Todas diziam um certo simbolismo neste momento em que os Irmãos recebiam “oficialmente “ o livro.

1. A imagem de Maria grávida no hall da nossa Casa Geral: queremos, através da nossa espiritualidade dar Cristo ao mundo.


2. A imagem de Maria que se encontra no nosso Centro de Formação de Nairobi: queremos que o Ano de Espiritualidade marque profundamente todos aqueles que se sentem chamados a viverem como Irmãos a espiritualidade “marceliniana”
3. A imagem de Maria venerada sob o título de Nossa Senhora das Graças na aldeia do Irmão Teófilo (Carção, norte de Portugal): queremos que a espiritualidade marista que é mariana recolha da melhor maneira a riqueza da devoção popular a Maria na Igreja.
4. A imagem de Nossa Senhora da Cantarinha que vai à fonte com Jesus nos braços: queremos com Maria e como Maria servir Deus e os homens, ser contemplativos na acção e activos na contemplação.
5. A imagem (representação moderna, na Basílica de Issoudun) de Nossa Senhora do Sagrado Coração, tão popular em França: queremos ser instrumentos da compaixão de Deus no mundo de hoje tão sedento de misericórdia e de perdão.
6. A imagem de Nossa Senhora presente na Igreja de Santa Matilde em Genebra. Indica o caminho para o Sacrário: queremos ser conduzidos por Maria aos trrês primeiros lugares da tradição marista: o presépio, o altar e a cruz.
7. A imagem de Nossa Senhora da África: queremos que a nossa espiritualidade se desenvolva neste continente criando raízes profundas nos irmãos e nos leigos maristas que aí trabalham.
8. A imagem de Nossa Senhora do Rosário de Fátima: queremos neste mês do Rosário (e sempre) recordar como maristas os grandes apelos de Maria em Fátima: a paz no mundo e a conversão dos pecadores, isto é, de cada um de nós.
9. A imagem de Nossa Senhora do Espírito Santo: queremos que o Espírito invada as nossas vidas de maristas como invadiu a de Maria vivendo então a escuta da Palavra (contemplação) e a preocupação missionária (acção).
10. A imagem de Nossa Senhora, mãe da Coreia: queremos pensar na espiritualidade “marceliniana” que é missionária e que quer realizar o sonho do Fundador de a alargar a todas as dioceses do mundo; pensávamos de modo particular na grande aventura missionária AD GENTES da Congregação, de ontem e de hoje.


Baixar 352.92 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   72




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
oficial prefeitura
minas gerais
terapia intensiva
Conselho nacional
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ciências humanas
ensino aprendizagem
outras providências
secretaria municipal
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
Dispõe sobre
catarina prefeitura
Colégio estadual
recursos humanos
Conselho municipal
consentimento livre
ministério público
conselho estadual
público federal
psicologia programa
Serviço público