Província da África Austral – Sector de Moçambique


Espiritualidade marista nas Filipinas



Baixar 352.92 Kb.
Página26/72
Encontro28.11.2019
Tamanho352.92 Kb.
1   ...   22   23   24   25   26   27   28   29   ...   72
24.Espiritualidade marista nas Filipinas
Ano de Espiritualidade
web page 05/08/2008
As acções (17 ao todo) que decorreram no sector marista das Filipinas atingiram, de facto, muito gente: 950 professores e pessoal de serviço e 920 estudantes. Espero que esta “quantidade” esteja aliada a uma “qualidade” de recepção da mensagem oferecida e compartida. O trabalho feito em grupo, os respectivos relatórios e perguntas subsequentes fazem-me acreditar que a qualidade não faltou.

Uma surpreendeu-me: “Como pode o Irmão Teófilo apresentar-nos a água como símbolo de vida quando o que vemos à nossa volta diz antes que ela é símbolo de destruição e de morte?”.

Devemos conhecer o contexto da pergunta para a compreender na sua totalidade. Por esses dias (última semana de Junho) as Filipinas tinham sido “visitadas” por três elementos, relacionados com a água. Todos tinham mostrado uma destruição inimaginável: 1) intensas chuvas; 2) o tufão “Frank”; 3) o afundamento do barco The Princess of Stars com 800 pessoas, das quais só 57 até hoje, foram encontradas vivas.

Adiantaria, então, pregar que na Espiritualidade Marista a água é símbolo de vida? Mas não fujo à pergunta. Eu estou perfeitamente consciente de que a água pode ser símbolo de destruição e de morte. A experiência filipina destes dias demonstra-o à saciedade.

A resposta jaz no sentido conotativo ou até na ambiguidade dos símbolos. Os símbolos podem ter mais de um sentido. Podem ter muitos mesmo e, às vezes, até de sinal contrário. A Bíblia, em algumas passagens, apresenta a água como símbolo de destruição e de morte. Não penso necessariamente no Dilúvio. Mando o meu interlocutor antes para a bela catequese de São Paulo, em Romanos 6. É uma catequese sobre o baptismo. O texto não menciona directamente a água, mas é claríssimo que com Cristo morremos para com ele ressuscitarmos. O mergulhar na água que o texto paulino sugere ainda é em algumas igrejas o rito do baptismo. O simbolismo é evidente: significa morrer com Cristo, para depois viver com ele. Morrer com ele e viver com ele significa aqui a morte do pecado na nossa vida. Estamos em presença de uma “boa” destruição, de uma “boa” morte: a destruição e a morte do pecado.

Por coincidência, havia na Assembleia algumas religiosas e algumas mulheres muçulmanas. Aproveitei para referir um MESMO símbolo que todos podiam ver, mas com um significado completamente diverso, até oposto: o VÉU. Do que me lembrava da Teologia da Vida Religiosa que dei no Escolasticado de Nairobi o VÉU da religiosa REVELA a sua pertença e a sua consagração a Deus. Nesse mesmo Escolasticado dei a disciplina de Estudo Comparado das Religiões que me ensinou que o VÉU da mulher muçulmana ESCONDE a sua face para evitar ao homem tentações desnecessárias. Este era o ensinamento do profeta (Maomé) que tinha 9 mulheres e que permitiu aos seus seguidores só ter 4. O VÉU: um mesmo sinal com dois significados opostos: REVELAR e ESCONDER.

Voltando à água, eu admitia o poder destruidor e mortífero dela. Nessas circunstâncias eu remetia-me e remetia o meu interlocutor para uma resposta de Madre Teresa a uma pergunta semelhante. Eu não compreendo muitos dos desastres naturais que assolam a humanidade, mesmo que alguns possam ser explicados cientificamente. E o homem pode fazer pouco contra eles. O que eu sei é que posso confiar todas as vítimas dessas catástrofes à misericórdia divina.

Mas há catástrofes que não são naturais e são fruto da “estupidez humana”. O exemplo era claríssimo no que tinha acontecido nas Filipinas nessa semana: o homem pouco podia fazer contra as chuvas intensas e o furacão “Frank”. Mas como se pode deixar viajar um barco que não tem as condições mínimas de segurança, sobrelotado e navegando em condições atmosféricas que convidavam a ficar ancorado no porto? Só a ganância, a vontade de enriquecer a todo o custo, mesmo pondo em perigo a vida das pessoas pode explicar isso. Estas catástrofes sim, tem que ser condenadas e com um pouco de bom senso poderiam ser evitadas. Neste caso, a água foi símbolo de destruição e de morte; mas em última instância, foi a “estupidez humana”, a ganância desmedida a causadora de tanto sofrimento.

Mas, conhecidas todas estas possibilidades dos símbolos, eu continuava a dizer que a nossa ÁGUA DA ROCHA só pode ser uma água que dá a vida. Finalmente ela se refere a Cristo, a “água viva” (cf Jo 4, 10-11) capaz de nos tornar também “fontes de água viva” para os outros (cf Jo 4, 14; AdR, 14). O meu interlocutor tinha compreendido.

___________________


Ir. Teófilo Minga
Bangkok, 8 de Julho de 2008



Baixar 352.92 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   22   23   24   25   26   27   28   29   ...   72




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
oficial prefeitura
minas gerais
terapia intensiva
Conselho nacional
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ciências humanas
ensino aprendizagem
outras providências
secretaria municipal
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
Dispõe sobre
catarina prefeitura
Colégio estadual
recursos humanos
Conselho municipal
consentimento livre
ministério público
conselho estadual
público federal
psicologia programa
Serviço público