OperaçÃo sorriso: a musicoterapia no contexto hospitalar


A musicoterapia e a humanização no contexto hospitalar



Baixar 33.1 Kb.
Página4/6
Encontro04.03.2018
Tamanho33.1 Kb.
1   2   3   4   5   6
A musicoterapia e a humanização no contexto hospitalar

Segundo Cunha e Volpi (2008, apud RUUD, 1998; GASTON, 1968)

A musicoterapia é um campo da ciência que estuda o ser humano, suas manifestações sonoras e os fenômenos que decorrerem da interação entre as pessoas e a música, o som e seus elementos: timbre, altura, intensidade e duração. A sistematização da teoria e da prática musicoterapêutica teve início nos meados do século passado e vem se solidificando por meio de um crescente número de estudos e pesquisas na atualidade. No âmbito das investigações científicas os estudos dedicam-se a compreender as funções, usos e significados que as pessoas atribuem aos sons, músicas, ritmos, silêncios e outros parâmetros sonoro-musicais que permeiam suas vidas.
A musicoterapia no contexto hospitalar pode auxiliar no modo como o paciente percebe a sua estadia naquele ambiente. Os procedimentos médicos são invasivos e causam dores físicas ao paciente. A mudança de rotina, a distância dos amigos e familiares ocasionam um certo sofrimento psíquico ao paciente que se vê num ambiente desconhecido com pessoas desconhecidas e tem de se adaptar a essa nova realidade, ao menos por alguns dias. O presente trabalho foi planejado pensando nestes pacientes que precisam ficar internados e se percebem num ambiente pobre de recursos que os entretenham ou auxiliem nesse processo de internação que pode ser curto ou longo.

Todos os encontros realizados seguiram a mesma estrutura, pois como as internações no hospital são rotativas a cada semana era encontrado um público diferente, cada um com sua especificidade.

Os primeiros 9 encontros realizaram-se das 8 horas às 11 horas nas quartas-feiras. Os últimos 8 encontros realizaram-se das 14 horas às 17 horas nas sextas-feiras. A caracterização era a primeira etapa de todo encontro. No Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium de Lins, São Paulo, era realizado o processo de maquiagem e checagem dos instrumentos. Caminhava-se até a Associação Hospitalar Santa Casa de Lins e, durante o trajeto, olhares curiosos eram percebidos e algumas interações com o público aconteciam. Ao chegar ao hospital, o jaleco era colocado e interagia-se com o público da sala de espera; eram inventadas músicas e também cantadas músicas conhecidas. Após esta breve intervenção caminhava-se até ao quinto andar da instituição; ao chegar perguntava-se à enfermeira-padrão do dia qual o quarto que a visita estaria impossibilitada. A numeração dos quartos do quinto andar vai do número 500 ao 515. A visita seguia esta mesma ordem, começando do quarto de número 500 e visitando cada um até o número 515.

Os pacientes apresentavam os mais variados tipos de doenças ou ferimentos decorrentes de acidentes. As intervenções realizadas ocorreram com a finalidade de promover uma maneira mais humanizada de atender os pacientes, pois “O pressuposto subjacente em todo processo de atendimento humanizado é o de facilitar a pessoa vulnerabilizada a enfrentar positivamente seus desafios” (SIMÕES, 2007).

Ao chegar ao leito era perguntado ao paciente seu nome, quantos anos tinha e o porquê de estar internado. Através destas perguntas era possível perceber a relação que o paciente estabelecia com sua doença e a pré-disposição do paciente à intervenção que o grupo vinha propor, e a partir dessa percepção uma música era improvisada.

O improviso de músicas visando expressar o estado do paciente de uma maneira artística encontrava grande aceitação e identificação por parte do paciente, pois a música criada não existia até então, o que a tornava única e fazia o paciente sentir-se único, identificando-se com a letra pensada a partir da sua realidade, possibilitando que ele se reconhecesse e a partir desta reflexão pudesse compreender a relação que estabelece com a doença. Por ser uma música inventada para o paciente e não uma fórmula preestabelecida, torna-se a intervenção mais espontânea e o que é manifestado é retrato daquele momento, daquela situação que o paciente está vivenciando, dos seus sentimentos, daquele que ele pode ver expressa por uma via artística. Cunha e Volpi (2008) afirmam que:

Esta possibilidade de expressão e comunicação, que caracteriza a prática da musicoterapia, pode colaborar com a construção de um período de hospitalização durante o qual os pacientes se sintam mais acolhidos e considerados no que se refere às dimensões de identidade e subjetividade. A musicoterapia pode contribuir para que o ambiente hospitalar se torne mais descontraído e agradável na medida em que atua diretamente sobre os sentimentos dos participantes procurando aliviar tensões e propiciar momentos de trocas sociais positivas.
As autoras ainda afirmam que “independentemente do tempo de duração, as interações musicais em ambiente hospitalar têm contribuído para a humanização destes espaços podendo criar momentos de prazer e bem-estar, sensibilizando os pacientes para novas experiências artísticas e culturais” (CUNHA e VOLPI, 2008). Através da intervenção musicoterapêutica foi possível tornar mais humanizados tais atendimentos e deste modo os pacientes se sentem mais acolhidos, considerando que a doença em si não é o aspecto mais importante e sim o modo como o paciente ressignifica a doença durante aquele período.

Através da dinâmica do Radialista foi possível atender aos pedidos de música da preferência do paciente. Um estagiário imitava um locutor de rádio e solicitava para que o paciente pedisse uma música e mandasse um abraço para as pessoas de sua preferência. O locutor anunciava a música e mandava os abraços para as pessoas que o paciente havia dito. A música era cantada e na maioria das vezes o paciente cantava junto com os estagiários. Caso o paciente dissesse para que fosse cantada uma música da preferência dos estagiários, era inventada uma música baseada no nome do paciente. Nesta intervenção também ocorria anedotas inventadas com o paciente. Esta atividade possibilitava muitos risos, pois as anedotas inventadas na hora com o paciente e as músicas cantadas o faziam agente da situação, ele ria e causava risos, e o momento propiciava prazer e acolhimento através da interação e troca estabelecida.

A dinâmica do tesouro foi outra intervenção que possibilitou o alcance do objetivo de que o paciente manifestasse sua subjetividade e sentimentos. Essa dinâmica possui grande caráter de ludicidade. Ao anunciar que o paciente será presenteado com um tesouro, uma história inventada sobre onde os estagiários (palhaços) moram é contada. Nessa história é dito que os palhaços moram no fim do arco-íris e é dita uma orientação de como se chega nessa casa; no fim do arco-íris há um pote de tesouro que foi roubado por gnomos, porém sobrou um que foi trazido para o paciente. Depois da história ser contada a caixa é aberta e o espelho contido nela é mostrado ao paciente. O espelho é segurado de modo que o paciente consiga se ver e é perguntado o que a pessoa pensa sobre esse “tesouro” e o que ela tem para dizer para ele. Esta dinâmica é realizada quando é percebido no paciente uma certa angústia, como algo que precisa ser dito, mas que não encontra oportunidade e alguém que escute. No momento em que ele fala “consigo mesmo” observa-se o fenômeno manifestado, os sentimentos expressos, e o que o angustia se alivia, pois “a maioria dos outros profissionais, bem como a família e os amigos, por não suportarem ver o paciente angustiado, não conseguem lhe prestar esse serviço e querem logo apagar, negar, destruir, ou mesmo encobrir a angústia. Mas a angústia não se resolve, se dissolve gradativamente em palavras” (CANTARELLI, 2009). O psicólogo é o profissional que melhor é treinado para escutar e através desta dinâmica se dá a oportunidade para que o paciente compartilhe sua angústia, pois ele a leva consigo e falando sobre sua vida naquele momento o mesmo se sente ouvido, compreendido, e existindo.

Entre o estágio de observação inicial cuja a finalidade foi coletar informações relevantes e conhecer a demanda, até o fim do estágio de intervenção cuja finalidade foi a abordagem prática enfocando nessas demandas, pode-se concluir que as intervenções alcançaram seus objetivos. Uma proposta mais humanizada foi feita, beneficiando aproximadamente 300 pessoas internadas na instituição.



Catálogo: universitaria -> avaliacao -> no16
no16 -> Arteterapy as a resource for students with difficulty of learning in fundamental teaching
avaliacao -> Affirmative action and promotion of racial equality
avaliacao -> O impacto da dependencia quimica na familia
avaliacao -> A importäncia dos grupos de psicologia para a promocao de resiliencia na terceira idade
no16 -> Canais de marketing
no16 -> Agressividade na escola ligada a conflitos familiares
no16 -> Canais de marketing
no16 -> Tratamento das cicatrizes atróficas de acne por meio do microagulhamento com equipamento dermapen em mulheres entre 20 a 30 anos
no16 -> A digital e a sua principiologia constitucional digital heritage and its constitutional principle
no16 -> EducaçÃo jurídica brasileira: Patologias e Diagnósticos brazilian legal education: Pathology and Diagnostics

Baixar 33.1 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual