Knapp, Paulo



Baixar 76 Kb.
Página2/8
Encontro04.03.2018
Tamanho76 Kb.
#174
1   2   3   4   5   6   7   8
TEORIA E PRÁTICA

A Terapia Cognitivo-Comportamental “[...] é um termo genérico que abrange uma variedade de mais de 20 abordagens dentro do modelo cognitivo e cognitivo-comportamental” (MAHONEY e LYDDON, 1988, apud KNAPP, 2004, p. 19), em diversos transtornos neuropsiquiátricos vem comprovando sua eficácia no tratamento.

A abordagem da terapia cognitiva comportamental diz respeito a um sistema integrado de psicoterapia, cientificamente fundamentado e associado a aos modelos de personalidade, de psicopatologia e ao modelo aplicado. Quando Aaron Beck propôs o modelo cognitivo de depressão, ou seja, “[...] a depressão na Terapia Cognitiva, assim como os demais transtornos psiquiátricos, é tratada levando o paciente a identificar e alterar estes pensamentos disfuncionais (BIGGS e RUSH, 1999; SHAW e SEGAL, 1999: BAHLS e BAHLS, 2003 apud BAHLS e NAVOLAR, 2004, p. 8), resultando então no surgimento da psicoterapia e conceituando a depressão como transtorno de pensamento e não um transtorno emocional apresentou a TC (terapia cognitiva) como um novo sistema de psicoterapia que contribui para a ampla gama de transtornos – depressão, transtornos de ansiedade, transtornos alimentares, dependência química, psicoses, terapia conjugal e familiar, etc. Segundo Rangé (1996 apud Borba, 2005, p.32) o objetivo da TCC esta em “[...] auxiliar o paciente a reconhecer e modificar padrões de pensamento e comportamentos disfuncionais, para outros que sejam mais racionais, realistas e eficientes na direção de metas por ele desejadas”. Sendo uma abordagem por tempo limitado (HAWTON et al. 1997), ativa, diretiva e estruturada (RANGÉ, 1995, p. 90) este autor destaca que é:

[...] usada no tratamento de uma variedade de problemas psiquiátricos, fundamentada no modelo cognitivo e caracterizada pela aplicação de uma variedade de procedimentos clínicos como introspecção, insight, teste de realidade e aprendizagem visando aperfeiçoar discriminações e corrigir concepções equivocadas que se supõe basearem comportamentos, sentimentos e atitudes perturbadoras.


É característica da TCC a sua ênfase no presente onde faz a avaliação mais realista possível, e assim identificar as situações especificas que são as mais aflitivas para o paciente no momento.
A atenção somente se volta para o passado quando o trabalho presente resultar em pouca ou nenhuma mudança cognitiva, comportamental ou emocional ou quando o clínico julgar importante entender como e quando as idéias disfuncionais se originaram (e como atualmente afetam o indivíduo) (ABREU e GUILHARDI, 2004, p. 284).

A TCC pode ser aplicada individualmente, em grupo, adultos, crianças e adolescentes. Em transtornos orgânicos, contextos institucionais, corporativos, educacionais e em esporte, é utilizada com grande eficiência para o tratamento. Por ser um método diretivo e semi-estruturado se direciona a resolução de problemas, pois é colaborativa em um processo, ou seja, ambos terapeuta e paciente possuem papel ativo no processo terapêutico. Onde o terapeuta “[...] estabelece uma parceria com o cliente, num sistema de co-participação ativa em que são estimuladas atividades de enfrentamento, realização pessoal e capacitação, com estratégias cognitivas e comportamentais, dentro e fora do setting terapêutico” (BORBA, 2005, p. 32). Para que a relação terapêutica seja efetiva é necessário como condição a empatia, ou seja, é essencial estar presente em todo terapeuta cognitivo-comportamental o “[...] interesse genuíno, calor humano, autenticidade [...]” (RANGÉ, 1995, p. 91). O processo psicoterapêutico segundo este autor “é visto como um esforço colaborativo entre terapeuta e paciente [...] que, em conjunto, estabelecem os objetivos da terapia e de cada sessão, o prazo e a duração do contrato terapêutico”.

A TCC por utilizar do método socrático utiliza-se de “[...] perguntas que o terapeuta faz para o paciente de modo que este possa questionar os fundamentos de seus pensamentos automáticos e que, reconhecendo a essência destes, possa modificá-los” (RANGÉ, 1995, p. 91). Desta forma ajuda o paciente a elaborar suas informações, “[...] para atingir seus objetivos de mudança na situação problemática específica. [...] ensinar [...] recursos e habilidades para lidar sozinho com novas situações com as quais se defronte no futuro” (RANGÉ, 1995, p. 92). O trabalho de casa é outro método central da TCC utilizado para a eficácia do tratamento, pelas sessões serem limitadas no tempo, “[...] o tempo fora das sessões pode ser eficientemente utilizado para novas experiências e exercícios corretivos de suas crenças disfuncionais. A resistência em realizá-los deve ser examinada nas sessões, de modo a detectar os possíveis fatores que estimulem esta evitação” (RANGÉ, 1995, p. 92). É essencial que o terapeuta tenha consciência da importância de seu papel no processo terapêutico contribuindo na aceitação e resistências do paciente pelo tratamento.



Baixar 76 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8




©psicod.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
Processo seletivo
ensino fundamental
minas gerais
seletivo simplificado
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
Concurso público
direitos humanos
Universidade estadual
saúde mental
educaçÃo infantil
educaçÃo física
Centro universitário
saúde conselho
ciências humanas
santa maria
Poder judiciário
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ensino aprendizagem
língua portuguesa
políticas públicas
Colégio estadual
recursos humanos
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
outras providências
secretaria municipal
público federal
educaçÃo universidade
Conselho municipal
catarina prefeitura
Componente curricular
conselho estadual
psicologia programa