Introdução ao estudo das conseqüências da proibição da gnose pela igreja católica


Conseqüências para a Cultura Ocidental



Baixar 60.5 Kb.
Página6/6
Encontro06.04.2018
Tamanho60.5 Kb.
1   2   3   4   5   6
Conseqüências para a Cultura Ocidental

  O homem aqui, deus lá. A fraqueza e o nada aqui, lá o poder eternamente criador. Aqui, nada além de trevas e gélida umidade. Lá completamente sol.

    JUNG, C.G. Septem Sermones ad Mortuos : VII Sermão

As conseqüências políticas da prevalência das idéias defendidas pelos pontífices da Igreja foram: os líderes da Igreja até hoje pertencem a um quadro restrito com autoridade incontestável; em virtude de somente os apóstolos terem permissão para ordenar seus sucessores, as lideranças conseqüentemente só puderam partir destes legítimos delegados de tal maneira que não houve quebra na cadeia sucessória. A Igreja conseguiu atravessar dois mil anos de história com poder político, com a prevalência de seus princípios e idéias.

Como resultado da prevalência de suas idéias, do Cristo material, ressuscitado em "carne e osso", preocupado com a sua representação na terra, que após a ressurreição se mostrou a alguns poucos especiais, houve o desligamento da possibilidade da revivescência do percurso de Cristo, como pensavam os gnósticos que fosse possível. Houve uma completa reformulação do modo de pensar do mundo ocidental.

A conseqüência foi a divisão do planeta em duas maneiras de pensar radicalmente diferentes.

O pensamento Oriental vincula intimamente filosofia e religião que influenciam a vida intelectual, social e cultural. O objetivo principal das filosofias orientais é a experiência direta da realidade.

Segundo Northrop, a base do Pensamento Oriental é o conceito por intuição. enquanto a base do Pensamento Ocidental é o conceito por postulação.

CONCEITOS POR INTUIÇÃO

O significado do conceito por intuição provém do que é imediatamente percebido, sem a contribuição da razão. O significado completo é dado pela "coisa". É um conceito sem qualquer recurso aos postulados da razão.

CONCEITOS POR POSTULAÇÃO

No conceito por postulação, o significado é dado em função das propriedades ou relações atribuídas a este significado pelos postulados da teoria dedutiva. Fora destas relações de postulados, o significado é um signo sem sentido. A cor, no conceito por postulação, é percebida enquanto comprimento de onda na teoria eletromagnética.

A unidade do homem é algo que Jung retomou recentemente. Até o século passado não era cogitada. A idéia de um Deus pessoal era inadmissível. A fragmentação psíquica, resultante da falta de relação com o Deus interior, leva o inconsciente à relação compensatória destrutiva e avassaladora com o consciente, típica da unilateralidade. Rejeitar um lado da psique é soltar os demônios, é permitir que este lado tome tanto o indivíduo quanto a humanidade de assalto. É permitir crises que levam à beira de catástrofes: armas nucleares, desequilíbrio ecológico, regimes autoritários, purificação da raça ariana, guerras... O homem busca no trabalho - o alcaholic é festejado; na bebida - utilizada desde a adolescência; no consumo - a sociedade globalizada é a sociedade mais evoluída -; dar vazão à necessidade da experiência religiosa. A vida perde seu significado. A unilateralidade da cultura cristã, com sua rígida interpretação do monoteísmo, levou muitas pessoas a, decepcionadas, afastarem-se definitivamente do seu Deus, interior ou exterior, e a serem arrastadas para a frustração. Jung escreve:

    O ocidente é cristão em todos os sentidos, apesar de tudo. O "anima naturaliter Christiana" de Tertuliano vale para todo o Ocidente, não somente no sentido religioso, como ele pensava, mas também no sentido psicológico. A graça provém de uma outra fonte; de qualquer modo, ela vem de fora. Qualquer outra perspectiva é pura heresia. Assim compreende-se perfeitamente que a alma humana tenha complexos de inferioridade. Quem ousa pensar em uma relação entre a alma e a idéia de Deus é logo acusado de psicologismo ou suspeito de misticismo doentio. O Oriente, pelo contrário, tolera compassivamente estes graus espirituais 'inferiores' em que o homem se ocupa com o pecado devido à sua ignorância cega a respeito do carma, ou atormenta a sua imaginação com uma crença em deuses absolutos, os quais, se ele olhar um pouco mais profundamente, perceberá que não passam de véus ilusórios tecidos pelo seu próprio espírito.

O pensamento ocidental reduz o espírito universal ao nível do conhecimento, da consciência individual. Abandona um mundo que "pulsava com o nosso sangue e respirava com o nosso sopro" e em troca, fica com os fatos concretos. No Oriente, o espírito continua a ser universal.

    A meu ver, teremos aprendido alguma coisa com o Oriente no dia em que entendermos que nossa alma possui em si riquezas suficientes que nos dispensam de fecundá-la com elementos tomados de fora, e em que nos sentirmos capazes de desenvolver-nos por nossos próprios meios, com ou sem a graça de Deus. Mas não podemos entregar-nos a esta tarefa ambiciosa, sem antes aprender a agir sem arrogância espiritual e sem uma segurança blasfema.

O homem oriental é introvertido, o conhecimento é para ele mais uma manifestação psicológica do que o resultado de experimentos e observações. Para o homem ocidental, ao contrário, a extroversão é algo inferior. No Oriente, o espírito continua a ser universal e impessoal, não existe conflito entre ciência e religião. Nas palavras de Jung:

    De modo análogo, o homem ocidental é cristão, independentemente da religião à qual pertença. Para ele, a criatura humana é algo infinitamente pequeno, um quase nada. Acrescenta-se a isso o fato de que, como diz Kierkegaard, 'o homem está sempre em falta perante Deus'. O homem procura conciliar os favores da grande potência mediante o temor, a penitência, as promessas, a submissão, auto-humilhação, as boas obras e os louvores. A grande potência não é o homem, mas um 'totaliter aliter', o totalmente outro, absolutamente perfeito e exterior, a única realidade existente. Se modificarmos um pouco a fórmula e em lugar de Deus colocarmos outra grandeza, como, por exemplo, o mundo, o dinheiro, teremos o quadro completo do homem ocidental zeloso, temente a Deus, piedoso, humilde, empreendedor, cobiçoso, ávido de acumular apaixonada e rapidamente toda a espécie de bens deste mundo tais como riqueza, saúdo, conhecimentos, domínio técnico, prosperidade pública, bem estar, poder político, conquistas, etc. Quais são os grandes propulsores de nossa época? Justamente as tentativas de nos apoderarmos do dinheiro ou dos bens dos outros e de defendermos o que é nosso. "

Até há bem pouco tempo, somente o pensamento científico era valorizado. Os primeiros filósofos foram saudados pelo "milagre grego", a passagem do pensamento místico para o racional e filosófico.

Augusto Comte explica o desenvolvimento do ser humano pelo abandono do pensamento mítico e religioso e a adoção do pensamento positivo, lógico, mensurável e controlável. Opõe o mito à razão e coloca o mito num patamar inferior, significando que a humanidade vem percorrendo um trajeto evolutivo, do pensamento mítico, irracional para o lógico, da razão.

É Nietzsche quem diz a palavra final:

    Os gregos não viam os deuses homéricos acima de si, como senhores, e não se viam abaixo deles, como servos, ao modo dos judeus. Viam como apenas a imagem em espelho dos exemplares de sua própria casta que melhor vingaram, portanto um ideal, não um contrário de sua própria essência. Há o sentimento de parentesco recíproco, subsiste um interesse de lado a lado, uma espécie de simaquia. O homem pensa nobremente de si quando dá a si mesmo tais deuses e se coloca em uma relação como é a da nobreza inferior para com a superior enquanto os povos itálicos têm uma boa religião de camponês, com constante inquietação contra potências más e caprichosas e espíritos torturantes. Onde os deuses olímpicos se retiravam, ali a vida grega era também mais sombria e inquieta. O Cristianismo, por sua vez, esmagou e alquebrou completamente o homem, e o mergulhou como que em um profundo lamaçal de uma piedade divina, de tal modo que o surpreendido, aturdido pela graça, lança um grito de embevecimento e por um instante acreditava carregar o céu inteiro em si. Sobre esse doentio excesso do sentimento, sobre a profunda corrupção de cabeça e coração necessária para isso, atuam todas as invenções psicológicas do cristianismo: ele quer aniquilar, alquebrar, aturdir, inebriar, ele só não quer uma coisa: a medida, e por isso é, no sentido mais profundo, bárbaro, asiático, sem nobreza, não-grego.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  BÍBLIA. Português. A Bíblia TEB. Diretor Edição Brasileira GALACHE, Gabriel. São Paulo : Loyola, 1995. 1567 p.

  BIHLMEYER, Karl.; HERMANN Tuech. A História da Igreja : Antigüidade Cristã, Vol. I. São Paulo: Paulinas, 1963.

  Brandão, Junito de Souza. Mitologia Grega 7. ed. Petrópolis : Vozes, 1996. 335p. Volume II.

  Capra, Fritjof. O Tao da Física : Um Paralelo Entre a Física Moderna e o Misticismo Oriental. São Paulo : Cultrix, 1983. 274 p.

  Edinger, Edward. Bíblia e Psique : Simbolismo da Individuação no Antigo Testamento. São Paulo : Paulinas, 1990. 260 p.

  _____. O Arquétipo Cristão : Um comentário sobre a vida de Cristo. São Paulo : Cultrix, 1987. 148 p.

  Elwell, Walter ed. Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. São Paulo: Vida Nova, 1990. V. II

  Frangiotti, Roque. História das Heresias : Séculos I-VII Conflitos Ideológicos Dentro do Cristianismo. São Paulo: Paulus, 1995.

  Hoeller, Stephan A. A Gnose de Jung : e os Sete Sermões aos Mortos. São Paulo: Cultrix, s.d. 309 p.

  Jung, Carl Gustav. Aion Estudos Sobre o Simbolismo do Si Mesmo. 2a. ed. Petrópolis : Vozes, 1988, 317 p. Volume IX/2 CW

  _____ . Memórias, Sonhos, Reflexões. Org. JAFFÉ, Aniela. Rio de Janeiro : Nova Fronteira, s.d. 360 p.

  _____ . Psicologia e Alquimia. Petrópolis : Vozes, 1991, 566 p. Volume XII

  _____. Psicologia da Religião Ocidental e Oriental. 3a. ed. Petrópolis : Vozes, 1988, 698 p. Vol. XI CW

  Laperrousaz, G.M. Os Manuscritos do Mar Morto. São Paulo : Cultrix, 1961, 188 p.

  Leloup, Jean-Yves. Cuidar do Ser : Fílon e os Terapeutas de Alexandria. 2a. ed. Petrópolis : Vozes, 1997, 150 p.

  Maia, Márcia. Evangelhos Gnósticos, São Paulo: Mercuryo, 1992, 101 p.

  Maroni, Amnéris. Jung O Poeta da Alma. São Paulo: Summus Editorial, 1998,140 p.

  Marton, Scarlett org. O Pensamento Vivo de Nietzsche. São Paulo: Martin Claret, 1985, 110 p.

  Moore, Charles org Filosofia: Oriente e Ocidente São Paulo: Cultrix, 1978, 348 p.

  Nietzsche, Friedrich Wilhelm. Os Pensadores Obras Incompletas. Seleção de Textos de Lebrun, Gérard. São Paulo : Editora Nova Cultural Ltda., 1996, 464 p.

  Pagels, Elaine. Os Evangelhos Gnósticos. Tradução Malferrari, Carlos Afonso. São Paulo: Cultrix, 1979. 201 p.

  Piñero, Antonio e outros. Textos Gnósticos Biblioteca de Nag Hammadi I: Tratados filosóficos y cosmológicos. Madrid: Editorial Trotta, 1997. 483 p.

  Platão. Os Pensadores : Vida e Obra Nova. Editora Nova Cultural. s.l., Nova Cultural, 191 p.

  Ribeiro Júnior, João. Pequena História das Heresias. São Paulo : Papirus Editora, 1989, 130 p.

  Shuré, Édouard. Os Grandes Iniciados : Esboço da História Secreta das Religiões. São Paulo : Martin Claret, 1986, 125p.



  Tricca, Maria Helena de Oliveira. Apócrifos : Os Proscritos da Bíblia. São Paulo : Mercuryo, 1989. 338 p. V. II

  Yates, Frances A. Giordano Bruno e a Tradição Hermética. São Paulo : Cultrix, 1995. 505 p.
Baixar 60.5 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual