Experiência docente e produção de sentidos



Baixar 219.5 Kb.
Página18/18
Encontro27.05.2018
Tamanho219.5 Kb.
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   18
6. REFERÊNCIAS

AMORIM, Marília. O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo: Musa, 2001.


A

XT, Margarete; MARTINS, Márcio A. R. Coexistir na diferença: de quando a formação em serviço pensa modos de habitar a sala de aula. In: Relatório de pesquisa CNPq Edital Universal 2004: “CIVITAS II – cidades virtuais: tecnologias para aprendizagem e simulação”. Porto Alegre, 2007.


BAKHTIN, Mikhail. Mikhail Bakhtin: Estética da Criação Verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
BEZERRA, Paulo. Introdução. In: Mikhail Bakhtin: Estética da Criação Verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
CARLOTTO, Mary S. A síndrome do Burnout e o trabalho docente. In: Revista Psicologia em estudo. Maringá, v. 7, n. 1, 2002.
CARLSON, Dennis; APPLE, Michael W. Teoria educacional crítica em tempos incertos. In: HYPOLITO, Álvaro M.; GANDIN, Luís Armando. Educação em tempos de incertezas. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2003.
DELEUZE,, G. PARNET, C. Abecedário Deleuze. (Fonte: http://paginas.terra.com.br/arte/hidalgo/abedecario/indez.html - acesso em 15/11/2007).
Deleuze, G.   Espinoza e os signos.  Porto: Rés, 1970.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda Ferreira. Minidicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Ed, Nova Fronteira, 2003, 3ª ed.
HESS, R.; WEIGAND, Gabriele. A escrita implicada. In: Cadernos de Educação, n°. 11, 2000.
KRAMER, Sonia. Por entre as pedras: arma e sonho na escola. São Paulo: Ed. Ática, 1993.
LARROSA, Jorge; VEIGA-NETO, Alfredo. Literatura, experiência e formação: entrevista com Jorge Larrosa. In: Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. COSTA, Marisa Vorraber (et alli.). Porto Alegre: Mediação, 1996.
LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Trad. João Wanderley Geraldi. In: Revista Brasileira de Educação, 2002.
LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Trad. Alfredo Veiga-Neto. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2003, 4ª edição.
LAROSSA, Jorge. Notas sobre narrativa e identidad. Conferência proferida no 1º Congresso Internacional sobre Pesquisa (Auto) Biográfica. Porto Alegre, PUCRS, 2004.
LARROSA, Jorge. Algunas notas sobre la experiencia y sus lenguajes. Conferencia dada em: Seminario Internacional “La Formación Docente entre el siglo XIX y el siglo XXI. Ministerio de educación, ciencia y tecnología – Organización de Estados Iberoamericanos. Buenos Aires, 2003.
LAZZAROTTO, Gislei D. R. Juventude escrita: pragmáticas de uma psicologia que forma e se forma. Projeto de tese de doutorado. Programa de Pós Graduação em Educação, UFRGS, 2007.
MARQUES, Mário Osório. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. Ijuí: Ed. Unijuí, 2006, 5ª ed.
ROCHA, Ana Luiza C. da; ECKERT, Cornelia. O tempo e a cidade. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005.
SOARES, Magda. Metamemória-memórias: travessia de uma educadora. São Paulo, Cortez, 1991.
TODOROV, Tzvetan. Prefácio à edição francesa. In: Mikhail Bakhtin: Estética da Criação Verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
ZABALZA, Miguel. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional.  Porto Alegre: Artmed, 2004.


1 Atualmente, o curso reformulado, frente ao novo currículo, titula-se “Licenciatura em Pedagogia”.

2 Atuei, durante a pesquisa, no sub projeto “Sistemas inteligente de desafios lógicos e abertos – IOCS”, em parceria com o doutorando Othon Bastos Filho e os bolsistas de iniciação científica Lucas Nunes Guimarães e Andrei Rubina Thomaz.

3 O intercâmbio foi realizado a partir de um convênio de mobilidade acadêmica da UFRGS com a Associação de Universidades do Grupo Montevidéu – AUGM, pelo período de um semestre acadêmico.

4 Trata-se do estágio obrigatório de prática docente, realizado no 7º semestre do curso de Licenciatura em Pedagogia da UFRGS.

5 Durante o período do intercâmbio segui realizando a pesquisa como bolsista do LELIC.

6 O CIVITAS (Cidades Virtuais: Tecnologias para Aprendizagem e Simulação) é o projeto guarda-chuva do LELIC, e é desenvolvido em duas dimensões: formação continuada de professores em serviço, e desenvolvimento de tecnologias para a educação.

7 Consiste, basicamente, num suporte para a escrita do docente sobre suas experiências. Será detalhado no próximo capítulo.

8 O estágio foi realizado no período de 1º/04/2007 a 30/06/2007.

9 Descreve-se como B10, devido ao Sistema Educacional por Ciclos, adotado pela Prefeitura de Porto Alegre. Uma turma de B10, equivale, em correspondência à seriação convencional, a uma turma do 3º ano do Ensino Fundamental.

10 Na comunidade, o caminho em direção à grande parte das residências é realizado via “acessos” (por exemplo, acesso A, acesso B, etc.), que consistem em espécies de corredores ou canais estreitos, não pavimentados e, geralmente, sem iluminação pública.

11 A renda mensal familiar totaliza, em média, um a dois salários mínimos. Um levantamento estatístico realizado a partir de dados informados pelos pais dos alunos, via ficha cadastral da escola, aponta: (a) quanto à profissão dos pais: 64% recicladores de lixo ou gari, 12% biscateiros, 12% auxiliares de construção civil e 12% não informado; (b) quanto à profissão das mães: 4% aposentadoria por invalidez, 12% recicladora de lixo, 16% serviços gerais, 16% faxineira e 52% do lar; (c) quanto à escolaridade dos pais: 64% ensino fundamental incompleto, 28% não informado, 4% analfabeto, 4% ensino fundamental completo; (d) quanto à escolaridade das mães: 72 % ensino fundamental incompleto, 24% não informado, 4% analfabeto.

12 A violência aqui é definida, segundo relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), que a classifica como “uso intencional da força ou poder físico, em forma de ameaça ou efetivamente, contra si mesmo, outra pessoa ou um grupo ou comunidade que ocasiona ou tem grandes probabilidades de ocasionar lesões, morte, dano psíquico, alterações no desenvolvimento ou privações”. (Fonte: OMS, Relatório Mundial Sobre a Violência e a Saúde, 2002).

13 O relatório é uma produção obrigatória para aprovação na disciplina EDU 02XX9: Estágio de docência, do curso de Licenciatura em Pedagogia, UFRGS.

14 A questão torna-se mais complexa quando estamos diante de um Trabalho de Conclusão de Curso, iniciado logo após o período de “Estágio de Prática Docente”, e desenvolvido como requisito em uma disciplina que tem como título “Reflexão sobre a Prática Docente”. Realmente a tendência seria entender a experiência enquanto prática.


15 Inclusive porque a Larrosa não lhe agradam as definições, como expõe em sua conferência “Algunas notas sobre la experiencia y sus lenguajes” (2003).

16 Piaget, J. Epistemologia Genética. São Paulo, Martins Fontes: 1990.

17 Inhelder, B. O desenrolar das descobertas da criança: um estudo sobre as microgêneses cognitivas.  Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

18 Freire, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2003. 28.ed.  

19 Salientamos que na concepção benjamianiana a experiência está ligada a acontecimentos que se transformam em saberes, e que são transmitidos de uma geração a outra, por meio de narrativas orais ou escritas.

20 O Abecedário de Gilles Deleuze é uma realização de Pierre-André Boutang, produzido pelas Éditions Montparnasse, Paris. A série de entrevistas, feita por Claire Parnet, foi filmada nos anos 1988-1989. No Brasil, foi divulgado pela TV Escola, Ministério da Educação. Tradução e Legendas: Raccord. (Fonte: http://paginas.terra.com.br/arte/hidalgo/abecedario/index.html - acesso em 15/11/2007)

21 De acordo com Carlotto (2002), Burnout é um tipo de estresse ocupacional que acomete profissionais envolvidos com qualquer tipo de cuidado em uma relação de atenção direta, contínua e altamente emocional. No que se refere ao trabalho docente, o professor pode apresentar prejuízos em seu planejamento de aula, tornando-se este menos freqüente e cuidadoso. Apresenta perda de entusiasmo e criatividade, sentindo menos simpatia pelos alunos e menos otimismo quanto à avaliação de seu futuro. Pode também sentir-se facilmente frustrado pelos problemas ocorridos em sala de aula, desenvolvendo um grande distanciamento da escola.

22 O termo “narrativa” será utilizado, ao longo do trabalho, no sentido de relato, escrito ou oral, conforme o dicionário Aurélio da língua portuguesa (1993).

23 E se tornava ainda mais interessante, quando no carro havia mais três ou quatro professoras, que sempre estabeleciam um diálogo sobre seus vividos, tratando-se do vivido naquela tarde na escola, ou num dia, numa semana, num ou cinco anos já passados.

24 O conceito de ‘produção de sentido’ será tratado no próximo sub-capítulo.

25 Diferentemente da escrita, a fala não produz um registro mais duradouro, pois não se concretiza por meio de um suporte material, como um livro ou um caderno de notas, por exemplo, ao menos que seja gravada ou transcrita.

26 A paternidade desse tipo de registro, segundo Lazzarotto (2007), se atribui a Bronislaw Malinowski, antropólogo polonês da década de 10, que buscava formas de investigação que explicitassem mais as condições pelas quais se chegavam aos resultados dos estudos que tinham por base a coleta de material etnográfico.

27 O diário de bordo também é chamado ‘caderno de relatos’ ou ‘bloco de notas’.

28 Não nos referimos exclusivamente aos textos acadêmicos, publicados em livros ou artigos científicos, mas também aos textos veiculados pela mídia, que atribuem significados para o ato de educar, textos enunciados por políticos em suas campanhas eleitorais, quando a educação se torna alvo de promessas a respeito de políticas públicas ilusórias, ou mesmo, os textos usados por nós professores, na escola, com o objetivo de definir o que é escola, aluno ou professor. Tais textos, ainda que não estejam registrados com um número de ISBN, em alguma biblioteca setorial da universidade, não deixam de cumprir (e, normalmente, com grande sucesso) sua função na construção de significados a serem compartilhados socialmente, e que atendem a um discurso “oficial e verdadeiro” sobre a educação.

29 Segundo Todorov (2003), tratava-se de um grupo de críticos, lingüistas e escritores russos, com talento e prestígio incontestáveis, que mantinham relações incertas com o marxismo e não dominavam as instituições.

30 O conceito de excedente de visão ou exotopia, segundo Amorim (2001), sofre uma transformação ao longo da obra de Bakhtin. Por isso, salientamos que o conceito aqui utilizado refere-se à sua primeira fase, apresentado na década de 20, em seus estudos sobre “O autor e o herói”, publicado na coletânea Estética da Criação Verbal.

31 Segundo Bezerra (2003), Bakhtin define a categoria exotopia (em russo, vnienakhodímost), como distantsia (palavra latina), de forma que se traduz ao português como distância ou distanciamento. A isso se deve o fato de utilizar-se aqui, recorrentemente, estas duas últimas palavras-traduções.

32 Sobre as definições de acontecimentos éticos e estéticos, consideramos: (a) ético refere-se a todos os atos da vida nas relações com o outro, sejam considerados bons ou ruins; (b) estética não se refere a uma beleza determinada, mas tem relação com um modo de contemplar a existência e mesmo de inventar um modo de existência.

33 Em letra time new romam, tamanho 12, espaçamento entre linhas 1,5.

34 Com a exceção de alguns períodos maiores, mas que eram raros.

35 Por “relações de sentido” entendemos as relações entre os fragmentos de texto-experiência que, durante a releitura, remetiam-se uns aos outros, ao se concentrarem em torno de uma mesma questão analítica. Observe-se também que outras temáticas poderiam ter sido instauradas, porém a presente seleção, neste momento, foi a que se apresentou com maior força de evidência.

36 Os fragmentos estão organizados por ordem cronológica, e ao final de cada um, indica-se a data da escrita.

37 O “toque de recolher” é uma expressão utilizada para denominar a ordem de um grupo pertencente ao narcotráfico, para que os moradores da comunidade mantenham-se em suas casas, fechando as escolas, comércio, proibindo a circulação livre pelas ruas do bairro.

38 Letra da música “Os Anjos”, do cantor e compositor brasileiro Renato Russo.

39 Expressão usada pelo professor Armando Gandin (UFRGS), pra referir-se aos diálogos/ debates nos corredores da Faculdade de Educação.

40 Na entrevista, conhecida como o “abecedário Deleuze”, é o momento de diálogo marcado pela letra J. O “J” de Joie, que significa Alegria em francês.

41 No Laboratório de Estudos em Linguagem, Interação e Cognição/ UFRGS.

42 A música é de autoria do MC Colibri, e seu título é “Livre pra voar”.




Baixar 219.5 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   18




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual