Estudo dos traços de personalidade em atletas de basquetebol juvenil relatório de projeto de pesquisa



Baixar 300 Kb.
Página3/11
Encontro06.04.2018
Tamanho300 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11
1.3 JUSTIFICATIVA
O basquete é um poderoso fator mobilizador que influencia o comportamento de jovens atletas em qualquer parte do planeta, capazes de criar padrões e moldar comportamentos. A importância e complexidade do fenômeno esportivo de alto rendimento não são ignoradas pelas Ciências do Esporte que buscam, através de métodos próprios, a obtenção de dados e a conseqüente intervenção, objetivando a melhoria da performance (SOUZA FILHO, 2000).

A prática esportiva e o basquete, em particular, apresentam certas circunstâncias sociais que devem ser analisadas mais profundamente, a fim de se conhecer suas implicações no desempenho dos atletas. De Rose Júnior, Tavares e Gitti (2004) dizem ser necessário conhecer algumas especificidades sociais dos atletas, e suas inter-relações, principalmente aquelas que influenciam na obtenção de melhores resultados individuais e coletivos.

No Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicologia do esporte da Universidade de São Paulo (GEPPSE-USP), Brandão, Hata, Bonjardim e Macedo (2005) cadastraram, entre 1995 e 2004, 508 publicações científicas, nacionais e internacionais, relacionados à Psicologia do Esporte. Segundo esses estudo, a incidência dos temas apresentou a seguinte amostragem: a ansiedade e estresse foram os mais pesquisados com 76% os trabalhos; motivação e orientação esportiva com 5% cada uma; competitividade 4%; análise comparativa de aspectos psicológicos e traços de personalidade apenas 1%. Observou-se que a maioria dos estudos privilegia os efeitos da situação sobre o comportamento do indivíduo, priorizando as pesquisas sobre o estado do sujeito, deixando em segundo plano os traços de personalidade do indivíduo.

Para Versari (2004), na fase de transição do jogador amador para profissional, a áreas mais necessárias à pesquisa são aquelas que permitem a verificação: a) das habilidades interpessoais; b) do comportamento individual e coletivo dentro e fora das quadras; c) da administração de treinamentos específicos; d) do relacionamento dos tipos de personalidade dos atletas com o seu desempenho, comparando com o desempenho de outros atletas, profissionalizando ou não, da mesma categoria ou categorias diferentes.

Segundo Mosquera e Stobäus (1984, p. 162): “[...] O desconhecimento das personalidades que integram uma equipe leva a um clima emocional de anomia (anarquia, desorganização), onde se sentem as criaturas não propriamente pertencentes a algo, mas alheias e pertencentes a este algo”.

Para Barreto (2002), um treinador, conhecendo a personalidade do seu atleta, saberá atuar com ele como pessoa e como desportista. Ao observar a personalidade do atleta, se introvertida, ambivertida ou extrovertida, o técnico, então, estabelecerá a metodologia apropriada do treinamento esportivo. Barreto (2002) argumenta e conclui: se os atletas são diferentes, biológica e psicologicamente, a aprendizagem esportiva, conseqüentemente, será também diferente; os indivíduos, segundo o seu tipo de personalidade, aprendem e condicionam as novas aprendizagens; esse conhecimento permitirá ao treinador orientar metodologicamente, e com mais acerto, seus atletas de uma forma mais previsível, tanto nos treinamentos como também nas competições e nos processos motivacionais (BARRETO, 2002).

Considerando os argumentos de Barreto (2002), dentro de uma equipe de basquetebol, é necessário que os componentes da comissão técnica (treinadores e assistentes) conheçam seus atletas, primeiro, avaliando de forma sistemática suas características individuais, virtudes, defeitos, questões relacionadas à família, amigos; e, segundo, comparando e correlacionando as características psicológicas de seus atletas com atletas de outras equipes. O alinhamento dessas informações permitirá à comissão técnica um diagnóstico mais preciso dos traços de personalidade de cada atleta

O objetivo desta pesquisa é identificar traços de personalidade de atletas de basquetebol juvenil masculino e feminino, com idades entre 16 e 18 anos, no Estado de Santa Catarina.




Baixar 300 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual