Do Estigma à Humanização: práticas, dinâmicas e vivências No caminho da reinserção social



Baixar 139.99 Kb.
Página35/35
Encontro06.04.2018
Tamanho139.99 Kb.
1   ...   27   28   29   30   31   32   33   34   35
Referências Bibliográficas

Alves, Fátima e Silva, Luísa Ferreira da (s/d), “Psiquiatria e comunidade: elementos de reflexão” in Actas dos Ateliers do Vº Congresso Português de Sociologia. Sociedades Contemporâneas: reflexividade e acção. Atelier: saúde. www.aps.pt/cms/docs_prv/docs/DPR4628f725bc048_1.pdf, página consultada em 2 de Novembro de 2008.

Barraclough, Jennifer e Gill, David (1997), Bases da Psiquiatria Moderna. Lisboa: CLIMEPSI Editores.

Bastide, Roger (1968), Sociologia das Doenças Mentais. Lisboa: Europa-América.

Burgess, Robert G. (2001), A Pesquisa de Terreno. Uma Introdução. Oeiras: Celta Editora.

Cabral, António Brito (1991), “Problemas de psico-sociologia na família e saúde mental”. Hospitalidade, Ano 55, n.º 216-217: 99-103. Revista de Saúde Mental – Relações Humanas e Problemas de Marginalização.

Carapinheiro, Graça (1993), Saberes e Poderes no Hospital. Porto: Edições Afrontamento.

Carmo, Hermano et al (1996), Exclusão Social. Rotas de Intervenção. Lisboa: ISCSP-

Comissão Nacional para a Reestruturação dos Serviços de Saúde Mental (CNPRSSM) (2007), Reestruturação e Desenvolvimento dos Serviços de Saúde Mental em Portugal. Plano de Acção 2007-2016.

Conferência Sobre Saúde Mental (CSSM) (1995), Saúde Mental: proposta para a mudança. Lisboa: Direcção-Geral da Saúde.

Cordeiro, J. C. Dias (1982), A Saúde Mental e a Vida. Pessoas e populações em risco psiquiátrico. Colecção Psicologia e Pedagogia. Mafra: ELO – Publicidade, Artes Gráficas, Lda.

Cordo, Margarida (1992), “Desfamiliarização/Refamiliarização dos doentes psíquicos em situação de longo internamento”. Hospitalidade, ano 56, n.º 219: 49-56. Revista de Saúde Mental – Relações Humanas e Problemas de Marginalização.

Costa, Alfredo Bruto da (1998), Exclusões Sociais. Fundação Mário Soares – Gradiva Publicações, Lda.

Foucault, Michel (1999), Estrategias de poder. Obras essenciales, Volumen II. Barcelona: Paidós.

Goffman, Erving (1968), Asiles. Études sur la condition sociale des malades mentaux et autres reclus. Paris: Les Éditions de Minuit.

Goffman, Erving (1988), Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Ingleby, David (1982), “A construção social da doença mental”. Revista Crítica de Ciências Sociais, 9: 87-111.

Jara, José Manuel (2006), Causas da Psiquiatria – Questões da Saúde Mental. Lisboa: Caminho.

Leitão, G. Parada (1974), “Estruturas dos Serviços de Saúde Mental”, Saúde Mental, vol. VI, Ano V, 19: 43-72. Boletim do Instituto de Assistência Psiquiátrica.

Maria, Susana G. S. e Sousa, Fernando M. V. de (2000), “A desinstitucionalização e as alternativas habitacionais ao dispor de indivíduos com perturbações mentais: um novo modelo habitacional – a habitação apoiada”. Análise Psicológica, 2 (XVIII): 181-189. Instituto Superior de Psicologia Aplicada.

Matos, António Coimbra de (1980), “O que é o deficiente mental”. Hospitalidade, n.º 171/2: 89-90. Revista de Saúde Mental – Relações Humanas e Problemas de Marginalização.

Matos, António Coimbra de (2004), Saúde Mental. Lisboa: CLIMEPSI.

Mendonça, Maria Manuela de (2006), Hospital Sobral Cid. Das origens ao cinquentenário. Coimbra: Minerva.

Milheiro, Jaime (1999), Loucos são os outros. Porto: Fim de Século Edições, Lda.

Ministério da Saúde (1999), Hospital Sobral Cid. Coimbra.

Mondimore, Francis Mark (2003), Perturbação Bipolar. Guia para Doentes e suas Famílias. Lisboa: CLIMEPSI Editores.

Rappaport, Julian (1990), “Desinstitucionalização: Empowerment e inter-ajuda. O Papel dos técnicos de Saúde Mental no século XXI”. Análise Psicológica, 2 (VIII): 143-162.

Sociedade Portuguesa de Psiquiatria Social (SPPS) (1988), Os Serviços de Saúde Mental em Portugal: passado, presente e futuro. Lisboa: SPPS.

Turner, Bryan S. (1995), “Profissions, knowledge and power” in idem, Medical Power and Social Knowledge. London: SAGE Publications.

Vidigal, Rui (1994), “O doente, o hospital e a família”. Hospitalidade, Ano 58, n.º 229: 59-60. Revista de Saúde Mental – Relações Humanas e Problemas de Marginalização.





1 Vide Anexo I.

2 In http://www.bdjur.almedina.net/item.php?field=node_id&value=381105.

3 “A observação participante facilita a colheita de dados sobre interacção social: na situação em que ocorre e não em situações artificiais (…) nem em situações artificialmente construídas pelo investigador (…). A vantagem de ser um observador participante reside na oportunidade de estar disponível para recolher dados ricos e pormenorizados, baseados na observação de contextos naturais. Além disso, o observador pode obter relatos de situações na própria linguagem dos participantes, o que lhe dá acesso aos conceitos que são usados na vida de todos os dias” (Burgess, 2001: 86).

4 Doentes internados são aqueles permanecem no CHPC por um curto espaço de tempo, o necessário para a sua estabilização e compensação, são os doentes agudos.

5 Segurança Social, in http://195.245.197.196/left.asp?03.06.10.

6 O trabalho em rede do Serviço Social numa perspectiva sistémica é aquele que visa em primeira instância o doente, depois o doente e a família, o doente, a família e as redes secundárias; avaliando o contexto social, económico e familiar do doente, a realidade abrangente ao problema do doente; e por último visa verificar a veracidade dos dados fornecidos na fase de acolhimento do doente, e recolher novas informações a fim de avaliar a necessidade do recurso a outros serviços.

7 Vide Anexo I.

8 De acordo com Barrachough e Gill (1997), “a esquizofrenia é uma doença psicótica que, na sua fase afectiva, implica ideias delirantes, alucinações e perturbações em múltiplos processos mentais. Em muitos casos evolui para a cronocidade, deixando sintomas psicóticos residuais e prejudicando o desempenho social. (…) As perturbações do humor (perturbações afectivas) incluem doença depressiva e mania. Existem condições episódicas ocorrendo uma ou duas vezes na vida em alguns pacientes mas para outros são recorrentes, com intervalos frequentes, normalmente com boa recuperação entre episódios”. A perturbação afectiva bipolar, inicialmente chamada de psicose maníaco-depressiva, caracteriza-se por episódios maníacos e depressivos; a perturbação afectiva unipolar caracteriza-se por episódios depressivos recorrentes sem os de natureza maníaca.

9 Legenda disponível no Anexo IV.

10 De acordo com a Lei de Saúde Mental nº 36/98, artigo 7º, o internamento compulsivo é um internamento por decisão judicial de portador de anomalia psíquica grave. O internamento compulsivo só pode ser determinado quando for a única forma de garantir a submissão a tratamento do internado e finda logo que cessem os fundamentos que lhe deram causa (artigo 8º).


Baixar 139.99 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   27   28   29   30   31   32   33   34   35




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual