Do Estigma à Humanização: práticas, dinâmicas e vivências No caminho da reinserção social



Baixar 139.99 Kb.
Página16/35
Encontro06.04.2018
Tamanho139.99 Kb.
1   ...   12   13   14   15   16   17   18   19   ...   35
5.2.2. Formação Profissional

Em 1991 o Serviço de Reabilitação juntou à TO uma vertente fundamental de Formação Profissional, através da realização de cursos de formação.

Para a Formação Profissional são excluídos os doentes internados4. Apenas são aceites doentes compensados, que sejam acompanhados em consultas e com idade mínima legal para trabalhar.

O Serviço de Reabilitação propôs seis cursos para o CHPC: cinco para a unidade Sobral Cid e um para a unidade Lorvão. No hospital Sobral Cid estão os cursos de artes gráficas, carpintaria, floricultura e jardinagem, manutenção de espaços e cozinha, secretariado e trabalho administrativo. No Lorvão estão os cursos de cerâmica criativa e manutenção de espaços e cozinha. Os cursos estão no âmbito do POPH (Plano Operacional de Potencial Humano).

Para poder frequentar um curso de Formação Profissional, o doente pode ser utente do hospital ou de qualquer outra instituição de saúde. Através de um documento de encaminhamento, o utente é proposto para a formação. É solicitada uma entrevista para avaliar a sua assertividade, compensação e motivação. Tem que haver uma aprovação da candidatura por parte da equipa. Posteriormente, a situação é comunicada ao IEFP que também realiza uma entrevista e, posteriormente, autoriza a formação. Se o serviço não considerar o doente apto para as formações de que dispõe, pode propor outras instituições de formação.

Os utentes da Psiquiatria Forense são o grosso da população que frequenta a formação. Como são considerados doentes residentes (permanecem no CHPC por um período mínimo de três anos), podem candidatar-se a formação.

Quando aprovada a candidatura, o utente passa por duas fases: avaliação e qualificação/estágio. Na 1ª fase os doentes passam por uma avaliação. No máximo esta fase dura quatro meses (em geral, não ultrapassa os dois meses). Os utentes recebem um subsídio de acidentes pessoais e de transporte. Se o utente não desistir e se na avaliação for considerado apto, assina o contrato de formação.

Na 2ª fase os utentes passam por duas etapas. A primeira, de qualificação, corresponde à parte lectiva. Tem a duração de um ano e realiza-se no serviço. Os utentes estão ocupados das 9h às 17h com aulas (mais práticas do que teóricas, com turmas pequenas). Têm uma hora de almoço. Podem fazer a refeição no refeitório pagando o prato ou trazendo de casa. Uma vez por mês há uma reunião de avaliação. O objectivo é formar para qualificar e não só para ocupar.

A segunda etapa corresponde a práticas em contexto de trabalho (estágio), tem a duração de nove meses. Os utentes recebem um subsídio de alimentação e de transporte e, nos casos de agregados mais carenciados, recebem uma bolsa de profissionalização. Durante a segunda etapa, alguém do grupo técnico vai ao local de estágio fazer o acompanhamento, juntamente com o supervisor da empresa, uma vez por semana. Os formandos vão ao serviço para uma reunião comum, uma vez por mês, a fim de falarem da sua experiência de estágio.

Muitas vezes, quando o período de estágio corre bem, os utentes conseguem um contrato de trabalho nesse local. Se a empresa não tiver capacidade para empregar, após o estágio o serviço continua a apoiar os formandos encaminhando-os para outras empresas (até conseguir um contrato de trabalho).

A Formação Profissional tem como recursos humanos uma coordenadora (assistente social), dois psicólogos, um terapeuta ocupacional, uma técnica de acompanhamento (licenciada em Ciências da Educação) e doze professores.

O director do Serviço de Reabilitação é médico, não estando muito presente no serviço. As equipas são autónomas na realização das actividades: gerem da melhor maneira o seu serviço, estando o director ao corrente de tudo.

Contudo, há uma certa primazia da Formação Profissional em relação à Terapia Ocupacional. A Formação tem prioridade na ocupação das salas e ateliers, estando a Terapia condicionada a alguma sala que esteja vaga. O mesmo acontece com os monitores, que apenas fazem trabalho com a Terapia após estarem livres da Formação. Isto acontece porque a Formação Profissional necessita de mais meios físicos e humanos para a realização do seu trabalho. Desenvolvendo-se a descentralização da Terapia Ocupacional, a questão do espaço e dos monitores ficaria resolvida, pois o trabalho seria realizado também na comunidade.

As condições físicas do Serviço não são as melhores. As salas são pequenas e desconfortáveis, os corredores são sombrios e frios. Na minha opinião, poderiam ser aproveitados mais os trabalhos que os utentes realizam. Utensílios práticos como mesas e cadeiras; ou mesmo decorativos, como quadros e esculturas. Ver o seu trabalho apreciado e valorizado poderia ser um incentivo para a reabilitação destes utentes.






Baixar 139.99 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   12   13   14   15   16   17   18   19   ...   35




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual