Curso de psicologia



Baixar 197.5 Kb.
Página4/13
Encontro04.03.2018
Tamanho197.5 Kb.
#165
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13

INTRODUÇÃO


Este trabalho traz um tema não muito comum de ser abordado pelos especialistas e estudiosos de saúde mental no que se refere às psicopatologias, mas que é extremamente relevante na área, no sentido de trazer muito sofrimento aos indivíduos que sofrem deste transtorno, devido à natureza de suas características, que é o transtorno de ansiedade social (TAS) ou, como é mais conhecido, Fobia Social.

A fobia social, como um transtorno de curso crônico, e muito prevalente na clínica, pode tornar-se uma condição altamente incapacitante para o indivíduo, devido ao grau de limitação psicossocial que impõe. Ou seja, o indivíduo que sofre deste transtorno se vê diante de uma situação onde ele precisa interagir socialmente para ter uma qualidade de vida e até sobreviver, já que o homem é um ser social, e é literalmente prejudicado para exercer essa atividade devido ao medo.

Muitas vezes pode parecer curioso e intrigante para os “leigos” ou indivíduos ditos “normais”, a natureza do transtorno. Ou seja, o homem como um ser altamente social e que sente ou deveria sentir prazer e satisfação em interagir com os outros, ter um medo irracional e persistente da própria sociedade e não conseguir se inserir à ela devido a esse medo. Essas manifestações são vistas muitas vezes como ‘‘frescura”, “comodismo”, ou até mesmo “fraqueza” do indivíduo por quem não entende e vivencia o problema. Tudo isso deve-se a falta de informação e divulgação sobre o transtorno, tanto da parte de especialistas quanto da parte do senso comum.

Diante dessa situação desfavorável que envolve a fobia social, este estudo tem por objetivo principal ampliar a compreensão sobre a fobia social, analisando de forma abrangente as suas características e manifestações tendo como base uma visão cognitivo-comportamental. Para isso, buscou-se uma articulação inicial entre a idéia de timidez e de fobia social, que muitas vezes torna-se imprecisa devido à semelhança entre as duas. Isso por sua vez dificulta o trabalho dos profissionais em diferenciar uma da outra e diagnosticar corretamente. Espera-se que esse trabalho sirva como fonte de inspiração para os profissionais de saúde mental, em especial os psicoterapeutas, para se aprofundarem no entendimento da fobia social, e conseqüentemente desenvolverem estratégias de intervenção mais eficazes com os pacientes.

A fobia social, como uma categoria diagnóstica bastante comum, foi escolhida como tema a ser abordado justamente pela falta de estudos e pesquisas sobre ela, e conseqüentemente pela pouca disponibilidade de tratamentos empiricamente validados e eficazes. A terapia cognitivo-comportamental (TCC), tem se mostrado uma abordagem terapêutica promissora para o quadro, assim como para outros transtornos de ansiedade, e provavelmente irá se tornar o tratamento padrão para a fobia social, associada ao tratamento farmacológico nos casos mais graves.

Através de uma pesquisa bibliográfica, buscou-se fazer uma análise e uma reflexão sobre o tema aqui exposto, descrevendo e explicitando as principais idéias e teorias que envolvem a TCC, a fobia social, e uma breve visão geral da timidez também, visando estabelecer relações pertinentes entre o transtorno, o enfoque cognitivo, e os princípios de avaliação e de tratamento utilizados dentro deste referencial.

A parte inicial do trabalho focaliza brevemente o surgimento da TCC em um contexto histórico, trazendo as principais condições que favoreceram o surgimento desta abordagem, passando pelos principais autores e seus respectivos modelos teóricos. Na seqüência do trabalho, serão apresentadas as conceituações gerais sobre a timidez e a fobia social como uma forma de introduzir a idéia sobre essas duas manifestações, com destaque para a diferença clínica em termos de psicopatologia. Em seguida, será abordada a visão cognitivo-comportamental do transtorno, e também da ansiedade, apresentando suas possíveis causas, sintomas, fatores mantenedores e os modelos teóricos da fobia social ate então desenvolvidos. Diante disso, a parte clínica de avaliação, conceituação cognitiva e o processo de intervenção para fobia social serão focalizadas, descrevendo as formas e princípios básicos de avaliação nesta abordagem, o processo de conceituação e as técnicas e procedimentos de intervenção. Ao final, serão apresentadas as conclusões e as reflexões finais sobre o tema, visando incentivar o desenvolvimento de novas idéias, pesquisas e estratégias clínicas por parte dos profissionais de saúde mental.






Baixar 197.5 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13




©psicod.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
Processo seletivo
ensino fundamental
minas gerais
seletivo simplificado
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
Concurso público
direitos humanos
Universidade estadual
saúde mental
educaçÃo infantil
educaçÃo física
Centro universitário
saúde conselho
ciências humanas
santa maria
Poder judiciário
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ensino aprendizagem
língua portuguesa
políticas públicas
Colégio estadual
recursos humanos
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
outras providências
secretaria municipal
público federal
educaçÃo universidade
Conselho municipal
catarina prefeitura
Componente curricular
conselho estadual
psicologia programa