Clara Regina Rappaport



Baixar 295 Kb.
Página21/32
Encontro27.05.2018
Tamanho295 Kb.
1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   32
a) interrupção correta
senso comum, tanto para a pediatria quanto para a psicologia, que a amamentação deve perdurar até o sexto mês. O desmame deve começar por volta do terceiro mês, quando é iniciada a introdução de sucos e papinhas. Progressivamente as refeições infantis o vão substituindo, até que ao final do sexto mês o seio pode ser deixado.
O seio, primeiro objeto de amor e ponto de partida para o desenvolvimento das relações objetais, não pode ser perdido, antes que outros objetos possam ser amados e valorizados para servirem de suporte a esta perda fundamental. Por volta do terceiro mês a criança já está estabelecendo suas relações com a mãe. Para Melanie Klein, situa-se entre o terceiro e quarto mês a passagem da posição esquizo-paranóide para a posição depressiva, ou seja, as apreensões cindidas passam a ceder lugar à apreensão de objetos inteiros, O relacionamento prazeiroso, ainda que dependente do seio, já pode ser efetuado com a mãe como um todo, O pai passa a ser percebido, constituindo nova fonte de relacionamento prazeiroso. Os alimentos

que são progressivamente introduzidos também dão prazer. Os brinquedos começam a existir como fonte de prazer, embora neste momento só existam quando dentro do campo perceptual da criança. O objeto permanente, ou seja, a capacidade de manter na memória os objetos que saem do campo visual só estará estabelecido aos oito meses, Mas, mesmo assim, OS brinquedos e os jogos corporais são fontes de prazer.


Podemos perceber então que o seio só pode ser perdido quando existirem outras fontes de satisfação e ligações afetivas que compensem a perda. O desmame progressivo permitirá que os novos vínculos sejam progressivamente estabelecidos, à medida que o vínculo inicial com o seio for sendo reduzido. A criança sentirá a perda. O desmame é, provavelmente, a maior frustração de nosso desenvolvimento afetivo. Se perdido, porém, o seio, restam mãe e pai amorosos e adequados; se perdido o leite, ganha-se a possibilidade de todos os outros alimentos; se perdido o prazer de sugar, ganha-se o de morder, o de jogar; a frustração é assimilada porque os ganhos são maiores do que a perda.
b) Interrupção precoce
Quando a amamentação é interrompida antes que surjam outros .vínculos de prazer que permitam suportar a frustração, o sentimento que fica é um sentimento de carência, uma sensação de que é preciso comer, é preciso incorporar e de que o que é recebido não basta, Para preencher estar falta, é preïso sempre buscar relações onde as pessoas ou objetos sejam um eterno vertedouro de prazer ‘e alimento. Quando este sentimento se acentua, e isto poderá ocorrer tanto por uma fragilidade constitucional da criança, quanto porque a maternagem como um todo não é sentida como satisfatória, teremos o desenvolvimento de uma postura oral captadora.
O tipo oral captador permanece na eterna expectativa de poder apenas se amamentar em todas as relações que estabelece. O caçador de dotes ou genrocrata é um exemplo social típico. Não pode estabelecer vínculos afetivo-genítais com as mulheres, ou melhor, sequer as pode perceber direito. Só pode vê-las como fonte de riqueza, de segurança econômica e social, de prazer culinário. O cáften é seu desdobramento psicopático. Também funcionam assim as mulheres que avaliam seus homens pelos carros, jóias e propriedades das quais poderá usufruir. Os glutões, os beberrões, os toxicômanos participam também da postura de uma eterna tentativa de satisfação oral. Cumpre salientar que como regra geral são todos sexualmente frios. Não desenvolvem a modalidade genital.

40


41

e) interrupção no surgimento da dentição

O surgimento da dentição marca o aparecimento da concretização da agressividade e da destrutividade. Já discutimos anteriormente estes aspectos. Ao nível da amamentação, é um risco, para a evolução psicológica da criança, que o desmame seja interrompido em conseqüência das mordidas. Ao nível do pensamento infantil, o processo é sentido como se a criança, ao tentar se relacionar com o objeto de prazer, o tenha destruído e perdido. A criança gosta de mamar, e neste momento gosta também de morder. Ao morder, a mãe retira o seio. Sucedem-se mordidas e interrupções, até que o seio é definitivamente retirado. Fica o sentimento de que o objeto de prazer foi usadc e destruído.


A fixação desta modalidade de incorporação com destruição poderá produzir tipos sociais eternamente insatisfeitos com suas conquistas. Uma vez conquistado um objetivo, é como se este houvesse sido destruído e tivesse deixado de existir como fonte de prazer.
Os eternos primeiranistas de faculdade são em nosso meio social um exemplo típico. Luta-se por uma faculdade de engenharia, por exemplo, que é abandonada após o primeiro ano; sucedem-se entradas igualmente insatisfatórias em dois ou três cursos diferentes até que por pressão da vida acaba-se por permanecer em algum, mas sem tê-lo definido realmente como sua fonte de prazer profissional. Aquilo que foi conquistado é imediatamente desvalorizado. As mulheres são deslumbrantes e idealizadas até a primeira noite. Efetuada a conquista, elas não mais merecem valor e as energias são voltadas pari outra conquista. O carro dos sonhos vira poço de defeitos tão logo seja adquirido. É preciso buscar outro modelo, porque só permanece bom e idealizado enquanto não destruído pela posse.
Paralelamente, esta postura de devorar e destruir tudo que é amado e conquistado pode conduzir ao isolamento. Há uma espécie de temor difuso (porque a fantasia e a modalidade de relação são inconscientes) de se destruir os objetos amados. E os objetos de amor mais significativos não podem, portanto, ser trazidos para a destruição. O amor verdadeiro não será declarado, para que o parceiro e o amor sejam preservados.
d) A mamentação anormalmente prolongada
A amamentação só poderá se estender se a criança refrear seu impulso para morder. Não há mamilo que resista ao corte dos primeiros dentes. Mas quais as conseqüências de sc bloquear o aparecimento da agressão? Em primeiro lugar, a agressividade oral não surge gratuitamente. Todo processo de competição na luta pela vida

implica numa atuação agressiva. É preciso que o boi seja abatido para que tenhamos a carne, temos que derrubar a floresta para eu!tivar a terra. Quando lutamos por uma vaga num emprego ou numa universidade, conquistá-la significa derrotar os que não a conseguiram. A agressividade é o elemento fundamental da combatividade, ou seja, a capacidade do ego de exercer o processo secundário, de efetuar conquistas para que o desejo possa ser realizado implica a participação de um impulso agressivo.


Sabemos também que o desenvolvimento humano possui períodos críticos, como o processo de “estampagem” nos animais. Um curió que não tenha ouvido regularmente o canto da espécie durante o período de início de seu canto, jamais o aprenderá adequadamente. Passado o momento de uma aquisição, ela não poderá ser adequadamente estabelecida em um período posterior. E este é o momento de organização da agressividade real, é o momento de morder para se alimentar. Vedando-se sua manifestação, corre-se o risco de se extinguir o impulso para competir e combater, de se configurar uma estrutura de relação onde, mesmo havendo competência, falta a capacidade de conquista. Com freqüência, todos nós conhecemos tipos assim. É bom profissional, mas não consegue emprego. É excepcional nos treinos esportivos, mas fracassa durante as competições. Sua vida será um eterno desperdício de talento, porque jamais lutará pelo lugar que sente que merece. Acomoda-se e passivamente mantém o que já possui. Lutar é sempre sentido como um risco de perder o que já tem.
2.2.3 Conclusão
Vimos que a amamentação é um elemento central da maternagem. Que organiza a evolução afetiva normal, mas que pode ser perturbada pela inadequação afetiva da mãe, pela maior fragilidade constitucional da criança e por fatores acidentais. Como núcleo da maternagem, as distorções na amamentação são sintomas de que há problemas emocionais ao nível da criança ou da mãe, O processo de desmame deve ser progressivo e situado entre a percepção da mãe (e outros objetos de amor) e o início da dentição. Distorções no processo podem concretizar fantasias infantis de carência ou de destrutividade, provocando modelos de relação distorcidos, que poderão perdurar por toda a vida.
2.2.4 Leituras recomendadas
Ver Leituras recomendadas do capítulo 1, seção 1.2.

42


43



Baixar 295 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   32




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual