Boletim de Psicologia #133 (V. 2). pmd



Baixar 50.95 Kb.
Pdf preview
Encontro14.01.2022
Tamanho50.95 Kb.
#59720
v60n133a10


RESENHA

RESENHA


RESENHA

RESENHA


RESENHA

TÉCNIC


TÉCNIC

TÉCNIC


TÉCNIC

TÉCNICAS PROJETIV

AS PROJETIV

AS PROJETIV

AS PROJETIV

AS PROJETIVAS COM CRIANÇAS

AS COM CRIANÇAS

AS COM CRIANÇAS

AS COM CRIANÇAS

AS COM CRIANÇAS

Nunes, M.L.T. (Org.). (2010). 

Técnicas projetivas com crianças. São Paulo: Casa do Psicólogo, 242p.

Resenhado por Helena Rinaldi R

Helena Rinaldi R

Helena Rinaldi R

Helena Rinaldi R

Helena Rinaldi Rosa

osa


osa

osa


osa

Departamento de Psicologia Clínica - UNESP, Assis-SP - Brasil

Endereço para correspondência: - Departamento de Psicologia Clínica da UNESP - Campus de Assis. Avenida Dom Antonio,

2100. Assis – SP. CEP: 19806-900. E-mail: helenarr@osite.com.br

B

OLETIM


 

DE

 P



SICOLOGIA

, 2010, V

OL

. LX, 


N

º 133: 243-246

Este livro foi organizado pela professora Maria Lucia Tiellet Nunes, da PUCRS e faz parte da

Coleção Métodos Projetivos, lançada pela Casa do Psicólogo,

 apresenta

 pesquisas realizadas pelo

Grupo de Trabalho da ANPEPP – Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia,

denominado “

Métodos Projetivos nos Contextos de Avaliação Psicológica”, coordenado por Anna

Elisa de Villemor-Amaral.

 

As pesquisas apresentadas, envolvendo os testes projetivos empregados



na avaliação infantil, buscam evidenciar conceitos psicanalíticos bem como contribuir na discussão

da qualidade dos testes no seu emprego na clínica com crianças; discutem ainda o uso com crianças

em condições específicas, como as crianças Pantaneiras, Kadiwéu e Guarani.

O livro é iniciado com a pesquisa da organizadora e seu orientando, Fernando Basso, ambos

da PUCRS, a qual parte de dois pressupostos: a dependência do bebê diante da mãe e o processo

obrigatório de separação-individuação para seu crescimento saudável – conceito proposto por Mahler

(1993), em que o self do bebê vai de diferenciando das representações maternas. Esse processo foi

estudado em pré-escolares com o Teste das Fábulas, com o objetivo de analisar diferenças no

desenvolvimento psíquico do processo de separação-individuação em relação ao sexo e faixa etária.

Foram avaliadas 142 pré-escolares, de ambos os sexos, com idade de três a quatro anos (mais novas)

e de cinco a seis anos e 11 meses (mais velhas), em escolas de educação infantil, clínicas-escolas de

atendimento psicológico e centros de formação e atendimento psicoterapêutico em Porto Alegre,

RS, bem como em protocolos de avaliação psicodiagnóstica em arquivo de clínica-escola. Trata-se de

pesquisa quantitativa, descritiva, através do levantamento do número de ocorrências de verbalização

das crianças nas respostas à Fabula 1 – Fábula do Passarinho, que pressupõe a presença de variáveis

psicodinâmicas relativas ao processo de separação-individuação. As respostas, categorizadas e

contabilizadas, foram submetidas a tratamento estatístico para verificar a relação entre as variáveis

sexo e idade com o conflito estudado. Os resultados indicaram diferenças entre meninos e meninas

no processo de separação-individuação, que é influenciado pela interação no ambiente familiar e

pelas experiências de socialização. Conforme era esperado as crianças de menor idade manifestaram

maior regressão do que as maiores, em função da maturação. Os resultados demonstraram que o

Teste das Fábulas permite verificar o desenvolvimento psíquico de pré-escolares, contribuindo para




244

o entendimento psicodinâmico das crianças e investigando os conceitos psicanalíticos em outros

contextos que não a sessão clínica, inclusive a fim de favorecer o trabalho terapêutico.

O segundo capítulo, escrito por Liza Fensterseifer e Blanca S. G. Werlang, tem por objetivo

identificar, através das histórias contadas para as lâminas do FAT - Teste de Apercepção Familiar, a

percepção das crianças sobre as figuras de autoridade, em especial o pai e a mãe. Este teste, semelhante

ao CAT e TAT, tem 21 lâminas com cenas de famílias típicas em seu cotidiano e com temáticas

específicas, buscando mostrar a maneira como o sujeito percebe a estrutura e o funcionamento de

sua família 

e

 está sendo validado para o Brasil. A amostra foi composta por 160 crianças e adolescentes,



de seis a 15 anos, de Belo Horizonte e Porto Alegre, sendo controladas as variáveis sexo, idade e tipo

de escola que freqüentam. O FAT foi administrado individualmente e as histórias foram classificadas

pelo sistema de categorização proposto para a análise das respostas do teste, considerando três

categorias: “Imposição de limites”, “Fronteiras” e “Tipo de comunicação”. Os resultados indicaram

que a maioria dos sujeitos percebe uma relação entre bons modelos de autoridade, adequada

imposição e aceitação de limites, fronteiras nítidas e boa comunicação entre os membros de uma

família, fatores que estão ligados a uma relação mais sadia e funcional entre a criança e as figuras de

autoridade. As autoras concluem que o FAT é um instrumento adequado para a finalidade para a qual

foi proposto.

O capítulo seguinte, escrito pelas mesmas autoras do anterior e Vivian R. Borges, trata do

importante conceito de respostas populares nas técnicas projetivas, entendendo-as como uma medida

de concordância social, ou seja, a opinião que determinado sujeito compartilha com seus pares, de

seu grupo de referência. O instrumento utilizado, pouco conhecido no Brasil e que está sendo validado

pelo grupo de pesquisa de Blanca Werlang, é o PPAS: Psychological Pain Assessment Scale – Escala de

Avaliação de Dor Psicológica, que busca investigar o conceito de dor psicológica, apontado como

motivador para a autodestruição, como o suicídio. Apresentam a escala como um instrumento auxiliar

na identificação daquele que pode vir a atentar contra a própria vida e, portanto, para o trabalho de

prevenção e intervenção deste comportamento. A escala fornece figuras em que o sujeito assinala o

grau de dor psicológica percebida em cada uma delas numa escala likert e dá nome às mesmas.

Trata-se de um estudo quantitativo de tipo transversal. A amostra foi composta por 525 adolescentes

entre 15 e 19 anos, de ambos os sexos, provenientes de escolas públicas e privadas de Porto Alegre-

RS. Pouco mais de um terço da amostra apresentou indicativos de ideação suicida segundo a BSI

(Escala de Ideação Suicida de Beck), mais presente no sexo feminino. O grupo com ideação suicida

apresentou mais evidências de dor psicológica do que o grupo sem ideação suicida, conforme

esperado. As respostas populares foram amplamente apresentadas e discutidas pelas autoras que

concluem que tais respostas fornecem um parâmetro para a avaliação do ajustamento e da capacidade

da pessoa de se organizar e de se colocar no mundo, bem como em relação aos seus pares, e mostram

a importância do instrumento na identificação de fatores de risco do comportamento suicida.

No quarto capítulo, Leila C. Tardivo (USP) discute os processos de psicodiagnóstico

compreensivo e interventivo de crianças como o uso do Procedimento de Desenhos-Estórias, do

Desenho da família com estória – DF-E – e de Desenhos com tema e ilustra com um caso clínico com

um grupo de crianças numa consulta terapêutica, evidenciando que esses procedimentos têm caráter

HELENA RINALDI ROSA



245

interventivo e atuam como mediadores e facilitadores no contato entre o psicoterapeuta e a criança

ou o grupo.

A seguir é apresentada uma pesquisa de precisão entre avaliadores na análise de aspectos

cognitivos com o CAT-A, de Maria de Fátima Xavier e Ana Elisa V. Amaral, que empregaram um

sistema de categorização de respostas para identificar nas narrativas, os aspectos do desenvolvimento

cognitivo e sua adequação, o que possibilitaria detectar problemas indicativos de sofrimento,

prognosticar dificuldades e estabelecer relações entre os aspectos cognitivos e emocionais. A precisão

entre dois avaliadores foi obtida pelo grau de concordância entre eles ao empregar as categorias

propostas na pesquisa. Foram analisados 12 protocolos de crianças do ensino fundamental de uma

escola pública do interior do Estado de São Paulo. Os resultados indicaram grau de concordância

entre moderado e muito bom, conforme os critérios usados, com maior ou menor objetividade e

interferência de

 fatores subjetivos do avaliador na interpretação dos resultados, confirmando a

confiabilidade do sistema de categorização proposto. As autoras concluem pela possibilidade de se

criar escalas e sistemas de classificação de respostas, com critérios claramente definidos de análise,

para aumentar a credibilidade do uso não só do CAT-A como de outros métodos projetivos.

A importância dos testes projetivos para evidenciar resultados de psicoterapia, como medida

de evolução do paciente e efetividade da psicoterapia psicanalítica é discutida no capítulo seguinte,

em que Maria Lucia Tiellet, Rita P. Teixeira e Elizabeth K. Deakin relatam estudos do seu grupo de

pesquisa. São três pesquisas de mestrado que empregam as diversas técnicas usadas em

psicodiagnóstico, com diferentes intervalos de tempo entre o início e a reavaliação após um período

de intervenção terapêutica psicanalítica, e uma de doutorado que compara um grupo de crianças

que recebeu esse tratamento após 12 meses com outro grupo que não o recebeu, verificando as

modificações cognitivas, emocionais, sintomáticas e de adaptação. Nessas pesquisas os testes

projetivos, bem como escalas e questionários empregados indicaram mudanças em grau maior ou

menor nos diferentes aspectos, em especial no impacto da psicoterapia sobre as queixas apresentadas

pelas crianças, tanto na avaliação dos pais, dos professores como das próprias crianças. As autoras

concluem que os testes psicológicos não só auxiliaram na compreensão psicodinâmica dos pacientes

como permitiram a identificação dos mecanismos de mudança que formam a base para uma

intervenção psicoterapêutica adequada.

O sétimo capítulo, de autoria de Norma L. Semer e Latife Yazigi, aborda a auto-estima em

crianças enuréticas com o Método de Rorschach, Sistema Compreensivo proposto por Exner (1993),

em 26 crianças com enurese (sem causa orgânica) do Ambulatório de Pediatria de um hospital de São

Paulo e 26 crianças, pareadas por sexo, idade e nível socioeconômico, do mesmo ambulatório e com

outros sintomas, porém sem enurese. Foram selecionadas algumas variáveis do teste e feita a análise

de confiabilidade entre juízes. As autoras apresentam algumas características psicológicas das crianças

enuréticas, investigadas segundo essa proposta de análise, indicando falha na construção da função

de continência ou de controle, que seria produto do desenvolvimento da noção de si e um alicerce

básico para a constituição da auto-estima.

Finalmente o último capítulo, de Sonia Grubits, Michele Arantes e Heloísa B. G. Freire,

apresenta o Teste do Desenho da Árvore em um agrupamento muito específico e peculiar de sete

T

ÉCNICAS


 P

ROJETIVAS

 

COM


 C

RIANÇAS



246

crianças, sendo quatro meninos em escolas do Pantanal do sul do Mato Grosso, duas meninas da

aldeia indígena Kadiwéu e um menino da aldeia indígena Guarani/Kaiowá, todas do Mato Grosso do

Sul, que foram submetidas ao HTP. O objetivo da pesquisa foi analisar a construção das identidades

dessas crianças e aspectos relacionados a gênero por meio de seus desenhos da árvore, sempre

considerando os aspectos culturais e ambientais. As autoras apresentam os desenhos realizados

pelas crianças e uma descrição interessante sobre as três culturas. Mostram que as crianças pantaneiras

representaram as dificuldades de acesso e de contato, tanto emocionais quanto físicos, confirmados

pelo ambiente em que vivem. Nos desenhos do menino guarani apareceu a grande influência da

cosmologia guarani na formação de sua identidade; as árvores das meninas kadiwéu ressaltaram a

importância da arte de sua cultura nas suas vivências e formas de estar no mundo. As autoras concluem

pela importância e utilidade da análise dos desenhos para o entendimento da relação da cultura e do

ambiente no desenvolvimento humano.

Todos os capítulos apresentam os conceitos investigados de forma clara e em linguagem

compreensível para estudantes e mesmo leigos que se interessem pelo tema da avaliação psicológica

e apresentam bibliografia abrangente e atualizada, constituindo importante fonte de referências

para os pesquisadores. Os capítulos integram a pesquisa e a intervenção em Psicologia, de modo a

contribuir para a área de avaliação psicológica infantil da mesma forma que contribuem para a atuação

clínica dos psicólogos.

Recebido em 10/12/10

Aceito em 12/12/10

HELENA RINALDI ROSA



Baixar 50.95 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©psicod.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
conselho nacional
concurso público
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
ensino médio
minas gerais
seletivo simplificado
Conselho nacional
oficial prefeitura
terapia intensiva
Curriculum vitae
Boletim oficial
direitos humanos
Concurso público
Universidade estadual
saúde mental
educaçÃo infantil
educaçÃo física
saúde conselho
Centro universitário
Conselho regional
Poder judiciário
assistência social
santa maria
Excelentíssimo senhor
ciências humanas
Atividade estruturada
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
Colégio estadual
Dispõe sobre
ensino aprendizagem
recursos humanos
outras providências
Conselho municipal
secretaria municipal
catarina prefeitura
público federal
educaçÃo universidade
psicologia programa
Serviço público
Componente curricular
Corte interamericana