Boa-fé nos Contratos: entre a fonte e a solução do caso concreto. Thiago Borges1



Baixar 140.5 Kb.
Página15/26
Encontro28.11.2019
Tamanho140.5 Kb.
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   26
3.1. A Responsabilidade Pré-negocial.
A aplicação da boa-fé objetiva na fase de conclusão do contrato atém-se os fatos que configuram as tratativas. Neste momento, embora ainda não tenham sido fixadas com precisão as obrigações principais da relação contratual, as partes devem comportar-se com lealdade para com os interesses do alter. Assim, as peculiaridades do caso concreto são essenciais na configuração destes deveres que visam proteger a solidez, a segurança e a facilidade da circulação das riquezas.
No caso dos tomates47, ocorrido no Rio Grande do Sul, a CICA, após ter distribuído gratuitamente sementes de tomate para agricultores da região de Canguçu, deixou de adquirir o produto em razão da modificação em sua política industrial, contrariando a atitude tomada em anos anteriores. Intentada pelos agricultores da região, que sofreram prejuízos decorrentes do cultivo dos tomates, a questão foi resolvida em segunda instância com base no princípio da boa-fé objetiva, conforme a ementa que segue:
“Contratos. Tratativas. Culpa in contrahendo. Responsabilidade civil. Responsabilidade da empresa alimentícia, industrializadora de tomates, que distribui sementes, no tempo do plantio, e então manifesta a intenção de adquirir o produto, mas depois resolve, por sua conveniência, não mais industrializa-lo naquele ano, assim causando o prejuízo do agricultor, que sofre a frustração da expectativa da venda da safra, uma vez que o produto ficou sem possibilidade de colocação. Provimento, em parte, do apelo, para reduzir a indenização à metade da produção, pois uma parte da colheita foi absorvida por empresa congênere, às instâncias da ré. Voto vencido, julgando improcedente a ação” (TJRGS, AC 591028295, 5ª Câm. Cível, rel. Des. Ruy Rosado de Aguiar Jr., j. 06.06.1991, por maioria, pub. in RJTJRGS 154/378).
Em seu voto, o relator afirma que “decorre do princípio da boa-fé objetiva, aceito pelo nosso ordenamento (Clóvis do Couto e Silva, Estudos de Direito Civil Brasileiro e Português, p. 61), o dever de lealdade durante as tratativas e a conseqüente responsabilidade da parte que, depois de suscitar na outra a justa expectativa de celebração de um certo negócio, volta atrás e desiste de consumar a avença”.
Quanto à argumentação da ré, na apelação, acerca da ausência de provas, o julgador aponta para as nuances do caso concreto: “Ora, é graciosa a pretensão de que o relacionamento estabelecido entre esses homens do campo, simples e rudes, estivesse documentado por escrito. (...) Confiaram eles lealmente na palavra dada, na repetição do que acontecera em anos anteriores, certamente não tendo porque lembrar de requerer a produção de prova ad perpetuam rei memoriam, tirar fotografias da plantação e da colheita, chamar o notário para documentar as declarações do intermediário”.
Em reforço a esta idéia, o Enunciado n. 25 do Conselho da Justiça Federal dispõe que “o art. 422 do Código Civil não inviabiliza a aplicação, pelo julgador, do princípio da boa-fé nas fases pré e pós-contratual”48. A fase pós contratual será abordada mais adiante.

Catálogo: revistajuridica -> arquivo -> edicao janeiro2006
arquivo -> A relevância jurídica da Síndrome Pré-Menstrual partindo-se de uma comparação com o puerpério
arquivo -> Reflexões sobre a reduçÃo da maioridade penal no brasil
arquivo -> O princípio do desenvolvimento sustentável e sua abordagem econômica
arquivo -> Direito e ciência do comportamento: discussões e aplicaçÕes práticas
arquivo -> MediaçÃo e arbitragem
arquivo -> A família no novo milênio: em busca da dignidade perdida
arquivo -> ConstitucionalizaçÃo do direito de família e a “socioafetividade” como caracterizadora de relaçÃo paterno-filial
arquivo -> O incidente de insanidade mental no processo penal
arquivo -> Transexualismo e direito: possibilidades e limites jurídicos da mudança de sexo
edicao janeiro2006 -> Possibilidade de adoção por casal homossexual

Baixar 140.5 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   26




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual