Ausência de limites em criançAS: como intervir utilizando a terapia cognitivo-comportamental thaise Pinto Pascoal¹; Flávia Regina Martoni de Oliveira²



Baixar 125.32 Kb.
Página9/11
Encontro04.03.2018
Tamanho125.32 Kb.
#157
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11
RESULTADOS E DISCUSSÃO

Logo no primeiro atendimento durante uma breve conversa com L. ficou perceptível que o “apego” citado durante as conversas era apenas por parte da mãe que durante um instante foi suscinta ao relatar que dava ao filho todo amor do mundo, pois precisava suprir a falta do pai. A partir da segunda sessão R.C contou que o repreendia bastante e que não entendia o porquê de L. ser tão desobediente e mal educado. Ela ainda sinalizou que L. dormia em sua cama, pois o quarto dele estava em reforma. As conversas com L. eram sempre muito rápidas, pois ele apenas respondia o que era perguntado.

A queixa inicial de desobediência associada à morte do pai desapareceu logo na segunda sessão, restando apenas a queixa de desobediência. R.C, responsável, foi orientada a anotar todos os comportamentos de L. considerados adequados e/ou inadequados. Com L., foi realizada uma técnica simples denominada de “cartograma”, que consiste em fazer com que o paciente demonstre seus interesses, pensamentos, sentimentos e comportamentos através de frases do tipo: gosto/não gosto. R.C mostrou- se bastante afetuosa e em demasia autoritária. Segundo (Kail, 2004) o supercontrole é ruim, pois priva as crianças de encontrarem padrões de comportamento próprios e o subcontrole prejudica as crianças, pois não lhes ensina o padrão de comportamento cultural. Nas últimas sessões R.C foi orientada a trabalhar o equílibrio.

Ao avaliar o caso pôde–se perceber que educar não está relacionado ao cuidado excessivo ou à imposição frequente de regras, mas sim ao equilíbrio, à dosagem correta. A terapia ainda não chegou ao fim, mas já foi levantada uma hipótese diagnóstica.

Observou-se que a desobediência da criança não está associada à morte do pai, mas sim à falta de limites.

A mãe expôs um relevante extremismo durante o processo terapêutico, protegendo e cobrando responsabilidades da criança de forma desequilibrada. L. não ouvia elogios e quando fazia algo bom, sua mãe lhe dizia: “não fez mais que sua obrigação”. A criança não era estimulada aos bons comportamentos, ouvia apenas reclamações e nunca palavras motivadoras.





Baixar 125.32 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11




©psicod.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
Processo seletivo
ensino fundamental
minas gerais
seletivo simplificado
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
Concurso público
direitos humanos
Universidade estadual
saúde mental
educaçÃo infantil
educaçÃo física
Centro universitário
saúde conselho
ciências humanas
santa maria
Poder judiciário
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ensino aprendizagem
língua portuguesa
políticas públicas
Colégio estadual
recursos humanos
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
outras providências
secretaria municipal
público federal
educaçÃo universidade
Conselho municipal
catarina prefeitura
Componente curricular
conselho estadual
psicologia programa