As contribuiçoes das teorias de piaget e vygotsky para a área da educaçÃO



Baixar 48.24 Kb.
Página6/8
Encontro04.03.2018
Tamanho48.24 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8
Teoria sóciointeracionista
A maior preocupação de Lev Semynovitch Vygotsky, pesquisador contemporâneo de Piaget, foi entender a influência da linguagem ou da comunicação no desenvolvimento cognitivo do indivíduo tendo em vista o contexto histórico no qual vivia a Revolução Socialista.

A teoria sóciointeracionista entende que o conhecimento emerge da relação sujeito- sociedade- objeto. Portanto é uma relação mediada por processos histórico-culturais. Pelo esquema, percebe-se que antes de tomar contato com o objeto do conhecimento, este já está configurado socialmente. Manacorda define bem esse primado social.

O primado do social é para Vygotsky incontestável: “o primum não é uma inexistência e impensável criança isolada, mas sempre e somente criança que cresce no seio da sociedade humana”. ( Manacorda 1995, p.326 )

Reafirmando a importância do meio sócio-histórico na formação da criança, Vygotsky afirmou que as funções mentais superiores são internalizadas a partir de dois níveis: o inter-psicológico e o intra-psicológico. O primeiro tem a ver com as práticas humanas inerentes ao contexto cultural da criança, sendo, portanto, produzidas coletivamente. Então é a partir dessa interação sujeito – grupo - social, mediada por membros mais experientes, que a criança particulariza o uso específico das funções superiores, sendo este um momento individual. O próprio Vygotsky esclarece essa relação inter e intra-psicológica: Segundo Manacorda Citado por Oliveira (1995. p.326) “Inicialmente outras pessoas agem sobre a criança, depois ela mesma entra em relação de interação com aqueles que circundam, em seguida começa por sua vez agir sobre os outros e, no fim e somente no fim, começa a agir sobre si mesma”.


Essa ênfase que Vygotsky e seus colaboradores (Luria e Leontiev entre outros) dão ao aspecto social provém da matriz teórica adotada por eles, que é o materialismo histórico dialético, de Marx e Engels. Decorre daí a importação de diversos termos do marxismo para a psicologia soviética, tais como: apropriação, produção, base material e outros.

Mesmo algumas hipóteses levantadas, Vygotsky já haviam sido formuladas por Marx, como se vê nesta passagem de A Ideologia Alemã: Não é a consciência que determina a vida, é a vida que determina a consciência... parte-se dos próprios indivíduos reais e considera-se a consciência apenas como sua consciência. ( Vygotsky 1984, p.20 ).


Semelhante a Marx, Vygotsky diria que “A internalização das atividades socialmente enraizadas e historicamente desenvolvidas, constitui o aspecto característico da psicologia humana” ( Vygotsky 1991, p.65 ).

Inclusive, em uma de suas conferências, Vygotsky afirmou que não queria construir uma psicologia com retalhos de Marx, mas superar o que chamou de “crise da psicologia” a partir do método dialético utilizado por ele em “O capital”.

A crise a que ele se referia era a divisão entre a corrente psicológica subjetiva (racionalista), de Chelpanov e a reflexologia (empirista) de Ivan Pavlov. E para superar essa divisão Vygotsky propôs a criação do método dialético, que faria a grande síntese entre o subjetivismo e o materialismo histórico, ou seja atribuir ao surgimento da consciência uma base material.

São vários termos pelos quais a psicologia soviética tem sido conhecida: sociointeracionalismo, histórico-cultural ou sócio-histórica. Na sua época, Vygotsky utilizou três termos para conceituá-la: psicologia cultural, histórica e instrumental (Luria, 1988, p. 26). Cada um desses termos estava ligado a uma de suas dimensões. Os aspectos culturais e históricos. O aspecto instrumental se refere às mediações que o sujeito usa para atuar sobre a realidade.

Vygotsky em sua obra destaca a concepção multidimencional como encara a criança. Para ele, as funções psicológicas superiores estão interligados uma interagindo com a outra na medida em que a criança vai se apropriando dos instrumentos culturais disponíveis. A forma de conhecer o mundo se dá por apropriação, ou seja, no aspecto instrumental (tecnologia) ou conceitual (crenças, valores, conhecimentos). Todavia, essa abordagem não pode ser confundida com o ambientalismo, pois a apropriação não significa cópia real, mas sim um processo de reelaboração individual daquilo que foi historicamente produzido pela humanidade, já que o sujeito é concebido como um ser ativo na relação com o meio cultural. Advém daí a importância que Vygotsky ao papel da linguagem no desenvolvimento humano, pois é através dela que compartilhamos o significado dos símbolos socialmente convencionados que conceituam o mundo. Assim, a apropriação de conceitos é uma atividade complexa pois coloca em movimento as múltiplas funções superiores. A esse respeito La Taille,(1993. pág 184) esclarece:

Das investigações do processo de formação dos conceitos, é sabido que o conceito não é simplesmente um conjunto de conexões associativas que se assimila com a ajuda da memória, não é um hábito mental automático, mais sim um autêntico e complexo ato do pensamento. (...) O processo de desenvolvimento dos conceitos ou dos significados das palavras exige o desenvolvimento de uma série de funções (a atenção voluntária, a memória lógica, a abstração, a comparação e a diferenciação ) de modo que uns processos psíquicos tão complexos não podem ser aprendidos de modo simples.

A explicação acima reporta também à importância do processo de escolarização, pois na abordagem sócio histórica os conceitos são divididos em “espontâneos” e “científicos”. Os primeiros são noções comuns, apropriadas pelas crianças nas relações imediatas com as pessoas. Já os científicos, carecem de maior sistematização, entrando em cena a escola como mediadora fundamental na evolução do nível conceitual da criança. É importante salientar que não podem ser desprezados os conceitos espontâneos pois são as bases para a evolução posterior do pensamento infantil.

Ainda sobre a formação de conceitos Oliveira citado por La Taille assim escreve:

A criança adquire consciência dos seus conceitos espontâneos relativamente tarde: a capacidade de defini-los por meio de palavras, de operar com eles a vontade, aparecer muito tempo depois de ter adquirido os conceitos. Ela possui o conceito isto é conhece o objeto ao qual o conceito se refere, mas não está consciente do seu próprio pensamento. O desenvolvimento de um conceito cientifico, por outro lado, geralmente começa com sua definição verbal e com sua aplicação em operações não-espontâneas ao se operar se operar com p próprio conceito, cuja existência na mente da criança tem inicio a um nível que só posteriormente será atingido pelos conceitos espontâneos. (La Taille. 1992 p. 31 )

Piaget e seus colaboradores desenvolveram pesquisas importantes sobre o PAPEL FUNDAMENTAL DA LINGUAGEM NA SISTEMATIZAÇÃO DAS EXPERIÊNCIA DA CRIANÇA, pois serve para orientar o seu comportamento social.

Sendo assim ao longo do desenvolvimento cognitivo, a relação entre a fala e a ação se modifica, ocorrendo em três fases:


  • Na fase da fala social (até os três anos ), a fala acompanha as ações da criança de forma dispersa e caótica, refletindo as dificuldades que ela sente para solucionar as questões que lhe são colocadas.

  • Na fase da fala egocêntrica ( três aos seis ), a fala passa a preceder a ação mudando a sua função. Agora ela passa a atuar como auxiliar do plano de ação já concebido, mas ainda não realizado.

  • Na fase da fala interior ( após os seis anos ), a fala externa da criança vai desaparecendo até se tornar interna. A internalização progressiva da fala permite que a criança adquira a função de auto regulação ou função planejadora, sendo, a partir daí, capaz de controlar seu comportamento, seu pensamento, percepção, atenção, memória e capacidade de solucionar problemas, mesmo quando estes não estão no seu capo visual.

O aspecto da fala é considerada essencial no processo de aprendizagem pois estimula vários processos internos de desenvolvimentos que não são avaliados pelo professor.

Neste sentido o professor poderá avaliar as funções que estão em maturação e que não foram percebidas, podendo assim estimular a criança a se desenvolver ainda mais.

Com base nesses pressupostos, Vygotsky desenvolveu o conceito de zona de desenvolvimento proximal, que é entendida como distância entre o desenvolvimento real d criança e o seu desenvolvimento potencial. O primeiro é caracterizado pela solução independente de problemas, e o segundo pela solução de problemas sob orientação ou colaboração de um adulto ou colega.

Assim, a zona de desenvolvimento proximal permite ao professor o que a criança é capaz de atingir, bem como definir seu estado de desenvolvimento cognitivo. Nessa perspectiva, o professor não deve enfocar aquilo que a criança já aprendeu, mais o que ela realmente necessita aprender para atingir seu desenvolvimento real.




Baixar 48.24 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual