Apelo a Contributos para o dossier temático do N.º 34 da revista ex æquo Perspetivas interdisciplinares sobre o Femicídio



Baixar 0.83 Mb.
Página1/2
Encontro27.05.2018
Tamanho0.83 Mb.
  1   2

Apelo a Contributos para o dossier temático do N.º 34 da revista ex æquo
Perspetivas interdisciplinares sobre o Femicídio

Coordenadoras: Maria José Magalhães – FPCEUP /PT, Sofia Neves – ISMAI/PT, Conceição Nogueira – FPCEUP/PT e Yolanda Rodriguez Castro – Uvigo/ES



Data de submissão – 15 de maio de 2016 (a publicar em novembro de 2016)
O femicídio, definido como “o assassinato de mulheres por serem mulheres” (Russell 19901), está, de forma cada vez mais visível, presente na agenda científica e política.

O termo, não sendo completamente desconhecido nos países de língua inglesa, por surgir referenciado na literatura e no discurso judicial desde o início do século XIX, só foi tornado conhecido, em outras línguas, quando os movimentos feministas começaram a denunciar a regularidade dos assassinatos de mulheres e meninas associada a uma ideologia de género promotora da apropriação dos corpos (e das mentes) das mulheres.

Russell e colaboradores/as desenvolveram o conceito de femicídio para enfatizar o problema social que está na base das manifestações persistentes de sexismo na sua forma extrema, “o assassinato de mulheres pelos homens motivado por ódio, desprezo, prazer ou sentimento de propriedade face às mulheres" (Caputi & Russel 1992, 425; ver também Harmes & Russel 2001).

Na sequência de três décadas de lutas sociais feministas exigindo políticas e medidas legais de combate à violência de género, os dados nacionais e internacionais apontam para uma certa estabilidade dos homicídios cometidos pelos homens contra as mulheres, quer seja no âmbito das relações de intimidade, quer no contexto de outras situações que configuram relações de género desiguais entre mulheres e homens.



Dados provenientes de 66 países (incluindo Portugal) indicam que 13.5% dos homicídios são cometidos por parceiros e que essa percentagem é seis vezes maior no caso das mortes de mulheres, em comparação com as mortes de homens (38.6%). Assim, estima-se que um em sete homicídios, no geral, e 1/3 dos homicídios de mulheres, em particular, sejam perpetrados por parceiros (Stöckl et al. 2013).
Este número especial da Ex Aequo toma como referência as questões do femicídio, a partir de diversas perspectivas científicas, no amplo domínio dos Estudos sobre as Mulheres, Estudos de Género, Estudos Feministas e Estudos Queer – tais como a Sociologia, a Psicologia, a Educação, as Artes e a Literatura, a Antropologia, o Direito, a Criminologia, a História, a Economia, entre outras.

Os artigos podem versar, entre outros, os seguintes tópicos e questões:


. Qual a relação entre as taxas de femicídio e o movimento social mais amplo que é o feminismo? Quais são as implicações para o feminismo e para o ativismo no futuro?

. Qual a relação entre as políticas sociais e o femicídio?

. Qual a relação entre a construção social de género e o femicídio?

. De que forma o femicídio na intimidade em casais do mesmo sexo desafia ou complementa a noção de femicídio?

. Interseccionalidade e sua relevância para os feminismos contemporâneos. Como tem vindo o femicídio a ser debatido e combatido no seio dos movimentos sociais feministas pós-positivistas? Quais as implicações para os feminismos e os ativismos do futuro?

. Femicídio e avaliação do risco. Que fatores e processos aumentam a vulnerabilidade e o risco de femicídio? Que medidas (e com que nível de eficácia) têm sido adotadas para reduzir a vulnerabilidade e o risco?

. Femicídio nos media. Que narrativas mediáticas são construídas em torno do femicídio? Qual o impacto destas na manutenção representação social do crime e dos seus agentes?

. Femicídio, cultura e educação.

. Como pode o femicídio ser entendido no seio dos Estudos Pós-Coloniais e Subalternos?

. Femicídio e mal-estar psicológico. Quais os efeitos do femicídio na saúde e no bem-estar das vítimas indiretas?


Referências:

Caputi, Jill and Diana E.H. Russell. 1990. “Femicide: Speaking the unspeakable”. Ms.: The World of Women, Vol. 1, No. 2, September/October 1990, pp. 34-37.

Russell, Diana E.H. and R. Harmes. (Eds.). 2001. Femicide in Global Perspective. New York: Teachers College Press.

Stöckl, Heidi, et al. 2013. ‘The Global Prevalence of Intimate Partner Homicide: A Systematic Review.’ Lancet, Vol. 382, Iss. 9895, pp. 859–65.




Baixar 0.83 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
  1   2




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual