Ano II – Edição Especial nº 07 :: Assédio Moral e Assédio Sexual 1ª Parte



Baixar 0.76 Mb.
Página72/72
Encontro28.11.2019
Tamanho0.76 Mb.
1   ...   64   65   66   67   68   69   70   71   72
volta ao índice

A reparação por dano moral tem previsão constitucional – art. 5º, inc. X. O Novo Código civil Brasileiro, no art. 186, dispõe: art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.

Como se constata, a Constituição da República e a lei ordinária contemplam a ampla reparação dos danos decorrentes de ação ou omissão que violem direito ou causem dano.

Atualmente, a regra geral é de que a responsabilidade é subjetiva, com fundamento no art. 186 do Código Civil em vigor, pelo qual se exige, para o reconhecimento do direito à percepção de indenização por danos morais a prova da ação lesiva por parte da empregadora, do resultado prejudicial ao empregado (vítima) e do nexo causal entre este e aquela. A indenização por dano moral decorre da lesão sofrida pela pessoa natural em sua esfera de valores, como a dignidade, a honra, o moral, a imagem, a integridade física, bem como outros valores de natureza extrapatrimonial.

A prova oral colhida não deixa dúvidas.

A testemunha Mauro Antonio Brum Devit, trazida a depor pela reclamante, declarou que: “...o depoente participava de reuniões presididas por Sergio Caraver, que se dirigia a seus subordinados, inclusive a reclamante, utilizando as palavras de baixo calão, agressivas e ofensivas; que além das expressões constantes no item 39 da fl. 21 (deste teor: “eu fodo com a vida de vocês; caralho; cadelas; dêem o cu para vender...”), o referido superior utilizava, ainda, outros palavrões... o depoente questionou Sergio Caraver acerca de sua conduta e foi por ele dispensado...”(fl. 440).

A testemunha Vera Lúcia Rodrigues Alves, trazida a depor pela reclamante, além de confirmar o já afirmado pela testemunha anterior, declarou: “... o referido supervisor utilizava, ainda outros palavrões como “lixo” e “merda”; que não presenciou a reclamante sendo desrespeitada fora das reuniões embora tenha ouvido comentários ... diversas vezes a reclamante comentou com a depoente que se sentia desrespeitada e humilhada com a conduta de Sergio Caraver... a depoente foi dispensada por ter solicitado a Sergio que a respeitasse...”(fl. 441).

A testemunha Franciskelly de Azevedo Lima, trazida a depor pela reclamada, declarou que: “... Sergio Caraver uilizava palavrões para estimular as vendas; que a depoente se sentia bastante constrangida com as expressões utilizadas por Sergio, exatamente as que constam no item 39 da fl. 21... que Sergio Caraver foi dispensado em 2004.”(fl. 441 -sublinhei).

Como se constata, está sobejamente provada a violência moral com que o referido gerente da reclamada tratava os subordinados, o que sequer é efetivamente negado pela reclamada.

Além do desrespeito contido nas expressões grosseiras com se dirigia aos empregados, ficou também evidenciado o abuso na condução do trabalho pela forma de exigir trabalho extraordiário.

A reclamante juntou cópia de advertência feita pela reclamada, nestes termos: “Quando vocês foram contratados, foram avisados que às sextas-feiras deveriam trabalhar até sangrar? Então não se façam de ‘desavisados’, às 8 da noite levantando e indo embora. Todos devem ficar na sexta, até acalmar o movimento (espera), ou até no mínimo até às 21:30 horas...”. Isto para uma jornada iniciada às 9h(fl. 72).

A violência moral é manifesta.

Ainda que o objetivo fosse mera cobrança de resultados, a atuação do gerente excedeu os limites da lei e ultrapassou, em muito, o limite do razoável. A referida atitude constitui ato ilícito, com previsão legal no art. 187 do CC. A reclamada responde pelos atos do seu gerente por responsabilidade imprópria na forma do inc. III do art. 932 do CC, devendo ser indenizado tal prejuízo.

Por estas razões, defiro parcialmente o pedido, para determinar o pagamento de indenização por dano moral no valor equivalente a um ano do salário da reclamante [no valor da média adotada pela Previdência Social para o cálculo do benefício de auxílio-doença = R$ 1.710,00 (arredondado) X 12 meses], o qual considero cumprir o efeito compensatório para a reclamante e punitivo para a reclamada, e de prevenir novas condutas nesta linha, desestimulando-a de tal comportamento.

(...)

volta ao índice

volta ao sumário







Baixar 0.76 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   64   65   66   67   68   69   70   71   72




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual