Ano II – Edição Especial nº 07 :: Assédio Moral e Assédio Sexual 1ª Parte


Exma. Juíza Lila Paula Flores França. Processo nº 1194-2003-411-04-00-6 – Vara do Trabalho de Viamão. Publicação em 26.05.2004



Baixar 0.76 Mb.
Página63/72
Encontro28.11.2019
Tamanho0.76 Mb.
1   ...   59   60   61   62   63   64   65   66   ...   72
volta ao índice

volta ao sumário


3.5. Exma. Juíza Lila Paula Flores França. Processo nº 1194-2003-411-04-00-6 – Vara do Trabalho de Viamão. Publicação em 26.05.2004.


(...)

II) FUNDAMENTAÇÃO

1. DANO MORAL. INDENIZAÇÃO

Narra a reclamante ter sido constrangida pelo empregador e sofrido abalo em sua honra. Explica que trabalhava junto com seu marido, o gerente do estabelecimento, que foi acusado de furtar a importância de R$ 91.000,00. Após a acusação, diz que não foi despedida, que seu pedido de demissão não foi aceito e que foi designada a nova gerente. Alega ter o empregador, num gesto galanteador, realizado ligação telefônica para a sua mãe e solicitado que fosse bem cuidada, ao lhe ter sido informado que estava deprimida. Prossegue narrando que em anteriores oportunidades o patrão se convidou para ir jantar na sua casa, após a despedida do seu marido, e que Patrícia, sócia e advogada da empresa, sugeriu a sua separação judicial, com restrição de visita do marido à sua filha. Também narra que em uma oportunidade o patrão lhe ofereceu chimarrão e diante de sua recusa, recebeu resposta com significado dúbio (fl. 03, item 1.4). Por derradeiro, diz que não suportou a pressão do empregador, que entrou num estado depressivo e se afastou do serviço para tratamento de saúde por 08 dias, sendo que pouco antes do termo final do atestado, enviou uma carta de rescisão de contrato de trabalho para a empresa. Postula pagamento de uma indenização por danos morais equivalente a 150 salários mínimos.

O reclamado nega as imputações de assédio sexual. Confirma que o marido da autora, Sr. Cristian, furtou importância em dinheiro, conforme está sendo apurado em processo crime em andamento.

A prova testemunhal não apura tenha o reclamado tratado a autora com falta de respeito. Nesse sentido o depoimento da primeira testemunha inquirida, da própria reclamante: “... que nunca presenciou nenhum tratamento de falta de respeito do rdo com a rte”... (fl. 147).

De outra parte, o que resta provado é que a comunidade local, a cidade de Palmares, na qual a reclamante estava inserida, passou a questionar se o dono do posto assediava ou não a reclamante, quais seriam as razões para o marido ser despedido e não a esposa (reclamante), se o casamento da reclamante estava ou não abalado, se o reclamado ia morar ou não com a reclamante, se eles iam ou não ficar juntos. Nesse sentido é o depoimento da segunda testemunha inquirida: ”... que as pessoas acharam uma coisa duvidosa o marido ter ido embora e a esposa assumido como gerente; que ouviu falar, por comentários que o casamento da rte. estava abalado porque o marido tinha ido embora e a rte. tinha ficado trabalhando; que a rte. era casada e morava junto com seu marido; que sabe que o marido da rte. teve um tempo ausentado e teria ido para a terra Natal; que o marido da rte. foi para a terra Natal logo que foi despedido, quando a rte. assumiu como gerente; que nunca viu o rdo. assediar a rte., ouviu comentários; que havia comentários que o dono do posto ia ficar com a rte., morar com a rte.; que havia comentários porque a cidade é pequena; que não tem mais informações; que só sabe de comentários das pessoas: “será que vão ficar juntos, a rte. e o rdo”.?...(fl.149).

Ainda que tenha sido provada a desconfiança acerca da solidez do casamento da reclamante, perante a comunidade local, não há um dano a ser indenizado. Explica-se.

Dano moral é uma compensação pecuniária para trazer de volta um bem estar à vítima que, em face de um sofrimento causado por ato ilícito, teve um prejuízo. Mas o sofrimento precisa ser efetivo, grave, não um mero aborrecimento, até porque dissabores fazem parte da vida em sociedade.



Baixar 0.76 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   59   60   61   62   63   64   65   66   ...   72




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
oficial prefeitura
minas gerais
terapia intensiva
Conselho nacional
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ciências humanas
ensino aprendizagem
outras providências
secretaria municipal
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
Dispõe sobre
catarina prefeitura
Colégio estadual
recursos humanos
Conselho municipal
consentimento livre
ministério público
conselho estadual
público federal
psicologia programa
Serviço público