Ano II – Edição Especial nº 07 :: Assédio Moral e Assédio Sexual 1ª Parte



Baixar 0.76 Mb.
Página42/72
Encontro28.11.2019
Tamanho0.76 Mb.
1   ...   38   39   40   41   42   43   44   45   ...   72
volta ao índice

volta ao sumário

1.23. Relator o Exmo. Juiz Ricardo Carvalho Fraga. 3ª Turma. Processo nº 00017-2004-020-04-00-1 RO. Publicação em 10.04.2006.

EMENTA: DANO MORAL. Valor fixado para fins de indenização por dano moral que serve como compensação pelo sofrimento da obreira assim como de repreensão do ofensor a fim de desencorajá-lo na reincidência.

(...)

DANO MORAL. VALOR FIXADO.

Objetiva a reclamante a reforma da Sentença a fim de que seja majorada a condenação aplicada à reclamada referente a indenização por danos morais. Sustenta que a indenização deve atender não somente ao caráter reparador da ofensa como também ao caráter punitivo a ser aplicado ao ofensor. Assevera que a Decisão observou que os danos causados à autora foram realmente relevantes e merecem reparos. Aduz que o assédio sexual é crime assim como a acusação infundada de furtos.

Examina-se.

A Sentença, considerando as acusações de desaparecimento de objetos da empresa, bem como frente a exigência de sair juntamente com amigos do sócio da reclamada, reconheceu ter a reclamante sofrido constrangimento e humilhação, sendo atingida em sua honra. Considerou, ainda, o atestado juntado a fl. 33, emitido por psiquiatra, o qual atesta a necessidade da reclamante permanecer em repouso por dois dias a contar de 11/12/2003. Fixou como valor da indenização o montante de R$ 6.000,00, contra o qual se insurge a reclamante.

No presente caso, o abalo psicológico da autora restou comprovado pelo conjunto da prova dos autos, conforme já referido. Não se pode olvidar que, efetivamente, o valor fixado para fins de indenização por dano moral deve ter também caráter pedagógico, servindo como meio para coibir a prática destes atos por parte da reclamada. Outrossim, a gravidade do dano devem ser considerada.

Neste contexto, levando em consideração as condições econômicas do ofensor, o qual se trata de empresa de pequeno porte, sendo a reclamante a única empregada (a obreira trabalhava nas dependências da residência do reclamado, sede final da empresa), a gravidade da lesão causada a autora, depois da prestação de trabalho à reclamada por dois anos e cinco meses, concorda-se com o valor arbitrado pela Sentença em R$ R$ 6.000,00. O salário percebido pela reclamante era de R$331,00.

Entende-se que o valor fixado serve como a reparação necessária da obreira, vista nestes autos, assim como de desestímulo do ofensor a fim de desencorajá-lo na mesma prática.

Sentença mantida.

(...)



Baixar 0.76 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   38   39   40   41   42   43   44   45   ...   72




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
oficial prefeitura
minas gerais
terapia intensiva
Conselho nacional
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ciências humanas
ensino aprendizagem
outras providências
secretaria municipal
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
Dispõe sobre
catarina prefeitura
Colégio estadual
recursos humanos
Conselho municipal
consentimento livre
ministério público
conselho estadual
público federal
psicologia programa
Serviço público