Ana maria candido de menezes raguazi


O álcool e consequências do seu uso



Baixar 0.54 Mb.
Página7/15
Encontro04.03.2018
Tamanho0.54 Mb.
#156
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   15

2.2 O álcool e consequências do seu uso

O termo álcool refere-se a um grande grupo de moléculas orgânicas que possuem um grupo de hidroxila (-OH) ligado a um átomo de carbono saturado. O álcool etílico, também chamado etanol, é a forma comum do álcool, às vezes chamado de álcool de bebida, e é usado para beber. Sua fórmula química é CH3-CH2-OH (SADOCK; SADOCK, 2007).

O etanol é uma molécula pequena e solúvel em água e lipídios; atravessa as membranas biológicas prontamente e permeia todos os tecidos corporais, sendo que noventa por cento do álcool é metabolizado pelo fígado, e o restante excretado pelos rins, pulmões e pele (CECIL, 1998).

Há uma relação causal entre o consumo do álcool e mais de 60 tipos de doenças ou injúrias. Estima-se que o consumo do álcool cause cerca de 20-30% do câncer de esôfago, câncer do fígado, cirrose hepática, homicídio e acidentes de carro em todo mundo (OMS, 2004).

A intoxicação pelo álcool pode causar irritação, comportamento violento, sentimentos de depressão e, raramente, alucinações e delírios. Níveis crescentes de consumo em longo prazo podem produzir tolerância e adaptação tão intensa do corpo que a cessação do uso pode precipitar síndrome de abstinência geralmente marcada por insônia, evidência de hiperatividade do sistema nervoso autônomo e sentimentos de ansiedade (SADOCK; SADOCK, 2007).

O álcool é uma substância psicotrópica, que causa depressão do sistema nervoso central, apesar de que nos primeiros momentos após sua ingestão os efeitos são estimulantes, como euforia, desinibição e loquacidade. Mas com o passar do tempo os efeitos são depressores, como falta de coordenação motora, descontrole e sono; podendo provocar até mesmo o estado de coma (CEBRID, 2003).

O alcoolismo, pelas complicações que causam no plano somático e na esfera psíquica da pessoa e pela profunda repercussão no meio social, é hoje em dia um dos mais graves problemas de saúde pública no Brasil (FORTES, 1991).

Nos Estados Unidos da América o ônus do álcool sobre a sociedade é pesado, causando cerca de 100.000 mortes por ano; metade por traumatismo. O uso do álcool está implicado em cerca da metade de todos os acidentes relacionados ao tráfego e desempenha um papel importante nos homicídios, suicídios, violência doméstica e mendicância (CECIL, 1998).

Em um estudo realizado em São Paulo, onde foram examinadas 400 amostras de sangue provenientes de vítimas fatais de acidentes (trânsito, homicídios, suicídios e outras causas), 52,7% (211amostras) apresentaram alcoolemia positiva; e destas, 58,3% (123 amostras) apresentaram valores iguais ou superiores a 0,6 g/l, ou seja, acima do limite permitido pelo Código de Trânsito Brasileiro e 41,7% (88 amostras) apresentaram resultados positivos, porém, abaixo do limite legal (PAULA; RUZZENE; MARTINIS, 2008).

O Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID) realizou dois levantamentos domiciliares sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil e, comparando as duas pesquisas, houve um aumento no consumo do álcool entre os brasileiros. Em artigo que compara os resultados das duas pesquisas, a porcentagem de dependentes do álcool no Brasil aumentou de 11,2% em 2001, para 12,3% em 2005. Os autores afirmam que tal fato pode ter ligação com a forte campanha publicitária que incentiva o uso do álcool, principalmente da cerveja (FONSECA et al., 2010).

No caso das drogas lícitas, os meios de comunicação veiculam imagens muito favoráveis ao seu uso; ainda que o tabaco e o álcool causem mais mortes e sofrimentos que todas as outras drogas ilegais juntas, tanto uma quanto a outra são midiatizadas nas publicidades, com imagens de pessoas bem sucedidas, na maioria artistas populares de renome, como exemplo de glamour, promovendo a sociabilidade e o estímulo à sexualidade (ALMEIDA FILHO et al., 2007).

De acordo com o II Levantamento Domiciliar Sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil (2005), o uso na vida de álcool (quando a pessoa fez uso pelo menos uma vez na vida) no Brasil e na região Centro-Oeste foi, respectivamente, 74,6 e 73,6%; sendo tais números superiores aos encontrados no I Levantamento Domiciliar: 68,7 e 60,5% para o Brasil e região Centro-Oeste, respectivamente. Mas em relação a outros países, foi inferior aos 86,5% observados no Chile e 82,4% nos EUA (Estados Unidos da América) (CARLINI et al., 2006).





Baixar 0.54 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   15




©psicod.org 2022
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
Processo seletivo
ensino fundamental
minas gerais
seletivo simplificado
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
Concurso público
direitos humanos
Universidade estadual
saúde mental
educaçÃo infantil
educaçÃo física
Centro universitário
saúde conselho
ciências humanas
santa maria
Poder judiciário
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ensino aprendizagem
língua portuguesa
políticas públicas
Colégio estadual
recursos humanos
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
outras providências
secretaria municipal
público federal
educaçÃo universidade
Conselho municipal
catarina prefeitura
Componente curricular
conselho estadual
psicologia programa