Ana maria candido de menezes raguazi


Caracterização dos jovens quanto ao sexo e faixa etária



Baixar 0.54 Mb.
Página15/15
Encontro04.03.2018
Tamanho0.54 Mb.
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   15

6.1 Caracterização dos jovens quanto ao sexo e faixa etária

No dia 18 de fevereiro de 2011 foram respondidos 106 questionários, sendo que 54 (50,95%) pelo sexo masculino e 52 (49,05%) pelo feminino, com faixa etária de 13 a 36 anos e predomínio da faixa etária de 16-18 anos (48 alunos - 45,28%). Já no dia 30 de agosto de 2011 foram respondidos 108 questionários, 52 (48,15%) pelo sexo masculino e 56 (51,85%) feminino, com mesma faixa etária, como pode ser observado nas tabelas 1 e 2.


Tabela 1 - Identificação por sexo dos jovens do ensino médio matutino do município de Rochedo-MS e participantes do projeto de intervenção, fev. e ago. 2011.

 

 

 

 

 

 

Sexo

Fev./11

Ago./11

 

 



%



%

Feminino




52

49,05%

56

51,85%



















Masculino




54

50,95%

52

48,15%



















Total

 

106

100%

108

100%

Fonte: Próprio projeto de intervenção

Tabela 2 - Identificação por idade dos jovens do ensino médio matutino do município de Rochedo-MS e participantes do projeto de intervenção, fev. e ago. 2011.

 

 

 

 

 

 

Idade

Fev./11

Ago./11

 

 



%



%

13-15 anos

47

44,34%

33

30,55%

16-18 anos

48

45,28%

65

60,19%

> 18 anos

11

10,38%

10

9,26%



















Total

 

106

100%

108

100%

Fonte: Próprio projeto de intervenção
Na primeira etapa do projeto houve um equilíbrio entre as faixas etárias de 13-15 anos (44,34%) e 16-18 anos (45,28%), mas na segunda etapa houve uma predominância da faixa etária 16-18 anos (60,19%).


6.2 Avaliação do conhecimento teórico sobre o uso de álcool

O resultado da primeira avaliação do conhecimento teórico sobre o uso de álcool, a qual foi feita antes de qualquer atividade educativa ser realizada, pode ser observada na tabela 3 abaixo.


Tabela 3 - Resultado da avaliação do conhecimento sobre o uso de álcool, de acordo com respostas obtidas com os jovens do ensino médio matutino de Rochedo-MS, fev. 2011.




 

 

 

 

 

 

Número de acertos

 

Resultados

 

 










Nº de alunos

%




0

 

 

0

 

0%

 

1







1




0,94%




2







6




5,66%




3







14




13,20%




4







26




24,53%




5







27




25,47%




6







16




15,10%




7







16




15,10%

























Total

 

 

106

 

100%

 

Fonte: Próprio projeto de intervenção
Os resultados iniciais mostram que os alunos possuem algum grau de conhecimento teórico sobre o uso de álcool, pois 55,67% dos alunos acertaram 5 ou mais questões. Já na etapa final do projeto, momento em que as atividades educativas propostas já haviam sido realizadas, esse número mostrou-se melhor; fato que pode ser observado na tabela 4 abaixo.
Tabela 4 - Resultado da avaliação do conhecimento sobre o uso de álcool, de acordo com respostas obtidas com os jovens do ensino médio matutino de Rochedo-MS, ago. 2011.




 

 

 

 

 

 

Número de acertos

 

Resultados

 

 










Nº de alunos

%




0

 

 

1

 

0,95%

 

1







2




1,85%




2







3




2,78%




3







5




4,63%




4







23




21,30%




5







46




42,60%




6







9




8,30%




7







19




17,59%

























Total

 

 

108

 

100%

 

Fonte: Próprio projeto de intervenção
No dia 30 de agosto, 68,5% dos participantes acertaram 5 ou mais questões, destacando-se o número de 5 acertos, com 42,60% do total; resultado este que sugere uma melhora no conhecimento teórico sobre o tema, tal comparação é ilustrada com as figuras 1e 2.


Figura 1 - Comparação entre as respostas obtidas durante o questionário inicial e final, que foram realizados respectivamente em fevereiro e agosto de 2011, Rochedo-MS.

Fonte: Próprio projeto de intervenção



Figura 2- Porcentagem de alunos com mais de 5 respostas corretas, comparando-se o momento inicial em 18 fev. 2011 com o final em 30 ago. 2011, Rochedo-MS.

Fonte: Próprio projeto de intervenção

De acordo com a fala desses alunos durante as rodas de conversa, todos têm conhecimento das consequências do consumo do álcool, mas apesar disso alguns admitem fazer uso frequente de bebida alcoólica. Pôde-se observar que os grupos são divididos entre os que condenam e não fazem uso e os que acham normal o jovem usar o álcool.

Algumas falas dos adolescentes e jovens são interessantes: “[...] quando acontece alguma tragédia todos ficam com medo um tempo, mas depois esquecem e continuam a dirigir após beber”; “[...] projetos que tentam prevenir o uso do álcool não resolvem nada, pois os jovens vão continuar a beber sempre, nunca vai mudar”. “É importante continuar com o projeto e ter maior participação dos pais”; “A mídia incentiva o uso da bebida alcoólica, deveria ter mais propaganda mostrando o perigo do uso do álcool”.

Esse resultado deixa claro que ações pontuais não conseguirão ocasionar mudanças comportamentais nos jovens, pois os mesmos apresentam conhecimento sobre o tema, principalmente em relação aos efeitos deletérios do uso do álcool, e apesar disso muitos relatam que consomem o álcool até ficarem embriagados.



6.3 Avaliação do consumo de bebida alcoólica
Os jovens foram questionados a respeito da frequência de ingestão de bebida alcoólica e foram dadas quatro opções de resposta: a) Nunca; b) Aos finais de semana (AFS); c) 3 x por semana e d) Todos os dias (TD). Os resultados podem ser observados com as tabelas 5 e 6 a seguir.
Tabela 5- Frequência de consumo do álcool de acordo com sexo e idade dos participantes do projeto de intervenção em questionário aplicado em 18 de fevereiro de 2011, Rochedo-MS.






















Características

Frequência de uso

Nunca

AFS

3x por sem

Todo dia

Total

Sexo



















M




35(64,81%)

15(27,78%)

0(0%)

4(7,41%)

54(100%)

F




42(80,77%)

10(19,23%)

0(0%)

0(0%)

52(100%)

Total

 

77(72,64%)

25(23,58%)

0(0%)

4(3,78%)

106(100%)

Idade, em anos
















13-15




40(85,10%)

7(14,90%)

0(0%)

0(0%)

47(100%)

16-18




29(60,42%)

15(31,25%)

0(0%)

4(8,33%)

48(100%)

>18




8(72,73%)

3(27,27%)

0(0%)

0(0%)

11(100%)

Total

 

77(72,64%)

25(23,58%)

0(0%)

4(3,78%)

106(100%)

Fonte: Próprio projeto de intervenção

Tabela 6- Frequência de consumo do álcool de acordo com sexo e idade dos participantes do projeto de intervenção em questionário aplicado em 30 de agosto de 2011, Rochedo-MS.






















Características

Frequência de uso

Nunca

AFS

3x por sem

Todo dia

Total

Sexo



















M




29(55,77%)

18(34,61%)

0(0%)

5(9,62%)

52(100%)

F




37(66,07%)

18(32,14%)

1(1,79%)

0(0%)

56(100%)

Total

 

66(61,11%)

36(33,33%)

1(0,93%)

5(4,63%)

108(100%)

Idade, em anos
















13-15




24(72,73%)

7(21,21%)

0(0%)

2(6,06%)

33(100%)

16-18




37(56,92%)

25(38,46%)

0(0%)

3(4,62%)

65(100%)

>18




5(50%)

4(40%)

1(10%)

0(0%)

10(100%)

Total

 

66(61,11%)

36(33,33%)

1(0,93%)

5(4,63%)

108(100%)

Fonte: Próprio projeto de intervenção
Comparando-se as duas tabelas, verifica-se que houve um crescimento no consumo de bebida alcoólica, tanto de acordo com o sexo como com a idade do participante. Quando a análise é feita em relação ao sexo do aluno, observa-se um decréscimo de 65,81% para 55,77% dos meninos que disseram nunca usar o álcool, ou seja, quase 10% a mais dos meninos já fazem uso do álcool. Esse número é ainda maior com relação ao sexo feminino, pois em fevereiro 80,77% das meninas disseram nunca ingerir o álcool, já em agosto esse número caiu para 66,07%.

Com relação à idade dos participantes é preocupante a precocidade do consumo do álcool, pois muitos alunos de 13 a 15 anos já fazem seu uso. Nessa faixa etária, o número de jovens que relataram nunca fazer ingestão de álcool diminuiu de 85,10% para 72,73% e em agosto 21,21% dos jovens disseram beber aos finais de semana, sendo que em fevereiro esse número ficou em 14,90%. Além disso, 2 meninos de 13 a 15 anos disseram em agosto fazer uso diário de bebida alcoólica; fato que mostra a necessidade de intervenções constantes sobre esse tema, tanto por parte dos profissionais da saúde quanto pelo corpo docente da escola.



A figura 3 abaixo mostra que de um modo geral, sem se considerar o sexo ou idade do público alvo, houve um decréscimo no número de pessoas que nunca fazem uso de bebida; em fevereiro, 77 jovens nunca bebiam álcool e em agosto esse número foi de 66. Quanto aos que fazem uso do álcool durante os finais de semana aumentou de 25 para 36.



Figura 3- Comparação do quantitativo de frequência de consumo de bebida alcoólica entre os jovens do ensino médio matutino do município de Rochedo-MS, fev. e ago. 2011.

Fonte: Próprio projeto de intervenção

A quarta e última pergunta do questionário foi a respeito do consumo de álcool pelos familiares dos jovens, pois o papel dos pais e do ambiente familiar é importante no desenvolvimento dos adolescentes e jovens. A pergunta não especificou qual pessoa da família fazia uso de álcool, mas apenas quantas pessoas consumiam. O resultado encontra-se na tabela 7 abaixo.


Tabela 7 - Número de pessoas da família do jovem participante do projeto de intervenção em Rochedo - MS que faz uso de bebida alcoólica, comparando-se o mês de fevereiro e agosto de 2011.























Nº de pessoas que bebem

fev/11

ago/11

 

 

 

 

 

 

 

1







20

23

2







33

32

3 ou +







16

28

nenhuma







37

25

Total

 

 

106

108

Fonte: Próprio projeto de intervenção

De acordo com o resultado obtido houve um aumento considerável no número de pessoas que bebem na casa dos jovens. Em fevereiro, 37 jovens disseram que ninguém bebia em sua residência; já em agosto esse quantitativo ficou em 25. As casas em que mais de 3 pessoas bebem também aumentaram, mudou de 16 para 28. Apenas com o projeto em questão não podemos dizer quais as razões plausíveis para tais alterações, seria necessária uma investigação maior sobre possíveis causas. A figura 4 ilustra os resultados da questão 4 do questionário aplicado.




Figura 4- Número de pessoas na casa dos alunos participantes do projeto que faz uso de bebida alcoólica, comparando-se os meses de fevereiro e agosto de 2011, Rochedo-MS.

Fonte: Próprio projeto de intervenção

7 CONCLUSÕES
O presente projeto de intervenção atingiu seu objetivo principal que foi a promoção em saúde de um tema muito importante na saúde pública, o uso de álcool por adolescentes e jovens. Os resultados obtidos mostram uma melhora nos conhecimentos teóricos por parte dos alunos participantes do projeto de intervenção, mas por outro lado o consumo de bebida alcoólica teve um acréscimo entre o público alvo.

Mas tal resultado não é uma surpresa, pois com o avançar da adolescência para a juventude há um aumento nas saídas noturnas durante os finais de semana, sendo que muitos começam a trabalhar e ter seu próprio dinheiro; podendo desse modo comprar a bebida alcoólica com maior facilidade.

Esse projeto de intervenção possibilitou trabalhar a autoestima desses jovens e a troca de conhecimentos sobre assunto tão interessante. Durante as atividades educativas, houve sempre espaço para o diálogo, para ouvir opiniões e também dúvidas; e esse fato trabalha a cidadania e responsabilização dessa faixa etária que ainda está em processo de formação intelectual.

Com apenas algumas atividades educativas não será possível mudar estatísticas de morte no trânsito do município por razão de uso de bebida alcoólica em curto prazo, mas foi o início de uma ação que pode fazer parte do calendário da saúde assim como da escola; para em longo prazo essas mortes não ocorrerem mais.



REFERÊNCIAS

ALMEIDA FILHO, A. J.; FERREIRA, M. A.; GOMES, M. L. B.; SILVA, R. C.; SANTOS, T. C. F. O adolescente e as drogas: consequências para a saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 11, n. 4. p. 605-610, dez. 2007.


ALVES, V. S. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface: comunicação, saúde, educação, Botucatu, v. 9, n. 16, p. 39-52, set./fev. 2005.
ANDRADE, S. M. O. A pesquisa científica em saúde: concepção e execução. 2. ed. Campo Grande: Uniderp, 2009. 145p. (caderno de estudos).
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, de 5 de outubro de 1988. Brasília. 1988. Disponível em: Acesso em: 20 dez. 2009.
BRASIL. Lei nº 8069, de 13 julho de 1990. Brasília. 1990a. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm > Acesso em: 7 jun. 2011.
BRASIL. Lei nº. 8080, de 19 de setembro de 1990. Brasília. 1990b. Disponível em: Acesso em: 20 dez. 2009.
BRASIL. Lei nº 9294, de 15 de julho de 1996. Brasília. 1996. Disponível em: Acesso em: 7 jun. 2011.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. A política do Ministério da Saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pns_alcool_drogas.pdf> Acesso em: 2 jun. 2011.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Área de Saúde do Adolescente e do Jovem. Marco legal: saúde, um direito de adolescentes. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em: Acesso em: 8 jun. 2011.
BRASIL. Portaria nº. 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agente Comunitários de Saúde (PACS), 2006a. Disponível em: Acesso em: 18 dez. 2009.
BRASIL. Portaria GM nº. 399. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as diretrizes operacionais do Referido Pacto, 2006b. Disponível em: Acesso em: 17 nov. 2009.
BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Primeiros resultados do Censo 2010, população por município. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/censo2010/tabelaspdf/total_populacao_mato_grosso_do_sul.pdf

>Acesso em: 23 jan. 2011.


CARLINI, E. A.; GALDURÓZ, J. C. F.; SILVA, A. A. B.; NOTO, A. R.; FONSECA, A. M.; CARLINI, C. M.; OLIVEIRA, L. C.; NAPPO, S. A.; MOURA, Y. G.; SANCHEZ, Z. V. D. M. II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país: 2005, São Paulo: CEBRID, UNIFESP, 2006.
CECIL, R. L. Medicina Interna Básica. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. cap. 125, p. 905-913.
CENTRO BRASILEIRO DE INFORMAÇÕES SOBRE DROGAS PSICOTRÓPICAS (CEBRID). UNIFESP. Livreto informativo sobre drogas psicotrópicas. São Paulo: 2003. Disponível em: < http://www.cebrid.epm.br/index.php> Acesso em: 03 jun. 2011.
FONSECA, A. M.; GALDURÓZ, J. C. F.; NOTO, A. R.; CARLINI, E. L. A. Comparison between two household surveys on psychotropic drug use in Brazil: 2001 and 2004. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 663-670, maio 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000300008&tlng=en> Acesso em: 1 jun. 2011.
FORTES, J. R. A. Histórico do alcoolismo. In: FORTES, J. R. A.; CARDO, W. N. (Org.). Alcoolismo: diagnóstico e tratamento. São Paulo: Savier, 1991. cap. 1, p. 1-10.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
GALDURÓZ, F. C. F.; NOTO, A. R.; FONSECA, A. M.; CARLINI, E. A. V Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras, São Paulo: CEBRID, 2004.
LEPRE, R. M.; MARTINS, R. A. Raciocínio moral e uso abusivo de bebidas alcoólicas por adolescentes. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 19, n. 42, p. 39-45, jan./abr. 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2009000100006&tlng=pt> Acesso em: 17 jan. 2011.
MACHADO, M. F. A. S.; MONTEIRO, E. M. L. M.; QUEIROZ, D. T.; VIEIRA, N. F. C.; BARROSO, M. G. T. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS- uma revisão conceitual. Ciências e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 335-342, mar./abr. 2007.
MARIZ, S. R.; MARIZ, J. P.; VALOIS, M. E. C.; VAL, E. B. Fundamentos da prevenção ao uso indevido de drogas entre estudantes. Caderno de Pesquisa, São Luís, v. 14, n. 1, p. 69-87, jan./jun. 2003.
MONTEIRO, M. G. Alcohol and public health in the Americas: a case for action. PAHO HQ Library Cataloguing- in- publication, Washington DC, 2007. Disponível em: < http://www.who.int/substance_abuse/publications/alcohol_public_health_americas.pdf.>

Acesso em: 6 out. 2010.



ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Alcohol and injuries: emergency department studies in an international perspective. Geneva: 2009. Disponível em: < http://www.who.int/substance_abuse/msbalcinuries.pdf> Acesso em: 02 jun. 2011.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Global Status Report on Alcohol 2004. Geneva: 2004. Disponível em: < http://www.who.int/substance_abuse/publications/global_status_report_2004_overview.pdf> Acesso em: 06 jun. 2011.
PAULA, C. M. C. de; RUZZENE, M. A. M.; MARTINIS, B. S. de. Alcoolemia e mortes de causas violentas. Medicina, Ribeirão Preto, v. 41, n. 1, p. 24-29, jan./mar. 2008.
PORTAL MÉDICO. Coordenação do Conselho Federal de Medicina, Brasília DF, 2010. Disponível em: < http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=10042:&catid=3> Acesso em: 6 out. 2010.
SADOCK, B. J.; SADOCK, V. A. Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. 9 ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.
SANTOS, A. M. B.; DI PIETRO, G.; XAVIER FILHO, L. Uso de drogas por estudantes do ensino médio em Aracaju – SE. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v. 10, n. 1, p. 47-52, dez. 2008.
SÃO PAULO (ESTADO). Secretaria de Estado de Saúde. Educação em Saúde, planejando as ações educativas, teoria e prática. Manual para a operacionalização das ações educativas no SUS – São Paulo, 2001. Disponível em: < ftp://ftp.cve.saude.sp.gov.br/doc_tec/educacao.pdf >. Acesso em: 12 nov. 2009.
SILVA, L. V. E. R.; MALBERGIER, A.; STEMPLIUK, V. A.; ANDRADE, A. G. Fatores associados ao consumo de álcool e drogas entre estudantes universitários. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 2, p. 280-288, abr. 2006.
SILVA, S. E. D. da; VASCONCELOS, E. V.; PADILHA, M. I. C. S.; MARTINI, J. G.; BACKES, V. M. S. A educação em saúde como uma estratégia para enfermagem na prevenção do alcoolismo. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 11, n. 4, p. 699-705, dez. 2007.
TEIXEIRA, A. F.; ALIANE, P. P.; RIBEIRO, L. C.; RONZANI, T. M. Uso de substâncias psicoativas entre estudantes de Goianá, MG. Estudos de Psicologia, Natal, v. 14, n. 1, p. 51-57, jan./abr. 2009.
VIEIRA, D. L.; RIBEIRO, M.; ROMANO, M.; LARANJEIRA, R. R. Álcool e adolescentes: estudo para implementar políticas municipais. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 396-403, jun.

APÊNDICE A – Questionário



Idade: _____ Sexo: _____ Data: ____/____/_______.



  1. Responda verdadeiro (V) ou falso (F) sobre o uso freqüente do álcool:

  1. ( ) Pode ocasionar doenças como cirrose, câncer bucal, hepatites, pancreatite, demência e diabetes;

  2. ( ) Normalmente não traz dependência;

  3. ( ) Pode provocar mortes violentas em acidentes de trânsito;

  4. ( ) Leva os jovens a estarem mais vulneráveis as doenças sexualmente transmissíveis e gravidez precoce.



  1. Relacione as colunas:

A – Alcoolismo

B – Dependente de álcool

C – Síndrome de abstinência

( ) dependência do álcool e/ou os problemas relacionados ao consumo de bebidas alcoólicas;

( ) conjunto de sinais e sintomas habitualmente encontrados nas pessoas dependentes do álcool, quando acontece a interrupção ou diminuição do seu uso;

( ) É o impulso que leva a pessoa a usar uma substancia de forma contínua para obter satisfação, tendo dificuldades para controlar o consumo, apesar da evidencia de danos a sua saúde;




  1. Com qual frequência você faz uso de bebida alcoólica

  1. Nunca

  2. Aos finais de semana

  3. 3 vezes por semana

  4. Todos os dias



  1. Quantas pessoas em sua casa fazem uso de bebida alcoólica

  1. 1 b. 2 c. 3 ou mais d. nenhuma



APÊNDICE B– Autorização formal do projeto junto ao Diretor da Escola Estadual “José Alves Ribeiro”





Baixar 0.54 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   15




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual