Acompanhamento psicológico de puérperas em uma maternidade



Baixar 14.13 Kb.
Encontro15.04.2018
Tamanho14.13 Kb.

13ª Mostra de Produção Universitária

Rio Grande/RS, Brasil, 14 a 17 de outubro de 2014.



ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE PUÉRPERAS EM UMA MATERNIDADE

PEREZ, Luciane Gonçalves (autora); LOPEZ, Juliana Rodrigues (autora); KERBER, Nalú Pereira da Costa (autora); Michele Cristello (autora); GONÇALVES, Mariza Cristina Porto.

TAVARES, Mariana Gauterio (orientadora)



lu.gperez@yahoo.com.br

Evento: Congresso de Iniciação Científica

Área de conhecimento: Ciências Humanas

Palavra-chave: puerpério; grupo multiprofissional



1 INTRODUÇÃO

O presente trabalho trata de um relato de experiência relacionado à vivência do estágio curricular obrigatório de acadêmicas de graduação do curso de Psicologia que fazem parte de um grupo multidisciplinar com puérperas. O grupo surgiu como uma atividade educativa para as puérperas, pois este é um momento de muitas dúvidas, ansiedades e necessidade de orientações. Dessa forma o espaço foi criado para que ao mesmo tempo a equipe tenha a possibilidade de auxiliar, e as mães possam trocam experiências através da mediação de profissionais e acadêmicos treinados antes de receber a alta. Sendo assim, o objetivo deste estudo é evidenciar a importância do acompanhamento psicológico durante o período do puerpério imediato.



2 REFERENCIAL TEÓRICO

O puerpério é o período compreendido entre o parto e a completa recuperação anatomofisiológica da mulher, com duração média de seis semanas (COSTEIRA 2001). Segundo Eizirik, Kapczinsk & Bassols (org.) essa é uma fase de grandes transformações orgânicas e emocionais, onde a gestante torna-se mãe e o bebê passa a ser real. A puérpera pode apresentar diversas fantasias, como por exemplo, que não saberá cuidar de seu filho. Observamos neste período, estados de confusão na parturiente, ansiedades de esvaziamento e castração, ou seja, a ambivalência entre o perdido (gravidez) e o adquirido (o filho) (SOIFER apud ANGERAMI, 2010).

O esforço da mulher, a fadiga, a limitação no desempenho de suas funções, incluindo com o seu próprio corpo, e a difícil conciliação entre o exercício da sexualidade e a amamentação são vistos de forma negativa (ARANTES apud BITELBRON et al. 2012). A intervenção psicológica neste período visa prevenir a saúde mental e física da mãe e do bebê, com o objetivo de estimular uma ligação mais saudável entre ambos (TRUCHART & KNIJNIK, 2010).

3 PROCEDIMENTO METODOLÓGICO

As atividades realizadas contam com o número de puérperas presentes durante o período de internação, e também seus acompanhantes. O encontro acontece na Maternidade do Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. (HU/FURG), na sala de educação permanente, no mesmo andar, três vezes por semana, com uma duração de mais ou menos uma hora. O grupo é multiprofissional e conta com profissionais e acadêmicos da área da enfermagem, nutrição e psicologia. A psicologia busca abordar temas como a diferença entre tristeza e depressão, vínculo, sexualidade e demais assuntos emergentes trazidos pelas mães. Além disso, quando necessário, as puérperas são atendidas individualmente após as atividades do grupo.



4 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Até o momento, foi possível perceber que as mães valorizam o espaço de acolhimento e escuta oferecidos. Além disso, a possibilidade de identificação com outras puérperas que se veem na mesma dificuldade traz um sentimento de adequação e normalidade, facilitando a experiência e tornando-as menos inseguras.



5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Conclui-se que, com base nos pressupostos teóricos e nas atividades realizadas dentro do grupo, a presença da psicologia no grupo de atendimento a puérperas é fundamental para uma assistência eficaz ao público alvo.



REFERÊNCIAS

ANGERAMI – CAMON, V. A. Psicologia Hospitalar: teoria e prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2010.

BITELBRON et al. Aleitamento Materno e sexualidade da mulher: um corpo sagrado. 2012.

COSTEIRA, Osiris. Termos e Expressões da Prática Médica. Rio de Janeiro: Farmaquímica, 2001.



EIZIRIK, Cláudio L., BASSOLS S, Ana Margareth S. O Ciclo da Vida Humana – uma perspectiva psicodinâmica. 2ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

TRUCHART, Fernanda Alves Rodrigues. Psicologia Hospitalar: teoria e técnica./ Fernanda A. R. Truchart, Rosa Berger Knijnik, Ricardo Werner Sebastiani; Valdemar Augusto Angerami (organizador). 2ª Ed. Revista e ampliada. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

Baixar 14.13 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino médio
ensino fundamental
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
Boletim oficial
Curriculum vitae
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
ciências humanas
Conselho regional
ensino aprendizagem
Colégio estadual
Dispõe sobre
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Componente curricular
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
conselho estadual