Welington luis sachetti


Proposição 2: A proposição de novos temas



Baixar 3,33 Mb.
Página32/46
Encontro28.11.2019
Tamanho3,33 Mb.
1   ...   28   29   30   31   32   33   34   35   ...   46

Proposição 2: A proposição de novos temas


Cabe, ainda, transitar por algumas recomendações que foram feitas a despeito do conteúdo que podem ser levadas ao GEEaD para avaliação da equipe de Coordenação Pedagógica. Para além do conteúdo, vale retomar Kincheloe apud Bruno e Pesce (2012) que apresenta a reflexão como elemento fundamental para construção de contextos sensíveis a mudanças. Nesta linha, qualquer que seja o assunto principal, é possível avançar nos debates e inserir temas observados com mais custosos aos cursistas.

Um apontamento foi feito com relação a trabalhar conteúdos relacionados à andragogia. Apesar de os adultos não serem a maioria dos alunos do Centro Paula Souza, é importante refletir temas que abordem esse segmento. Recomenda-se, numa postura inicial, a inserção do tema junto à Unidade 2, atividade 2, Estilos de Aprendizagem. Outros pontos tocados foram a interdisciplinaridade e elaboração de projetos.

Se a interdisciplinaridade pode ser tocada, ademais, exercitada em qualquer uma das unidades sem alterar significativamente a estrutura atual, o mesmo acontece não acontece com o Trabalho por Projetos. Este tema merece um aprofundamento maior, ou mesmo, uma atividade, ou até unidade, exclusiva para ele. Também, faz-se aqui um breve hiato para afirmar que o Trabalho por Projetos é um dos temas que as Coordenações Pedagógicas das ETECs trabalham com seus docentes e que existe uma disciplina obrigatória tanto no Ensino Médio, quando no Ensino Técnico que abordam o tema, chama-se Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso (PTCC), o que exige conhecimento daqueles que ministram o componente curricular e/ou que orientam os trabalhos.

Outro tema abordado foi a diferenciação de temas para professores veteranos e novatos no departamento. Esta crítica se deu, presume-se, porque, em 2012, momento da implantação do modelo de PFC analisado, alguns temas foram reiterados e mais explorados, logo, professores veteranos reviram alguns temas. Essa foi uma situação de exceção por conta da implantação que havia no momento, logo pode ser desconsiderada porque não se repetirá.

Neste ponto, há necessidade de exercitarmos mais a colaboração dos cursistas. Para tanto, deve-se dinamizar a interação entre os sujeitos que elaboram o curso e o público-alvo. Aqui, novamente, resgata-se Bruno (2008, p.10) que alerta que “A mediação partilhada traz a possibilidade de materialização da parceria entre formador pesquisador e alunos-pesquisadores.”. Entende-se que é possível ampliar os debates sobre os temas e, ao mesmo tempo, reforçar a interação entre as figuras do processo o que possibilitará um exercício de mediação com vistas à construção coletiva do conhecimento.




    1. Compartilhe com seus amigos:
1   ...   28   29   30   31   32   33   34   35   ...   46


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal