Welington luis sachetti


- Análise da participação no PFC (Grupos A e B)



Baixar 3,33 Mb.
Página26/46
Encontro28.11.2019
Tamanho3,33 Mb.
1   ...   22   23   24   25   26   27   28   29   ...   46

- Análise da participação no PFC (Grupos A e B)


Conforme indicado anteriormente no item 2.2 a questão referente à participação no PFC foi a única diferente entre o questionário para o Grupo A e para o Grupo B. A pergunta foi retórica para o Grupo A, solicitando a confirmação da participação em 100% das atividades. Os cinco integrantes confirmaram participação. Para o Grupo B, foi solicitado que os docentes indicassem os motivos que os levaram a não participação na integralidade do PFC.

Com relação às respostas do Grupo B, devem ser observados alguns pontos: 9 professores não justificaram os motivos pela não participação.

Dois professores, possivelmente por terem entrado no programa depois de iniciados os trabalhos44, declararam ter concluído todas as atividades.

“Eu desenvolvi todas as atividades.”45(Grifos meus)

“Conclui todas as atividades.”(Grifos meus)

Um alegou que não fez porque estava inseguro com a proposta, uma vez que nunca tinha elaborado uma videoaula (um dos temas trabalhados).

“Deixei de participar somente de um PFC, o de vídeo aulas. O motivo foi que nunca fiz um vídeo aula. E fiquei ensaiando... ensaiando... e acabou o prazo. Espero poder realizá-la neste ano, uma vez que agora foi disponibilizado no Centro de Capacitações do CEETEPS” (Grifos meus)

Outro avaliou a prática como positiva, mas que a cronograma de fechamento do semestre e as atividades docentes o sobrecarregam, o que não lhe permitiu um maior empenho. Mesmo assim, a exemplo da resposta anterior a essa, manifesta a intenção de, em outra oportunidade, se inscrever no curso.


“As atividades do PFC são sempre muito pontuais e interessantes, só não participei do módulo final, pois culminou com o fechamento do semestre e estava sobrecarregada de atividades nas aulas.
Entretanto quando forem abertas novamente quero participar e finalizar o processo de aprendizagem estabelecida como tema.” (Grifos meus)
Outro cursista alegou que participou de todas as atividades no período em que foi orientador de aprendizagem. Esta última resposta denota que o docente se desligou do programa durante algum semestre.

“Com relação ao PFC do Teletec, participei de todas no tempo em que exerci como orientador.”

O próximo respondente valoriza o PFC e os temas. De certo modo, se alinha com o que se espera de uma cursista diante de algo novo: dedicação. No caso, cita que EaD exige outros conhecimentos do participante. Apesar de a resposta estar ampla, pode-se sugerir que entre “(...) os conteúdos inerentes ao campo de domínio” estão as metodologias ligadas à EaD.

“É de grande valia, visto que o Ensino a Distância denota maior aplicação do participante em termos de leitura, interpretação para responder os conteúdos inerentes ao campo de domínio e ao desconhecido, fazendo assim com que haja maior esforço e pesquisa sobre o assunto.” (Grifos meus)

A sobrecarga de trabalho e a questão da escassez de tempo apareceram direta ou indiretamente nas outras questões.

“Devido sobrecarga de trabalho em alguns momentos.” (Grifos meus)


Na resposta abaixo, ainda que não esteja explícita esta informação, pode-se creditar à assunção da coordenação, uma sobrecarga de trabalho e a falta de tempo como impossibilitadores da participação no PFC.

“Somente não participei das atividades no período de: 06/2013 a 12/2013, devido a coordenação do curso de Administração da Unidade 145- Etec Professor Fausto Mazzola.” (Grifos meus)

Aqui, novamente, a questão da escassez de tempo está alinhada ao fechamento das notas do semestre, o que traz um indicativo importante a ser discutido no PAE quando tratarmos do refinamento do PFC, ou seja, ao replicar o PFC deve haver preocupação para que as atividades não coincidam com o fechamento dos semestres.

“Apenas não consegui participar de 1 atividade proposta durante o período de 3 anos como orientador do teletec. O motivo foi pelo curto tempo e em conflito com datas de entrega e fechamento de notas tanto do curso regular como do EAD. Não consegui tempo livre para fazer e acabei entregando com 1 dia de atraso que não foi aceito.” (Grifos meus)

As duas próximas justificativas indicam a falta de tempo como principal empecilho para a participação.

“Deixei de participar de apenas alguns PFC por falta de tempo (estava fazendo outros cursos que exigiam muito de mim).”


“Não participei dos últimos por falta de tempo.” (Grifos meus)

“Não participei dos últimos por falta de tempo.” (Grifos meus)

O debate sobre a questão da escassez do tempo merece destaque. Esta situação apareceu direta ou indiretamente na maioria das respostas, representando, aproximadamente, 61% daqueles que justificaram.

O tema ganha relevância, embora não tenha havido queixas diretas ou indiretas com relação ao prazo das atividades do PFC. Isso, infere-se, pelo fato de o docente, ao se inscrever voluntariamente no programa, estar ciente de que tem uma proposta de trabalho de 15h, por atividade, para ser realizada, em média, por 30 dias, tempo considerado adequado por aqueles que planejaram o PFC.

Por outro lado, considerando que houve um universo pequeno de pessoas que concluiu o PFC em sua totalidade, 6, e um universo pouco maior, 22, que cumpriu mais de 50% dele, num total de 14746 potenciais, é prudente pensar no tempo como balizador ou possível fator de impedimento nas participações.

Nessa questão, podemos recorrer a Glezer (apud Pesce, 2008, p.7) que destaca “as cronometrias sociais da temporalidade humana”. Segundo a historiadora, “no Renascimento, o tempo medieval – dom de Deus – transforma-se em servidor dos homens. É a época do lucro sobre o transcurso do tempo”. Diz ainda, a autora, que na sociedade industrial cresceu a “submissão dos trabalhadores ao tempo”. Assim, não é demais concluir, empiricamente, que desde esta época, sistematicamente, há uma agravamento desta submissão.

Adverte, Pesce (ibid., 8) que

Para a autora, se o capitalismo clássico ancorou-se na expansão territorial, o capitalismo tardio encontra no tempo um dos pontos mais importantes da sua expansão. Na sociedade do “tempo real”, evidencia-se o domínio do presentismo, do tempo efêmero, do instantâneo. Nela, somos conduzidos a gerir nosso tempo livre, transformando-o, muitas vezes, em tempo de consumo. O homem contemporâneo levado ao ritmo de vida em consonância com o “tempo real” das máquinas vê-se aniquilado em seu processo histórico de constituição pessoal e social.

Enriquecendo o debate, a pesquisadora traz Assmann (1998), que aponta, oriundas dos gregos, duas dimensões do tempo: kairós e chrónos. O autor aponta a dimensão kairós como tempo subjetivo e, por outro lado, indica chrónos como tempo objetivo, relacionado capitalismo ocidental. Continuando, Pesce (ibid., p.10) é muito feliz ao apontar o filme Tempos Modernos, de Charles Chaplin, como exemplo desta devoração do homem pelo tempo chrónos que não dá chance para que a dimensão kairológica desabroche.

Pesce (ibid., p.9), ainda, dialeticamente pergunta “Quais as implicações da ausência da dimensão temporal kairológica para a constituição das identidades dos sujeitos sociais e das relações intersubjetivas?” Na sequência, responde que

Do que podemos inferir das atuais circunstâncias históricas, o impacto desta ausência tem sido desastroso. Sob a égide do “tempo real”, vivemos em meio ao presentismo, que solapa a noção histórica de tempo responsável pela constituição de nossas identidades pessoais e sociais, em meio às lembranças do nosso passado imediato (relativo à nossa história ontológica) e mediato (relativo à nossa história social). Da mesma forma, sabota a noção de tempo como possibilidade, como projeto de vida pessoal e social. (Grifos meus)

A mercantilização do tempo, a prevalência do tempo cronológico sobre todos, faz com que involuntariamente se ignore a dimensão kairológica, consentindo que o trabalho e os compromissos que se acumulam cotidianamente sejam senhores da situação. Desta forma, o ser humano passa a considerar natural deixar-se em segundo plano e, de maneira simbólica e antropofágica, torna-se algoz de si mesmo.

Tendo o PFC uma atividade que versa sobre Gestão do Tempo, que inicia na Unidade 2, ainda que de uma maneira incipiente e inicial, pode-se recomendar que ocorra a inversão dele, fazendo com que se torne a primeira atividade. Além disso, é prudente que os elaboradores do PFC, ao revisar este tema, tragam para a discussão o homem contemporâneo e sua visão sobre tempo, sobretudo, com vistas ampliar o universo de participantes. Cabe apontar, ainda, que a dimensão do 77temporal é crucial na EaD com base na assincronicidade das atividades didáticas, o que, em tese, valoriza o tempo subjetivo.

Esta última e próxima consideração denota que o docente já havia participado do PFC antes da reformulação e que era um orientador veterano. Sugere que se façam PFCs diferentes para grupos já iniciados e novatos. Esta justificativa coube bem a esse grupo pesquisado, uma vez que, à ocasião da reformulação, alguns temas de PFC foram replicados no novo formato.


“Gosto muito dos temas abordados nos Programas de Formação Continuada, mas como eu já venho a algum tempo atuando no TelecursoTec já realizei alguns PFC's, porém não realizei todos por motivos particulares, porque alguns desses programas se repetiram, então achei no dever de não refazer o mesmo. Sei que para mim poderia estar sendo repetido, porém sempre há novos orientadores entrando e acho interessante passar os mesmos para eles, mas podemos fazer PFC's para grupos diferentes, ou seja, para veteranos e novatos.”
Em tempo, nota-se que a falta de tempo é bastante cara aos professores e que o fato de se remunerar e/ou ter jornada de trabalho aos professores, certamente, poderia(m) trazer mais flexibilidade com relação a dedicação em atividades de formações continuadas.

Como é possível observar, os motivos são variados. Entretanto, cabe ressaltar que há que se contemplar, nos cursos de formação continuada destinada a docentes as relações entre os tempos Chrónos e Kairós, já que o primeiro rege o currículo – prescritivo e cobrado pelos programas, e o segundo rege os processos de aprendizagem – esclarecendo que os tempos do aprender são singulares e nem sempre coincidem com o primeiro, chrónos.

Por fim, chama a atenção não haver referência ao prazo indicado para realização do PFC. Feitas as apreciações sobre as justificativas para não participação em alguma atividade para o Grupo B, passa-se à análise individual de cada unidade.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   22   23   24   25   26   27   28   29   ...   46


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa