Violência sexual contra pessoas com deficiência



Baixar 31,98 Kb.
Página1/9
Encontro05.12.2019
Tamanho31,98 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9

Violência sexual contra pessoas com deficiência

Robert E. Longo (1) & Claude Gochenour (2)

Journal of Rehabilitation, v. 47, n. 3, jul./set. 1981, p.24-27.
Tradução: Romeu Kazumi Sassaki
Visão geral do problema

De acordo com estatísticas nacionais, uma em cada três mulheres corre o risco de ser vítima de violência sexual durante sua vida, e a estimativa revela que uma em cada cinco crianças, meninos ou meninas, enfrenta o mesmo risco. Estupro, molestamento de crianças e incesto estão aumentando em índices alarmantes em nosso país. Infelizmente, pessoas com deficiência intelectual e distúrbio emocional são também suscetíveis a esta experiência degradante. Shuker (1980) relata que o estuprador com frequência escolhe vítimas por alguma “vulnerabilidade como, por exemplo, juventude, velhice, deformidade ou deficiência física”.

A condição da vítima é, muitas vezes, piorada por não ser levada a sério quando ela denuncia. No caso de pessoas com transtorno mental, o relato delas sobre uma agressão sexual pode ser entendido como “uma manifestação do transtorno mental” ou uma história inventada para ganhar atenção:




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal