Universidade federal do ceará



Baixar 1,04 Mb.
Página33/37
Encontro30.11.2019
Tamanho1,04 Mb.
1   ...   29   30   31   32   33   34   35   36   37

REFERÊNCIAS


AEROSA, V.; AEROSA, L. Envelhecimento e dependência: desafios a serem enfrentados. Revista Texto & Contexto, v. 7, n. 1, p. 138-150, jan/jun. 2008.

AGUILAR, M. J.; ANDER-EGG, E. Avaliação dos Serviços e Programas Sociais. Petrópolis: Vozes, 1994.

AQUINO, B.; MARTINS, O. Ócio, lazer e tempo livre na sociedade do consumo e do trabalho. Revista Mal-Estar e Subjetividade, v. VII, n. 2, p.479-500, Set. 2007.

BRASIL. Constituição. Promulgada em 05 de outubro de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2010.

_______. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16/07/1990. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2009.

_______. Lei n. 8.742, de 07 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Diário Oficial [da] República. Brasília: Senado Federal, 1993.

_______. Lei n. 8.842, de 04 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 05 jan. 1994. Disponível em:

_______. Resolução n. 196, de 10 de outubro de 1996, do Conselho Nacional de Saúde. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em . Acesso em: 27 mai. 2009.

_______. Lei n. 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 3 out. 2003. Seção 1, p. 1.

_______. Portaria n. 2.528, de 19 de Outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 out. 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2009.

_______. Lei n. 12.213 de 20/01/2010. Institui o Fundo Nacional do Idoso. E autoriza deduzir do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas as doações efetuadas aos Fundos Municipais, Estaduais e Nacional do Idoso; e altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília: Senado Federal, 2010.

BULLA, L. C.; KAEFER. Trabalho e aposentadoria: as repercussões sociais na vida do idoso aposentado. Revista Virtual Textos e Contextos., ano II, n.2, p. 34-46, 2003.

CABEZA, M. C. Más allá del trabajo: el ócio de los jubilados. Revista Mal-Estar e Subjetividade., v. IX, n.1, p.13-42, 2009.

CAMARANO, A. A.; PASIANTO, T. O Envelhecimento Populacional na Agenda das Políticas Públicas. In: Os Novos Idosos Brasileiros, Muito Além dos 60? Rio de Janeiro: Ipea, 2004.

CARLOS, S. A.; JACQUES, M. G. C.; LARRATEA, S. V.; HEREDIA, O. C. Identidade, Aposentadoria e Terceira Idade. Revista Estudos Interdisciplinares sobre Envelhecimento. Porto Alegre, v.1, p. 77-88, 1999.

CEARÁ. Decreto Nº. 210 de novembro 1988 da Secretaria de Administração. Cria o Programa de Ação Integrada para o Aposentado – PAI. Diário Oficial do Estado do Ceará, Fortaleza: SA, 1988.

_______. Decreto n. 21.088 de 22 de novembro de 1990 da Secretaria de Planejamento e Secretaria de Administração. Diário Oficial do Estado do Ceará, Fortaleza: SPSA, 1990.

_______. Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado do Ceará / Programa de Ação Integrada para o Aposentado. Relatório de ações Estratégicas do PAI, 2006. Fortaleza: SPLAG, 2006a.

_______. Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado do Ceará / Programa de Ação Integrada para o Aposentado. Relatório de Planejamento do Programa de Ação Integrada para o Aposentado/PAI. Fortaleza: SPLAG, 2006b.

_______. Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado do Ceará / Programa de Ação Integrada para o Aposentado. Relatório das Ações Sócio-Educativas e Culturais – PAI. Fortaleza: SPLAG, 2008.

_______. Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado do Ceará / Programa de Ação Integrada para o Aposentado. Relatório de Acompanhamento de Metas Institucionais. Fortaleza, Ce., 2009a.

_______. Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado do Ceará / Programa de Ação Integrada para o Aposentado. Proposta de Reestruturação do Programa de Ação Integrada para o Aposentado – PAI. Fortaleza: SPLAG, 2009b.

_______. Secretaria de Administração. Relatório PAI – PIPA 2008/2009. Fortaleza: SPLAG, 2009c.

_______. Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado do Ceará / Programa de Ação Integrada para o Aposentado. Relatório de ações Executadas/PAI - 2008-2009. Fortaleza: SPLAG, 2009d.

_______. Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado do Ceará. Sistema Folha de Pagamento. Fortaleza: SPLAG, 2009e.

_______. Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado do Ceará /Coordenadoria de Gestão Previdenciária do Estado do Ceará. Estatísticas Descritivas do Cadastro Consolidado do SUPSEC, Fortaleza: SPLAG, 2009f.

COHEN, E. Avaliação de Projetos Sociais. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA. Brasília- DF, 23-26 maio 2006. Anais da I Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa: construindo a Rede Nacional de Proteção e Defesa da Pessoa Idosa. - RENADI. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos; Conselho Nacional dos Direitos do Idoso, 2006.

CORDEIRO, D. S. A. Lugares de velhos pobres em grupos de convivência no nordeste brasileiro. In: VI CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA. Lisboa, 2008. Anais... Lisboa: Associação Portuguesa de Sociologia, 2008. Disponível em: http://www.aps.pt/vicongresso/pdfs/764.pdf Acesso em: 24 jul. 2010.

COSTA, A. B. Projetos futuros de aposentadoria. 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social). Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

COUTRIM, R. M. E. Se parar de trabalhar eu morro: o lugar do trabalho na vida de idosos que participam do mercado informal. Revista Kairós, v.9, n.1, p.85-105, 2006.

D'ALENCAR, R. S.; CAMPOS, J. B. Velhice e trabalho: a informalidade como (re) aproveitamento do descartado. Revista Estudos Interdisciplinares sobre Envelhecimento, v. 10, p. 29-43, 2006.

DAVIM, R. M. B. et al. O lazer diário como fator de qualidade de vida: o que pensa um grupo da terceira idade. Revista Ciência, Cuidado e Saúde, v. 2, n. 1, p.19-24, 2003.

DUMAZEDIER, J. A revolução cultural do tempo livre. São Paulo: Estúdio Nobel/SESC, 1994.

FENALTI, R. C. S., SCHWARTZ, G. M. Universidade aberta à terceira idade e a perspectiva de ressignificação do lazer. Revista Paulista de Educação Física, v.17, n.2, p.131-141, 2003.

FENALTI, R. C. S. Universidade aberta à terceira idade: uma perspectiva no âmbito do lazer. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 12., 2001, Caxambu. Anais... Caxambu: Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte, 2001. 1 CD.

FERRARI, M. A. C. Lazer e Ocupação do Tempo Livre na Terceira Idade. In: Netto, Matheus Papaléo. Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Atheneu, 2002.

FERREIRA, C. R.; SOUZA, S. C. I. As aposentadorias e pensões e a concentração dos rendimentos domiciliares per capita no Brasil e na sua área rural: 1981 a 2003. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 45, n. 4, p. 985-1.011, dez. 2007.

FERREIRA, C. R. Aposentadorias e distribuição de renda no Brasil: uma nota sobre o período 1981 a 2001. RBE, v. 60, p. 247-260, jul/set., 2006.

FONTE, I. B. da. Diretrizes internacionais para o envelhecimento e suas conseqüências no conceito de velhice. In: XII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS POPULACIONAIS, Ouro Preto, Minas Gerais, 2002. Anais... Ouro Preto: ABEP, 2002.

GIARDINO, A.; CARDOSO, S. O melhor vem depois: desvendando o enigma da longevidade. São Paulo: Saraiva, 2009.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

HERDY, Thais. Destaques: ONU alerta sobre o envelhecimento da população mundial. Disponível em: . Acesso em: 16 mai. 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). População residente por religião, sexo, situação do domicílio e grupos de idade 1991-2000. Disponível em . Acesso em: 27 abr. 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estudos & Pesquisas - Informação Demográfica e Socioeconômica. Número 9, Perfil dos Idosos Responsáveis pelos Domicílios no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA/PESQUISA NACIONAL DE AMOSTRAGEM POR DOMICÍLIOS (IBGE / PNAD). Estudos & Pesquisas - Informação Demográfica e Socioeconômica. Número 23. Síntese de Indicadores Sociais – Uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA/PESQUISA NACIONAL DE AMOSTRAGEM POR DOMICÍLIOS (IBGE / PNAD). Estudos & Pesquisas - Informação Demográfica e Socioeconômica. Número 29. Síntese dos Indicadores Sociais: uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

MAGALHÃES, M. de O. et al. Padrões de ajustamento na aposentadoria. Aletheia, n.19, p.57-68, Jun., 2004.

MARANHÃO. SEAPS/SASS/PAI. Relatório Anual de Atividades do PAI no Maranhão. São Luis: SEAPS/SASS/PAI, 2009.

MARQUES, Z. P. Homens idosos aposentados e suas redes sociais. 2006. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2006.

MAY, T. Pesquisa Social: questões, métodos e processos. Trad. Carlos Alberto Silveira Netto Soares. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MILANI, S. R. C. O “Princípio Participativo” na Formulação de Políticas Públicas Locais: Análise Comparativa de Experiências Européias e Latino-Americanas. In: XXIX ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 25 a 29 de outubro de 2005, Caxambu. Anais... Caxambu, 2005.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social, teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2005.

MORAGAS, R. Gerontologia social: envelhecimento e qualidade de vida. São Paulo: Paulinas, 1997.

NÉRI, A. L. Idosos do Brasil: vivências, desafios e expectativas na terceira idade. São Paulo: SESC-SP/FPA, 2007.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Plano de ação internacional para o envelhecimento, 2002. Trad. Arlene Santos. Brasília (DF): Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2003.    

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Active Ageing: a policy framework (Envelhecimento Ativo: uma política de saúde). 2002. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2009.

PACHECO, J. L. Elos refeitos: aposentados contam e refazem suas trajetórias de vida. Campinas: UNICAMP/CMU, 2005.

PASCHOAL, S. M. P. Desafios da Longevidade: qualidade de vida. Revista O Mundo da Saúde, v. 29, n. 4, p. 608-611, 2005.

PERES, M. A. de Castro. Velhice, Política e Autonomia: O movimento social do idoso e as políticas da terceira idade no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.26, p.144-159, jun. 2007.

PRADO, T. M. B. do. Participação: um estudo sobre idosos. 2006. Dissertação (Mestrado em políticas Sociais). Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas. Programa de Pós-Graduação em Política Social, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2006.

RODRIGUES, Carlos Lima. Homem de Pijama: o imaginário masculino em relação a aposentadoria. Revista Kairós, v. 4, n. 2, p. 69-82, dez. 2001

RODRIGUES, M. et al. A Preparação para a Aposentadoria: o papel do psicólogo frente à essa questão. Revista Brasileira Orientação Profissional. v. 6, n. 1, p. 53-62, jun. 2005.

ROMANINI, D. P. et al. 2005. Aposentadoria: período de transformações e preparação. Revista Gestão Industrial. v. 01, nº 03: PP. 376-384, 2005.

SOARES, D. H. P. et al. APOSENTA-AÇÃO: Programa de Preparação para a Aposentadoria. Revista Estudos Interdisciplinares sobre Envelhecimento, v.12, p.143-161, 2007.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   29   30   31   32   33   34   35   36   37


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal