Tcc terapia Cognitivo Comportamental Histórico e Vultos da Tcc



Baixar 364,28 Kb.
Página1/2
Encontro04.03.2018
Tamanho364,28 Kb.
  1   2

TCC – Terapia Cognitivo – Comportamental

Histórico e Vultos da Tcc

Bases teóricas

Fundamentos e Conceitos

Técnicas básicas

Profa. Msc. Eliana Melcher Martins

Coordenadora

CRP 06/70536

Centro de Estudos em Terapia Cognitivo-Comportamental

Clínica Especializada em Terapia Cognitivo -Comportamental

São Pavio - Rua Vergueiro, 2387 – cj.. 31 - Vila MarIana

Fone (11) 3361-7145

Araraquara - Rua Napoleão Selmi Dei, 211, - Vila Harmonia

Fone (16) 3322-7248

Março 2013

CETCC


HISTÓRICO E FUNDAMENTOS DA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL

Profa. Msc. Eliana Melcher Martins

Doutorada em Ciências pelo Depto. De Psiquiatria e Psicologia Clinica da UNIFESP

Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicologia UNIFESP

Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP

Psicologa Clinica Cognitivo – Comportamental

Bases Filosóficas e Históricas da Psicoterapia Comportamental

A cultura norte-americana expressa um espírito conquistador, prático e transformador da cultura. Uma espécie de darwinismo social em que “Os homens nascem todos iguais e no embate com os desafios com o ambiente, os mais fortes e capazes vencem”.

2 trabalhos estimulantes

Ivan Pavlov (1927) na Russia

Edward L. Thorndike (1895) na América

Bases Filosófica e Históricas da Psicoterapia Comportamental

Psicologia no início do século XX era dualista.

Objeto de estudo: Consciência atingida pela introspecção que não era replicável ou pragmática.

Psicologia animal oriunda de Darwin mostrava as vantagens de uma abordagem experimental.

O positivismo mostrava as vitórias e conquistas das Ciências Naturais.

Bases Filosóficas e Históricas da Psicoterapia Comportamental

Watson (1913) influenciado por esses trabalhos transpôs para o domínio da psicologia humana o mesmo rigor científico.

Behaviorismo – seu objetivo é a predição e o controle do comportamento.

Skinner na década de 50 – behaviorismo radical – estabeleceu relações diretas entre o ambiente e o comportamento. As atividades internas também são comportamentos submetidos às mesmas contingências que controlam as ações descobertas..

A introspecção estava de volta sob uma novíssima e revolucionária posição filosófica (ver Skinner, 1953, 1974)

CETCC


Terapja Comportamental

Pesquisadores clínicos começaram a aplicar as idéias de Pavlov, Skinner e outros behavioristas experimentais . (Rachman, 1997).

Joseph Wolpe (1 958) e Hans Eysenck (1966) foram pioneiros na exploração do potencial das intervenções comportamentais, como a dessensibilização (contrato gradual com objetos em

situações temidas) e treinamento de relaxamento.

Muitas das abordagens iniciais ao uso dos princípios comportamentais para a psicoterapia prestavam pouca atenção aos processos cognitivo envolvidos nos transtornos psiquiátricos.

Pelo contrário, o foco era moldar o comportamento mensurável com reforçadores e em eliminar as respostas de medo através da exposição.

Terapia Comportamental

Foram nos anos 50 e 60 que motivados por uma crescente insatisfação com a corrente psicodinâmica formou-se o núcleo de um novo enfoque terapêutico:

Terapia Comportamental

psicologia experimental;

condicionamento clássico ou respondente; condicionamento operante;

princípios teóricos da aprendizagem;

disciplinas da psicologia clínica,

Variáveis Cognitivas

Em meados dos anos 60 a importância das variáveis cognitivas já tinha se tornado mais reconhecida pela psicologia comportamental.

O trabalho de Albert Bandura, psicólogo canadense (1970), sobre a aprendizagem observacional (modelação) foi importante por chamar a atenção para os fatores cognitivos na terapia comportamental.

Nessa abordagem um indivíduo aprende ao observar o comportamento de outra pessoa; o comportamento é aprendido com mais eficácia se o observador o praticar posteriormente, embora isso não constitua uma condição necessária

ALBERT BANDURA - (1925) Canadense, Psicólogo, professor emérito na Stanford University

Modelo de Auto-Regulação- de Auto-Eficácia

Bandura desenvolveu um modelo de auto-regulação chamado de auto-eficácia, baseado na idéia de que toda a mudança de comportamento voluntária era medida pela percepção que os indivíduos tinham de sua capacidade de adotar o comportamento em questão.

Meichenbaum (1977) e Lewinsohn e cols (1985) incorporaram as teorias e estratégias cognitivas nos tratamentos.

Observaram que a perspectiva cognitiva acrescentava contexto, profundidade e entendimento às intervenções comportamentais.

FATORES HIISTÓRICOS RELEVANTES

Anos 60 e 70 afastamento da psicanálise e do behaviorismo radical de alguns adeptos, entre eles:

Albert Ellis –primeira psicoterapia contemporânea com clara ênfase cognitiva, tomando construtos cognitivos como base dos transtornos psicológicos, influenciou os primeiros trabalho de Beck com depressão.

Albert Bandura – Princípios de Modificação do Comportamento (1969) e Teoria da Aprendizagem Social (1971); processos cognitivos cruciais na aquisição e regulação do comportamento.

Michael Mahoney –Cognition and Behavior Modification (1974), cognição como construto mediacional.

Modelo do Desamparo Aprendido de Seligman (1967/79) e revisões dos Estilos de Atribuição); relevante para processos psicológicos na depressão.

FATORES HISTÓRICOS RELEVANTES

Insatisfação com os modelos de depressão (raiva retroflexa e condicionamento operante) na convergência entre a psicanálise e o behaviorismo; validade questionável como modelos de depressão clínica.

Wolpe (1958), percebia variáveis cognitivas em sua técnica comportamental da dessensibilização sistemática.

Transição generalizada para a perspectiva cognitiva de processamento de informação, com clínicos defendendo uma abordagem mais cognitiva nos transtornos emocionais.

1960 - unificação das formulações cognitivas e comportamentais na psicoterapia

Beck defendeu a inclusão de métodos comportamentais desde o início de seu trabalho.

Reconhecia essas ferramentas como eficazes para reduzir sintomas.

Conceitualizou um relacionamento estreito entre cognição e comportamento.

Alguns puristas argumentam os méritos de se utilizar uma abordagem cognitiva ou comportamental isolada.

Terapeutas mais pragmáticos consideram os métodos cognitivos e comportamentais como parceiros eficientes tanto na teoria como na prática.

Ex. literatura: tratamento do Pânico

CETCC


COGNIVISMO

Origens


CETCC

DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO

A Terapia Cognitiva tem origem em correntes filosóficas e religiões antigas (estoicismo grego, taoísmo e budismo) que postulavam a influência das idéias sobre as emoções .

COGNITIVISMO

O termo cognição inclui idéias, construtos pessoais, imagens, crenças, expectativas, atribuições, etc.

Não é apenas um processo intelectual mas sim padrões complexos de significado em que participam emoções, pensamentos e comportamentos.

"Se pudermos reorientar nossos pensamentos e emoções e reorganizar nosso comportamento, então poderemos não só aprender a lidar com o sofrimento mais facilmente, mas, sobretudo e em primeiro lugar, evitar que muito dele surja"

Livro: Uma ética para o novo milênio (p.xii) Dalai Lama

Filósofo persa da Antiguidade Baseou seus ensinamentos em:

Pensar bem

Agir bem

Zoroastro

ralar hem

“Os processos cognitivos conscientes tem um papel fundamental na existência humana”

Kant, Heidegger, Jaspers e Frankl

Um dos país da constituição americana

Escreveu extensamente sobre o desenvolvimento de atitudes construtivistas que influenciavam positivamente o comportamento

Benjamin Franklin

"Encontrar uma sensação de sentido da vida ajuda a servir como um antídoto para o desespero e a desilusão"

Wright et ai. (2003); Franki (1992)

“Não são as coisas que nos perturbam, mas a visão a visão que temos dessas coisas”

(Epictetos l d. C)

Experimentos de Beck

Investigou o modelo psicanalítico da depressão:

agressão retroflexa

Resultados negativos para esse tipo de agressão

Encontrou conteúdo geral de rejeição, desapontamento ou críticas que não sustentavam a necessidade de sofrer ou masoquismo

“As idéias não só podiam controlar os sentimentos mais intensos de uma pessoa, como também eram capazes de modificá-los”

Beck e Gols ( 1982)

AARON TEMK IN BECK

(1921) – Professor emérito do depto. De Psiquiatria da Universidade da Pensilvania - EUA

Experimentos de Beck

Perguntou: os conteúdos negativos estão somente nos sonhos ou em material ideacional durante a vigília?

Estudos de manipulação de humor e desempenho: em ambiente experimental, ofereceu a depressivos graves e moderados uma experiência de sucesso.

Hipótese: se agressão retroflexa, diante do sucesso, o humor de depressivos deveria cair.

Resultado: diante do sucesso, observou-se uma elevação do humor!

Resultado: refletiriam necessidade de sofrer ou simplesmente padrões cognitivos negativos gerais e inespecíficos?

Experimentos de Beck

Questionou a validade da livre associação!

Investigando, notou: tais fluxos de pensamentos eram básicos para a conceituação do transtorno do paciente.

Funcionavam como variável mediacional entre a ideação do paciente e sua resposta emocional e comportamental.

Expressavam uma negatiividade ou pessimismo geral do indivíduo contra si, o ambiente e o futuro

TERAPIA COGNITIVA DA DEPRSSÃO AARON BECK

A negatividade não era sintoma mas desempenhava uma função central na instalação e manutenção da depressão

A Cognição, e não a emoção, é considerada o fator essencial na depressão.

Depressão é um transtorno de pensamento e não um transtorno emocional

Propõe as noções de erros cognitivos e de esquemas

TERAPIA COGNITIVA DA DEPRESSÃO AARON BECK

TRÍADE COGNITIVA

MUNDO/OUTROS - FUTURO

É a forma como o indivíduo vê.a si mesmo, o mundo e o seu futuro.

Na depressão, pela visão essencialmente negativa, geram-se sentimentos de desvalia, autoacusação ou derrota.

E o sentimento e o comportamento estão de acordo com a sua percepção distorcida.

Aaron Beck

Teorias e métodos para aplicar as intervenções cognitivo-comportamentais

Influenciado por Adler, Horney e Sullivan (transtornos psiquiátricos e estrutura de personalidade)

Teoria dos construtos pessoais de. Kelly (crenças centrais)- "Psicologia dos Construtos Pessoais" (1955)

Teoria. Racional Emotiva Comportamental de 'Ellis

Piaget (1950): Epistemologia Genética/Construtivismo

As primeiras formulações de Beck centravam-se no papel do processamento de informações desadaptativo em transtornos de depressão e de ansiedade. Desenvolveu o conceito de Vulnerabilidade Cognitiva.

1960, ele descreveu uma conceitualização cognitiva da depressão

A proposta de Beck de uma terapia cognitivamente orientada com o objetivo de reverter cognições disfuncionais e comportamentos relacionados foi tema de várias pesquisas.

(Butler e Beck, 2000; Dobson, 1989; Wright et ai., 2003)

As teorias e os métodos descritos por Beck e outros colaboradores ampliaram-se a uma grande variedade de quadros clínicos:

CONCEITOS BÁSICOS DA TCC

O INDIVÍDUO INTERAGE COM O MUNDO EXTERNO E CONSTRÓI SIGNIFICADOS QUE ALICERÇAM SEUS SISTEMAS DE CRENÇAS

INDIVÍDUO – SIGNIFICADO – MEIO – CRENÇAS – EMOÇÕES – COMPORTAMENTO

Depressão

Transtornos de ansiedade

Transtornos alimentares

Esquizofrenia

Transtorno bipolar

Dor crônica

Transtornos de personalidade.

Abuso de substâncias.

Mais de 300 estudos controlados da TCC para uma série de transtornos psiquiátricos

(Butler e Beck, 2000)

ESQUEMATIZAÇÃO DO MODELO DE BECK

EVENTOS EXTERNOS – ESQUEMAS (ESTRUTURA) – CRENÇAS – COGNIÇÃO – SENTIMENTOS – COMPORTAMENTO (PENSAMENTO AUTOMÁTICO)

PRINCÍPIOS DA TERAPIA COGNITIVA

BASEIA-SE EM UMA FORMULAÇÃO EM CONTÍNUO SENVOLVIMENTO DO PACIENTE E DE SEUS PROBLEMAS EM TERMOS COGNITIVOS.

REQUER UMA ALIANÇA TERAPÊUTICA SEGURA.

ENFATIZA COLABORAÇÃO E PARTICIPAÇAO ATIVA

ORIENTADA EM METAS E FOCALIZADA EM PROBLEMAS

ENFATIZA O PRESENTE INICIALMENTE

É EDUCATIVA - ENSINA O PACIENTE A SER SEU PRÓPRIO TERAPEUTA

ENFATIZA A PREVENÇÃO DE RECAÍDA.

CETCC


Filme: Engajando o paciente na TCC

PRINCÍPIOS DA TERAPIA COGNITIVA

VISA TER UM TEMPO LIMITADO

AS SESSÕES SÃO ESTRUTURADAS

ENSINA O PACIENTE A IDENTIFICAR, AVALIAR E RESPONDER A SEUS PENSAMENTOS E CRENÇAS DISFUNCIONAIS

UTILIZA-SE DE UMA VARIEDADE DE TÉCNICAS PARA MUDAR PENSAMENTO, HUMOR E COMPORTAMENTO

MITOSE PRECONCEITOS DA TCC

1. A TCC é baseada no "poder do pensamento positivo".

2. A TCC propõe que os pensamentos negativos distorcidos causam a psicopatologia.(desequilíbrios bioquímicos, eventos da vida, relações interpessoais)

3. A TCC é simples e apenas utiliza o senso comum.

4. A TCC convence as pessoas a sair de seus problemas.

CETCC


X 5. A TCC ignora as emoções

X 7. A TCC é a aplicação de uma variedade de técnicas

X 8. A TCC ignora o passado e se interessa apenas pelo presente

X 13. A TCC é apropriada apenas para pessoas articuladas com boa capacidade intelectual

X 14. A TCC não é eficaz em pacientes com transtornos mentais graves

X 9. A TCC é superficial

X 10. A relação terapeuta não é importante na TCC

X 11. A TCC tem um limite de 15 a 25 sessões

X 12. Fazer TCC significa não usar medicação

BIBLIOGRAFIA

Aprendendo a Terapia Cognitivo-Comportamental - Um Guia Ilustrado

Jesse H. Wright, Monica R. Basco e Michael E. Thase. ARTMED, 2008

Terapia Cognitiva - Teoria e Prática Judith Beck. ARTMED, 1997

Terapia Cognitivo-Comportamental na Prática Psiquiátrica. Paulo Knapp e colaboradores. ARTMED, 2004

Obrigada Pela Atenção

CETCC


VULTOS E HISTÓRIA DA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL

Filósofo que defendia o papel da natureza no desenvolvimento psicológico

Filósofo, matemático, teórico político – Leviatã = natureza humana, necessidade de governos e sociedades.

Platão 428-347 BC Grécia

Thomas Hobbes 1588-1679 Inglaterra

Aristóteles 384-322 BC Grécia

Filósofo = física, metafísica, música, lógica, retórica, governo, ética, biologia e zoologia.

Contextualizando...

Filósofo físico e matemático = geometria

analítica e o sistema de coordenadas.

“fundador filosofia moderna"

“pai da matemática moderna"

RACIONALISMO

René Descartes 1596-1650 França.

Filósofo, teórico político, escritor e compositor – ILUMINISMO – ROMANTISMO (precursor)

Jean-Jacques Rousseau 1712-1778 Suíça

Filósofo – LIBERALISMO – EMPIRISMO Filosofia da mente (eu)

“lousa em branco”

“nascemos sem idéias inatas, e o conhecimento é determinado apenas pela experiência derivada da percepção dos sentidos”

John Locke 1632-1704 Inglaterra

Matemático e físico = pioneiro da psicologia experimental

“o físico e o psíquico não seriam realidades opostas, mas aspectos de uma mesma realidade essencial”

Gustav Fechner 1804-1887 Alemanha

Filósofo e fisiologista = 1º laboratório de psicologia

“Princípios de Psicologia Fisiológia” ESTRUTURALISMO (Primórdios)

Wilhelm Wundt 1832-1920 Alemanha

Naturalista britânico = Teoria evolução, seleção natural – A ORIGEM DAS ESPÉCIES

“A expressão da emoção em homens e animais”

PSICANÁLISE – PSICODINÂMICA Sigmund Freud 1856-1939 Austria

PSICOLOGIA INDIVIDUAL FORÇAS SOCIAIS Alfred Adier 1870-1937 Austria

Psicólogo – 1ª escola de pensamento na psicologia = ESTRUTURALISMO Edward Tichener 1867-1927 Inglaterra

Filósofo, Médico, Psicólogo = “um dos fundadores da psicologia moderna” PRAGMATISMO William James 1842-1910 Estados Unidos

LISTA DE SILABAS ALEATÓRIAS Herman Ebbinghaus 1850-1909 Alemanha

CONDICIONAMENTO CLÁSSICO Ivan Pavlov 1849-1936 Rússia

PSICOLOGIA ANALÍTICA (JUNGUIANA) Carl Jung 1875-1961 Suiça

PSICANÁLISE KLEINIANA (INFANTIL) Melanie Klein 1882-1960 Austria

COMPORTAMENTALISMO John Watson 1878-1958 Estados Unidos

PSICANÁLISE TEORIA DO DESENVOLVIMENTO FEMININO Karen Horney 1885-1952 Alemanha

PSICANALISE – CRIANÇAS Anna Freud 1895-1982 Austria

GESTALT Fritz Perls 1893-1970 Alemanha

PSICANÁLISE LACANIANA Jacques Lacan 1901-1981 França

TERAPIA CENTRADA NO CLIENTE Carl Rogers 1902-1987 Estados Unidos

ESTÁGIOS Erik Erikson 1902-1994 Alemanha

PSICANÁLISE WNNICOTIANA Donald Winnicot 1896-1971 Inglaterra

PSICANÁLISE – GRUPOS CLÍNICA TAVISTOK Wilfred Bion 1897-1979 Índia

ESPISTOMOLOGIA GENÉTICA Jean Piaget 1896-1980 Suiça

TERAPIA SISTÊMICA Gregory Bateson 1904-1980 Inglaterra

PSICOLOGIA DOS CONTRUTOSPESSOAIS George Kelly 1905-1967 Estados Unidos

BEHAVIORISMO RADICAL (CONDICIONAMENTO OPERANTE) B.F. Skinner 1904-1990 Estados Unidos

TEORIA DO APEGO John Bowiby 1907-1990 Inglaterra

TERAPIA RACIONAL EMOTIVA MODELO A-B-C Albert Ellis 1913-2007 Estados Unidos

HIERARQUIA DAS NECESSIDADES HUMANAS Abraham Maslow Estados Unidos

TERAPIA COGNITIVA Aaron Beck 1921 Estados Unidos

PSICOLOGIA POSITIVA Martin Seligman 1942 Estados Unidos

TEORIA SOCIAL COGNITIVA BEHAVIORISMO SOCIAL TEORIA DA APRENDIZAGEM SOCIAL Albert Bandura 1925 Canadá

DESSENBILIZAÇÃO SISTEMÁTICA Joseph Volp 1915-1997 África do Sul

TERAPIA FAMILIAR ESTRUTURAL Salvador Minuchin 1921 Argentina

NIVEIS DE COMUNICAÇÃO – Paul Watziawick 1921-2007 Austria

TERAPIA EM GRUPO Irvin Yalom 1931 Estados Unidos

TERAPIA FOCADA NA EMOÇÃO Leslie Greenberg 1945 Canadá

TERAPIA PÓS-RACIONALISTA Vittorio Guidano 1944-1999 Itália

CONSTRUTIVISMO Michael Mahoney 1946-2006 Estados Unidos

PSICOTERAPIA COGNITIVA NARRATIVA Oscar Gonçalves Portugal

PSICOTERAPIA CONSTRUTIVISTA (LUTO) Robert Niemeyer Estados Unidos

Ivan Petrovitch Pavlov (1849-1936)

Nasceu Ryazan, Rússia central.

1860 – Seminário de teologia – sacerdócio.

1870 – Universidade de São Petersburgo – fisiologia animal (após ler Darwin

1875 – Diplomado – Início treinamento médico – pesquisa fisiológica.

1881 – Casamento

1890 – Professor de farmacologia na Academia Médica Militar de São Petersburgo.

1904 – Nobel de Medicina.

Três temas de pesquisa:


  1. Função dos nervos cardíacos,

  2. Glândulas digestivas primárias,

  3. Centros nervosos superiores do cérebro.

REFLEXO CONDICIONADO –ESTÍMULO – REFORÇO (CONDICIONAMENTO RESPONDENTE)

Rememorando a minha vida, eu a descreveria como feliz e bem sucedida. Recebi tudo o que se pode esperar dela...

1ª REVOLUÇÃO COGNITIVA Anos 50

O CÃO de PAVLOV – Hitp://www.youtube.com/watch?v=Ni7U

CONDICIONAMENTO CLÁSSICO

Reflexo condicionado (1927)

Exposição cirúrgica de cães permitir coleta das secreções digestivas fora do corpo = observadas, medidas e registradas.

Função da saliva 4 podia ser involuntariamente secretada sempre que a comida era colocada na boca do cachorro observou que às vezes a saliva aparecia antes da comida ser dada = fluxo antecipatório de saliva.

Cães salivavam quando viam a comida, ou a pessoa que costumava alimentá-los, ou ouviam os passos desta:

REFLEXO DA SECREÇÃO = REFLEXOS PSÍQUICOS

A resposta não aprendida de salivação, tinha de alguma maneira se conectado com (ou sido condicionado por) estímulos que não o original (o alimento), Isso acontecia porque esses outros estímulos (visão, sons...) tinham sido com freqüência associados à ingestão de alimentos.

1902- Zeitgeist Psicologia animal - experimentos mentalistas.

Novas pesquisas modelo objetividade e precisão.

“Sonhei encontrar felicidade no trabalho intelectual, na ciência e encontrei”

CONDICIONAMENTO CLÁSSICO

Si – estimulo incondicionado

Ri – resposta incondicionada

Sn – estímulo neutro

Pavlov

PARADIGMA



S – estímulo

R – Resposta

23 – Um paradigma – um modelo ou padrão – um modo reconhecido de pensar, no âmbito de uma disciplina cientifica, que fornece, por algum tempo, as perguntas e respostas essenciais aos pesquisadores do campo em questão.

REFLEXO NÃO CONDICIONADO (ou inato): a resposta da salivação, quando a comida era colocado na boca do cão, era urna resposta reflexa natural do sistema digestivo, não há necessidade de aprendizagem para que ocorra.

REFLEXO CONDICIONADO: salivar diante da visão da comida não é um ato reflexo, mas uma resposta que tem de ser aprendida (depende da associação ou conexão entre a visão da comida e sua subsequente ingestão, ou estar condicionada a ela).

Um ESTÍMULO CONDICIONADO (luz) é apresentado (acesa) e imediatamente se apresenta o ESTIMULO

NÃO CONDICIONADO (alimento).

Após algumas apresentações pareadas de luz e alimento, o animal saliva ao ver a luz. o animal está então condicionado a responder ao estimulo condicionado = está formada umai associação (vínculo) entre a luz e o alimento.

O CONDICIONAMENTO (ou aprendizagem) só ocorre se a luz for seguida pelo alimento algumas vezes o

REFORÇO (ser alimentado) é necessário para que a aprendizagem ocorra.

John B. Watson (1878-1958)

Nasceu numa fazenda em Greenville, na Carolina do Sul, EUA, mãe religiosa e pai violento e alcoolista, que fugiu de casa quando Watson tinha 13 anos.

Aluno indolente, insolente e incontrolável, descrito como delinquente, preguiçoso e insubordinado.

Matriculou-se na Universidade Furman, em Greenville.

Estudou filosofia, matemática, latim e grego.

1900 Grau de mestre em Furman. Iria para o Seminário Teológico de Princeton, mas desistiu (mãe faleceu).

1900 Universidade de Chicago (pós em filosofia).

Trabalhou como garçom, tratador de ratos, assistente de zelador. Sofria ataques agudos de ansiedade.

1903 - Ph.D.- o mais jovem doutorado - Instrutor na Universidade de Chicago.

1908 - Elegível ao cargo de Professor-assistente na Universidade de Chicago - Professor

Efetivo na Johns Hopkins, em Baltimore, onde ficou 12 anos.

WATSON


Minhas relações totais são positivas e voltadas para ti. O mesmo ocorre com cada uma e com todas as reações do meu coração. Não posso ser mais teu do que sou, mesmo que uma operação cirúrgica fizesse de nós um único ser”.

1913 - Manifesto na Psycholcwical Review = lançando oficialmente o comportamentalismo.

191 - Curso de Psicologia da Publicidade na Johns Hopkins.

Presidente da APA aos 37 anos.

1918 - Pós-guerra - Experimentos com bebês.

1919 - "A psicologia do ponto de vista de comportamentalista"

1920 - Demissão forçada.

1920 -"Será o pensamento meramente a ação dos mecanismos da linguagem?”

1921 - Ingressou agência J.Walter Thompson, trabalhou em todos os departamentos, fez pesquisa porta a porta, vendeu café, estagiou na Macy's e após 3 anos, tornou-se vice-presidente.

1928 -"O cuidado psicológico do bebê e da criança"

1936 - Vice-presidente em outra agência.

1945 - Aposentou-se.

Psicologia comportamentalista - influenciou a publicidade EUA.

Watson


“Posso encontrar um emprego comercial. Não séria tão ruim assim criar galinhas ou plantar repolhos. Mas amo francamente o meu trabalho... Sinto que ele é importante para a psicologia...”

Os pais nunca deveriam abraçá-las ou beijá-las, ou permitir que se sentem no colo. Se não houver jeito, dê-lhes um único beijo na testa quando elas disserem boa-noite. Dê-lhes a mão pela manhã. Passe a mão em sua cabeça quando elas se saírem extraordinariamente bem numa tarefa difícil. Experimente...”

“ele era insensível, emocionalmente incomunicável, incapaz de exprimir qualquer sentimento ou emoção, ou de lidar com eles, e inadvertidamente decidido a privar, a meu ver, meu irmão e eu de qualquer tipo de base emocional. Ele tinha a profunda convicção de que qualquer expressão de ternura ou afeição teria um efeito prejudicial sobre nós...”

WATSON


PARADIGMA

S- estímulo

R - resposta

COMPORTAMENTALISMO

S- estímulo

O – organismo - não observável

R - resposta

O PEQUENO ALBERT

NOVO PARADIGMA

S – estímulo

R – resposta

C - comportamento

CONDICIONAMENTO OPERANTE

Sd – estímulo discriminado

R – resposta

C – comportamento

Sr –

Skinner – 1982



“ inquestionavelmente, o mais famoso psicólogo americano do mundo”

1990:


“o mais importante psicólogo contemporâneo ... Um dos gigantes da nossa disciplina... deixou uma marca permanente na psicologia”

Karen Horney (1885-1952)

TEORIA DO DESENVOLVIMENTO FEMININO

Constelação fatores interpessoais (excessiva proteção, pessoas exigentes demais, irritáveis, indiferentes, etc.) fazem com que a criança desenvolva grande insegurança = ANGÚSTIA BÁSICA :

"a sensação de estar isolada e desamparada em um mundo potencialmente hostil" ' leva a tornar rígidas e extremadas as atitudes de se aproximar das pessoas, rebelar-se contra elas ou afastar-se (afeição = dependência e obediência = sujeição)

CONFLITOS - indivíduo sinta-se menos equipado do que os outros na vida = isolado e cercado = ambiente hostil -> lançar mão de estratégias artificiais para lidar com os outros, passando por cima seus sentimentos genuínos.

EU REAL" - vai se desvanecendo e o sujeito não sabe + quem realmente é = a prioridade passa a ser construir uma identidade de pessoa que possa diminuir angústia.

“EU IDEALIZADO” - com o tempo, torna-se mais importante do que o “eu real", numa mudança profunda do centro de gravidade psicológico do indivíduo - transforma-se em um ponto de referência para o individuo se observar, em um padrão com que o indivíduo se compara.

2a. REVOLUÇÃO COGNITIVA

Final década 60

Albert Ellis (1913-2007)

TERAPIA RACIONAL EMOTIVA

A 1ª psicoterapia contemporânea com clara ênfase cognitiva, tomando os construtos cognitivos como base dos transtornos psicológicos.

CRENÇAS IRRACIONAIS - baseadas em conclusões errôneas, ilógicas e sem base em evidências objetivas = modelo simples e pragmático.

MODELO ABC - os acontecimentos ativadores (A) passam pelo sistema de crenças (B) do sujeito antes de despertarem as consequências (C) emocionais ou a conduta.

DIÁLOGO SOCRÁTICO - o terapeuta questiona o paciente por meio de perguntas engenhosas que estimula a pessoa a perceber mais claramente suas distorções = sobre a real validade das crenças e sobre as evidências de que o sujeito dispõe para acreditar nelas.

CRENÇAS BÁSICAS - EXIGÊNCIA S ABSOLUTISTAS (“tenho que”) e DEVERES IRRACIONAIS (“devo”) que ocasionam uma série de SUPOSIÇÕES ILÓGICAS ou DISTORÇÕES COGNITIVAS.

Aaron Temkin Beik (1921- )

Nasceu em Providence, Rhode Island, EUA.

Pais judeus, imigrantes da Rússia, filho caçula entre 4.

E casado, tem 4filhos e 8 netos.

1942 – Graduação magna cum laude na Brown University.

1946 – Yale Medical School – residência em patologia, psiquiatria e neurologia.

É professor emérito no Depto de Psiquiatria da Universidade da Pensilvânia.

Professor honorário da Academia de Terapia Cognitiva.

Inúmeras pesquisas em Psicoterapia, Psicopatologia, Suicídio e Psicometria,, criação de várias escalas – depressão (BDI) e ansiedade (BAI).

Fundou a BECK INSTITUTE, na Fil adélfia e trabalha com sua filha Judith.

A Terapia Cognitiva foi desenvolvida inicialmente para tratamento da pacientes com depressão, mas é também eficazmente utilizada para pessoas com Transtornos de Ansiedade, Esquizofrenia e outros.

TC – TERAPIA COGNITIVA (Cognitive Therapy)

ESQUEMAS (significado)

DISTORÇÃO COGNITIVA (Erros Pensamento)

TRÍADE COGNITIVA

MODELO COGNITIVO

Crença Central – Crença Intermediária - Situação Agora - Pensamentos Automáticos – Reações – Corporal – Comportamental – Emodonal

Tratamento psicodinâmico dos seus pacientes com depressão – análise de sonhos, verbalizações e associações livres.

Psicanálise – depressão = raiva inconsciente e inaceitável contra pessoas próximas que, reprimida, era redirecionada ao self = hostilidade retrofletida (que não era confirmado nos relatos dos sonhos dos pacientes).

Anomalias - nos sonhos, os pacientes eram rejeitados, abandonados ou frustrados = nas experiências do cotidiano, idem.

Identificação de tipos específicos de pensamentos, que os pacientes não percebiam claramente e não relatavam na associação livre.

Visão negativista - identificada na auto avaliação do paciente = autocríticas, baixa autoestima, culpas, previsões e interpretações negativistas e memórias desagradáveis.

Temas negativistas presentes em todos os tipos de depressão = reativa, endógena, orgânica ou bipolar.

Temas negativistas idiossincráticos - questões sociais vitais do paciente: fracasso e sucesso, aceitação e rejeição, respeito e desdém.

TCC – MODELO COGNITIVO

Situação Antes – Repetiu 7ª série “Eu sou incompetente”

Crença Central – Desvalia – Crenças Intermediárias – “Se eu não entendo algo, então eu sou burro”

“É horrível ser sempre o pior”

Situação Agora – Pensamentos Automáticos – Reações – Corporal – Sudorese – Comportamental - Sai da Sala – Emocional – Tristeza

Estratégias – Não termina o que começa.

Aula TCC


“Isso é difícil demais... Eu jamais vou aprender...”

TCC – MODELO COGNITIVO

Situação Antes – Bullyng na escola “Eu sou incapaz de ser amado”

Crença Central – DESAMOR

Estratégias – Não interage com colegas.

Crenças Intermediárias – “Se eu interagir com as pessoas elas não vão me aceitar como sou”

“Devo me isolar”

Situação agora – Festa de um colega – Pensamentos Automáticos “Não vou ter assunto para conversar na festa

Reações – Corporal – Taquicardia – Comportamental – Fica isolado – Emocional – Medo, Tristeza

Epiteto (130-50) a.C.)

Não são as coisas em si mesmas que pertubam os homens, mas os juízos que eles fazem sobre as coisas.”

Beck (1964)

“Não é uma situação por si só que determina o que as pessoas sentem, mas, antes, o modo como elas interpretam uma situação”

Não busque a felicidade fora, mas sim dentro de você, caso contrário nunca a encontrará.”

Beck

NOVO PARADIGMA



S – estímulo

P – pensamento

E – emoção

R – resposta

COGNITIVISMO

S- R


Profa. Lina Sue – Lina.sue@hotmail.com.-celular (11) 8660-1234

Namastêl


TCC

Terapia Cognitiva

Comportamental

Bases teóricas

Esquemas

Crenças


Distorções Cognitivas

Pensamentos Automáticos

Pfa. Ms. Eliana Melcher Martins

Abordagem Behaviorista

Estuda a mecânica básica da aprendizagem, preocupando-se em como o comportamento muda em resposta à experiência.

Esquema


A maioria dos pesquisadores do desenvolvimento cognitivo usa uma dessas quatro abordagens para definir esquema:

Behaviorista

Psicométrica

Processamento de. Informação

Piagetiana''

Papalia (2000)

Abordagem Psicométrica

Tenda medir as diferenças individuais em termos de quantidade de inteligência.

Abordagem do Processamento de Informação

Concentra-se nas diferenças individuais quanto ao modo no qual as pessoas usam sua inteligência, focando os processos envolvidos na percepção e no manuseio de informação.

Piaget acreditava que o núcleo do comportamento inteligente estaria numa capacidade inata de adaptar-se ao ambiente, pois é a partir daí que ele descreve o desenvolvimento cognitivo como uma série de estágio a criança desenvolve uma nova maneira de pensar e responder ao ambiente, onde esse desenvolvimento ocorria por meio de três princípios que estão inter-relacionados :

Organização,

adaptação e

equilibração

Papalia (2000)

Abordagem Piagetiana

Observa as mudanças na qualidade do funcionamento cognitivo

O que a pessoa é capaz de fazer

Relação com a evolução das estruturas mentais

Como as crianças se adaptam ao seu ambiente, sustentando que a cognição se desenvolve em etapas.

Organização Cognitiva

Tendência de criar sistemas de conhecimento cada vez mais complexos.

Desde.que nascem as:pessoas organizam o:que.conhecem por meio de representações mentais da realidade que as ajudam a dar sentido a seu mundo.

Dentro,dessas representações mentais encontram -se as estruturas chamadas esquemas, que podem ser conceituados como padrões organizados de comportamento que uma pessoa usa para pensar e agir em uma situação.

À medida que as crianças adquirem mais informação, seus esquemas tornam-se se cada vez mais complexos, progredindo as maneiras de realizar ações motoras até o pensamento abstrato.

Adaptação: modo como lidamos com as novas informações

Envolvendo:

Assimilação: tomar uma informação e incorporá-la em estruturas cognitivas existentes.

Acomodação: mudar nossas idéias para incluir um novo conhecimento.

Equilibração: busca constante de equilibrío, entre a criança e o mundo exterior e entre as próprias: estaturas cognitivas da criança.

Esquema piagetiano: estrutura cognitiva dinâmica que se modifica ao longo do tempo, agregando conhecimento.

Por meio de suas interações, as experiências que a criança vivencia constrói ativamente os seus conhecimentos.

A ação da criança sobre os objetos é que possibilita a formação da inteligência, em que a estrutura lógica é formada pelo desenvolvimento cognitivo, e neste sentido, a socialização, a linguagem, a curiosidade é expressão do desenvolvimento cognitivo.

Piaget afirma que os esquemas tem origem no exercício dos reflexos.

O recém-nascido, ao exercitar seus reflexos hereditários começa a relacionar o contexto no qual o reflexo é aplicado com a situação alcançada por ele, dando origem aos esquemas.

Papalia (2000)

Bartlett, Atkinson (2002) afirmam que

talvez Piaget tenha sido o primeiro psicólogo a estudar sistematicamente os efeitos dos esquemas sobre a memória.

Ele sugeriu que distorções de memórias, muito semelhantes àquelas que ocorrem quando encaixamos pessoas em estereótipos podem ocorrer quando tentamos encaixar narrativas em:esquemas.. (distorções cognitivas)

Bartlett concluiu na sua pesquisa sobre os esquemas que os dois aspectos da memória: preservar e construir, podem sempre estar presentes.

Papalia (2000) nos confirma que o bebê necessita de toda a atenção e cuidados do adulto, sozinho ele não sobreviveria, pois o período que vai do nascimento à aquisição da linguagem é marcado por um extraordinário e complexo desenvolvimento da mente.

A criança progressivamente aumenta o autocontrole do seu próprio rio corpo e sentimentos.

Assim, ela conseguirá pouco a pouco lidar com as demandas da vida.

Esquemas


Aaron Beck sugere que os ESQUEMAS são estruturas cognitivas cujo conteúdo específico são as CRENÇAS CENTRAIS

Conceito de Esquemas

Tem sua história relativamente ligada aos teóricos Piaget e Bartlett, primeiros a definir e descrever um esquema como:

Estruturas que integram e atribuem significados aos eventos”.

Beck & Freeman (1993)

Representação

Esquema ou Estrutura Cognitiva

Crença Central ou Nuclear

Distorções ou Erros Cognitivos

Pensamentos Automáticos

Crenças Intermediárias

“Elementos organizados a partir de experiências e reações passadas que formam um corpo relativamente compacto e persistente de conhecimento capaz de as valorizações e percepções posteriores"

Segal (1998)

Esquemas


Definições

Esquemas são estruturas internas de relativa durabilidade que armazenam aspectos genéricos ou protótipo de estímulos, idéias ou experiências, e também organizam informações novas para que tenham significado, determinando como os fenômenos são percebidos e conceitualizados.

São estruturas cognitivas com conteúdo (crença)

Estruturas mentais que contêm armazenadas as representações de significados.

São fundamentais para orientar a seleção, codificação, organização, armazenamento e recuperação de informações de dentro do aparato cognitivo.

Tem uma estrutura interna consistente que ordena novas informações que entram no sistema cognitivo.

(Williams, 1997)

Esquemas


Definições

Armazenam postulados e suposições básicas para interpretar as informações".

Beck (in Cottraux e Blackbum, 2001)

Esquemas


Definições

O ESQUEMA

Dá à experiência sua forma e significado, provendo, dessa forma, a estabilidade (estrutura) dos sistemas cognitivo, afetivo e comportamental ao longo do tempo e dos eventos.

São padrões ordenadores da experiência que ajudam os indivíduos a explicá-la, mediar sua percepção e guiar suas respostas (cognitivas, emocionais e comportamentais).

(Clark, Beck, Aiford, 1999)

Esquemas


Definições

A "arquitetura" dos esquemas faz o individuo ser como é.

Viés confirmatório

Paciente com autoimagem

Incapaz de ser amada

Processa experiência de uma rejeição amorosa como evidência da veracidade de suas crenças, reconfirmando-as a cada experiência negativa.

Cada vez mais, parecem certas e reais suas crenças sobre si mesma.

Circuito de retroalimentação que estabiliza a ideia de ser indigna de amor.

Processamento automático de informação

“Os esquemas, depois de desenvolvidos, servem como modelos para o processamento das experiências ulteriores e acabam desembocando em confirmações automáticas e circulares dos próprios esquemas”

Marco Callegaro, em O NOVO INCONSCIENTE, Artmed 2011, pag. 243

Profecia catastrófica

O comportamento é influenciado de modo negativo por esse conjunto de crenças (esquema), fazendo a pessoa agir de modo a confirmar sua profecia catastrófica (previsão sem fundamento de que algo catastrófico acontecerá)

Evidência confirmatória dos esquemas ou viés confirmatório

Autoperpetuação

• Aquele que se considera indigno de amor agirá de forma acabrunhada e tímida, não olhará nos olhos e falará baixo em uma situação social, conduta que certamente aumenta sua chance de

Rejeição.

• As rejeições que ocorrem, por sua vez, CONFIRMAM os esquemas em um círculo vicioso

autoperpetuador (viés confirmatório).

Exemplos de Esquemas

Esquema de incapacidade: "Sou incapaz" ou "Meu autoconceito profissional depende do que os outros pensam de mim", ou "A não ser que eu alcance os mais altos padrões de desempenho, eu provavelmente serei um profissional de segunda classe".

Esquema de desamor ou baixa estima: "Não sou amado” ou "Não sou gostável" ou "Se alguém não gosta de mim, isso significa que não sou gostável”.

Esquema de inadequação: "Sou socialmente inadequado” ou “Sou feio” (ou não atraente, "chato", visto-me mal, etc.)

Esquema – núcleo da personalidade

Embora a TCC permita que o sujeito se dê conta em maior grau sobre os esquemas, normalmente não estamos conscientes de sua operação, nem mesmo de sua existência, apenas dos resultados produzidos, que acabam compondo o núcleo de nossa personalidade.

Exemplos de Esquemas

• Esquema de vulnerabilidade: "É melhor pão dizer nada, do que arriscar cometer um erro", ou "É melhor não me aproximar do que ser rejeitado", ou "Se eu for rejeitado (não aprovado, dispensado, tiver dor, etc.) não suportarei".

• Esquema de perfeccionismo: "A não ser que as coisas aconteçam corno eu quero, minha vida não vale a pena" ou "Tirar dez não é mais do que obrigação".

• Esquema de inferioridade: "Se urna pessoa tem algo que eu não tenho, isso significa que ela é uma pessoa melhor do que eu".

Crenças


(Beliefs)

As crenças afetam tudo em nossa vida: como criamos os filhos, onde decidimos morar, com quais pessoas nos relacionamos, nosso estado de saúde, o trabalho que fazemos, o dinheiro que ganhamos ou temos e nosso equilíbrio 'mental e emocional. Literalmente, as crenças constroem nosso mundo.

Mas elas não são "A Verdade", são apenas uma percepção que foi aceita como verdade.

Em filosofia, mais especificamente em epistemologia, Crença é uma condição psicológica que se define pela sensação de veracidade relativa a uma determinada ideia a despeito de sua procedência ou possibilidade de verificação objetiva.

Logo pode não ser fidedigna à realidade e representa o elemento subjetivo do conhecimento.

Crenças —

Definições

O que é fantástico sobre as crenças é que ode s mudá-las! Podemos escolher acreditar em idéias que apoiam nossos sonhos e visões do que desejamos.

Mudar as crenças negativas e instalar novas e poderosas idéias é essencial para criar uma vida em alinhamento com nossos desejos.

Crenças


CETCC

CRENÇAS


CENTRAIS,

BÁSICAS OU

NUCLEARES

Core Beliefs

BECK, 1970

As crenças centrais são o nível mais fundamental de pensamento.

São globais, rígidas e supergeneralizadas.

Pode-se dizei que fazem parte da personalidade dos indivíduos

São Idéias e conceitos fundamentais sobre nós mesmos, os outros e o mundo

São Incondicionais

Formadas desde a infância e se fortalecem com o tempo

As pessoas frequentemente não as articulam, sequer para si mesmas.

Essas idéias são consideradas pela pessoa como mandado absoluto.

Crenças


BECK, 1970

Fazem parte, portanto da formação de nosso caráter que se refere a fatores psicossociais, fatores aprendidos que influem na personalidade. Boa parte do caráter é formado ao longo da experiência e do processo de socialização.

As crenças centrais estão inseridas dentro de estrutura mais ou menos estáveis, os esquemas, que orientam o comportamento e manifestam os traços de personalidade do indivíduo, isto é, regras específicas que regem o processamento da informação e do comportamento.

CARACTERÍSTICAS

Irracionais

Rígidas


Excessivas

Supergeneralizadas

Absolutas

Extremas


Primitivas

CRENÇAS CENTRAIS, BÁSICAS OU NUCLEARES DISFUNCIONAIS

Muitas são culturalmente reforçadas

“sofrer é virtuoso”

“só podia ser mulher”

“professor tem que saber tudo”

“psicólogo não tem problema”

“é esforçada e não inteligente”

“não se pode elogiar, senão se fracassa”

CRENÇAS CENTRAIS, BÁSICAS OU NUCLEARES DISFUNCIONAIS

Predispõem a transtornos emocionais.

Impedem a realização de metas

Associadas a emoções fortes

Tornam-se ativas em situações relacionadas às vulnerabilidades específicas do indivíduo

Indiossincráticas (cada pessoa tem o seu conjunto)

CRENÇAS CENTRAIS, BÁSICAS OU NUCLEARES DISFUNCIONAIS

As crenças nucleares ou centrais são mais abstratas e gerais, constituindo um nível mais profundo de representação dos pensamentos.

Ativam-se durante os transtornos emocionais.

O processo de informação torna-se tendencioso, extraindo da realidade os aspectos que confirmam a crença disfuncional (viés confirmatório).

Passado o problema emocional ela volta a ser latente.

Nos traços e transtornos de personalidade os indivíduos tem suas crenças disfuncionais ativadas na maior parte do tempo.

CRENÇAS CENTRAIS, BÁSICAS OU NUCLEARES DISFUNCIONAIS

"Pelas crenças centrais nos ajudarem a compreender nosso mundo em uma idade tão tenra, pode nunca-rios ocorrer avaliar se elas são o modo mais útil de compreender nossas experiências adultas.

Ao contrário, quando adultos agimos, pensamos e sentimos como se elas fossem 100% verdadeiras."

(D.Greenberger e C. Padesky, em A Mente Vencendo o Humor, pg. 109, Artmed, 1999)

CRENÇAS CENTRAIS SOBRE SI MESMO

Desamparo Desamor

Aaron Beck

CRENÇAS CENTRAIS, BÁSICAS OU NUCLEARES DISFUNCIONAIS

Crenças centrais sobre si mesmo

Crenças centrais sobre os outros

Crenças centrais sobre o mundo

CRENÇAS CENTRAIS SOBRE SI MESMO

Desamparo: impotente, frágil, vulnerável, carente, desamparado, necessitado

Desamor: indesejável, incapaz de ser gostado, de ser amado, sem atrativos, imperfeito, rejeitado, abandonado, sozinho

Desvalor: incapaz, incompetente, inadequado, ineficiente, falho, defeituoso, enganador, fracassado, sem valor

Judith Beck (1995)

(CRENÇAS CENTRAIS SOBRE OS OUTROS I

Os pacientes e percebem os outros de maneira rígida, supergeneralizada e dicotômica.

Crenças disfuncionais ou negativas sobre os outros levam os pacientes a terem percepções muito negativas.

As pessoas são vistas como desprezíveis, frias, prejudiciais, ameaçadoras e manipuladoras.

As pessoas são más, desleais, traiçoeiras, só querem se aproveitar, tirar vantagens, etc.

CRENÇAS DISFUNCIONAIS SOBRE O MUNDO

Os pacientes podem perceber o mundo de maneira rígida, supergeneralizada e discotômica. E da mesma forma criam crenças sobre este mundo.

Os pacientes acreditam que não conseguem o que querem em razão dos obstáculos encontrados no mundo.

O mundo é in justo, hostil, imprevisível, incontrolável, ameaçador, perigoso, etc."

Judith Beck, Terapia Cognitiva para Desafios Clínicos, 2007, Artmed, pg. 38

CRENÇAS DISFUNCIONAIS SOBRE OS OUTROS

Às vezes, os pacientes podem ter uma visão positiva, mas irreal (disfuncional), como se as pessoas fossem superiores, muito eficientes, amáveis e úteis (diferente da visão que eles tem de si próprios)

Judith Beck. Terapia Cognitiva para Desafios Clínicos, 2007, Artmed, pg. 37.

IMPORTANTÍSSIMO

Conceituar corretamente a categoria, ou categorias, das crenças centrais dos pacientes é essencial para conduzir eficientemente a terapia.

Judith Bek, em “Terapia Cognitiva para Desafios Clínicos, pag. 36, Artmed, 2007

CETCC


CRENÇAS

INTERMEDIÁRIAS

OU SUBJACENTES

PRESSUPOSTOS CONDICIONAS

Crenças intermediaria

Segundo Judith Bek (1995)

Pressupostos Subjacentes ou

Pressupostos Condicionais

Crenças Subjacentes ou Crenças Intermediárias

CRENÇAS INTERMEDIÁRIAS

As crenças centrais influenciam o desenvolvimento das crenças intermediárias.

• São construções cognitivas disfuncionais.

• São regras, padrões, normas, premissas e atitudes que adotamos e que guiam a nossa conduta.

Crenças intermediárias

• São Pressupostos, manifestam-se sempre na forma condicional.

"Se eu fizer o que os outros esperam,

então irão gostar de mim.

Crenças intermediárias

As crenças intermediárias são manifestadas através de:

'REGRAS (eu devo...) "Tenho que ser perfeito em tudo o que faço"

"Não devo me mostrar como sou, pois verão que sou incompetente"

'ATITUDES (é preciso que...) "É horrível ser incompetente." "É terrível desperdiçar seu potencial"

SUPOSIÇÕES (se eu...). "Se eu me mantiver nesta posição eu ficarei bem. Mas, se eu tentar mudar eu não conseguirei ficar bem." "Se eu cometo erros é porque sou má"

Se, por alguma circunstância, os pressupostos

(por exemplo, “devo sempre sacrificar-me pelo bem-estar dos outros)”

não estão sendo cumpridos, o individuo torna-se vulnerável ao transtorno emocional quando as crenças centrais negativas

(“sou um fracasso, incapaz de ser amado”)

São ativadas.

As crenças intermediárias pressupõe que, desde que determinadas regras,;, normas e atitudes sejam cumpridas

(por exemplo, "se eu fizer o que os outros esperam, então irão gostar de mim"),

não haverá problemas e o indivíduo se mantém relativamente estável e produtivo.

(Fernnel, 1997).

Crenças intermediárias

São mais maleáveis do que as crenças centrais.

Embora o individuo construa e mantenha os pressupostos e as regras como tentativa de lidar com a crença central disfuncional, ele as acaba confirmado e reforçado.

Determinam

“os estilos de enfretamento” ou “estratégias compensatórias”

(Judith Beck, 1995)

Comportamentos que a pessoa usa na tentativa de lidar com as crenças (esquemas).

Tem correlação direta com as regras e pressupostos difuncionais que acabam por reforçar ainda mais as crenças.

Os pressupostos condicionais modelam a relação entre as estratégias .comportamentais e as crenças nucleares. -

Estilos de enfretamento

Refere-se a como o pensar e agir acabam perpetuando as crenças nucleares, A literatura chama de capitular, render-se ao esquema.

Por exemplo, uma pessoa que pensa e se "sente" inferior aos outros sempre se coloca, literalmente ou na imaginação, atrás dos outros, porque tem a crença: "Eu não mereço nada melhor".

Manutenção do esquema

Manutenção do esquema

Evitação do esquema

Compensação do esquema

Estilos de Enfretamento

Refere-se às estratégias cognitivas, comportamentais e emocionais usadas para evitar o acionamento das crenças nucleares e dos sentidos dolorosos associados a elas.

Por exemplo, uma pessoa muito tímida fica retraída, não se comunica, fecha-se para o mundo, se pensa e se sente não desejável e acaba se deprimindo, ficando só em casa.. Como não faz nenhum movimento para enfrentar o problema, ao contrario, o evita, acaba perpetuando seu esquema de não ser desejável.

Evitação do Esquema

Refere-se a comportamento que as pessoas tem que parecem contradizer suas crenças nucleares.

Por exemplo, no caso anterior, o indivíduo que se vê como não desejado, engaja-se em uma intensa e frenética vida social e amorosa (sem) no entanto, aprofundar nenhuma das relações), tudo para compensar sua crença de não ser desejado.

De acordo com a literatura, os processos de compensação do esquema podem ser vistos como tentativas parcialmente bem-sucedidas de desafiar e superar os esquemas. Na medida em que usualmente envolvem uma falha em reconhecer a vulnerabilidade subjacente, deixam a pessoa despreparada quando a compensação falha e o esquema é acionado.

Compensação do Esquema

CETCC

ERROS OU DISTORÇÕES COGNITIVAS



Exemplo:

Indivíduo com Ansiedade Social

Sou incapaz de ser amado (CRENÇA CENTRAL)

É perigoso interagir com as pessoas, pois elas não vão gostar de mim. (ATITUDE}

Para não ter problemas, não devo interagir com as pessoas (REGRA.)

Se eu interagir com as pessoas elas não vão me aceitar como sou. Devo me afastar, caso contrário me machucarão. (SUPOSIÇÃO)

Não vou ter assunto para conversar na festa.

(PENSAMENTO AUTOMÁTICO)

ERROS COGNITIVOS

Processamento defeituoso da informação.

São vieses sistemáticos na forma como indivíduos interpretam suas experiências.

Se a situação é avaliada erroneamente, essas distorções podem levar o indivíduo a conclusões equivocadas.

Pensamentos distorcidos

Erros cognitivos = Pensamentos distorcidos

Deslizes de pensamento

Impedem que se faça urna avaliação exata das experiências

Impelem a se tornar o caminho menos adequado, tirar conclusões e supor o pior.

Desviam do caminho adequado ou induzem à distorção dos fatos.

As distorções cognitivas tem intersecções e sobreposições, por isso o paciente provavelmente irá apresentar, concomitantemente, mais de uma distorção numa mesma situação.

Por ex.: “Se eu chegar atrasado minha mulher vai se separar de mim. Ela não consegue me compreender”. (catastrofização e vitimização)

Flexibilidade Cognitiva

O objetivo da Terapia Cognitiva é corrigir as distorções do pensamento, ou seja, modificar os erros cognitivos, promovendo maior flexibilidade cognitiva construindo pensamentos alternativos mais funcionais, capazes de gerar uma melhora no estado de humor no paciente.

As distorções cognitivas tem intersecções e sobreposições, por isso o paciente provavelmente ira apresentar, concomitantemente, mais de uma distorção numa mesma situação.

Por ex.: "Se eu chegar atrasado minha mulher vai se separar de mim. Ela não consegue me compreender." (catastrofização e vitimização)

CATASTROFIZAÇÃO

Pensar que o pior de uma situação vai ocorrer, sem levar em consideração outros desfechos. Acreditar que esse acontecimento será terrível e insuportável. Eventos negativos que podem ocorrer são tratados como catástrofes intoleráveis, em vez de serem vistos em perspectiva.

"Perder emprego será o fim da minha carreira"

"Não suportarei a separação da minha mulher"

"Se eu perder o controle será o meu fim"

INFERÊNCIA ARBITRÁRIA

Conclusão a partir de evidências contraditórias ou na ausência de evidências.

Uma mulher com medo de elevador é solicitada a prever as chances de um elevador cair com ela dentro. Ela responde que as chances são de 30% ou mais de o elevador cair até o chão e ela não se machucar. Muitas pessoas tentaram convencê-la de que as chances de um acidente catastrófico com um elevador são desprezíveis.

ABSTRAÇÃO SELETIVA (filtro mental, filtro negativo ou visão em túnel)

Um aspecto de uma situação complexa é o foco da atenção, enquanto outros aspectos relevantes da situação são ignorados. Uma parte negativa de toda uma situação é realçada, enquanto todo o restante positivo não é percebido.

Um homem deprimido com baixa autoestima não recebe um cartão de boas-festas de um velho amigo.

Ele pensa: "Estou perdendo todos os meus amigos, ninguém se, importa mais comigo". Ele ignora as evidências de que recebeu cartões de vários outros amigos, que seu velho amigo tem lhe enviado cartões todos os anos nos últimos 15 anos, que.seu amigo esteve muito.ocupado no ano assado com uma mudança.e um novo emprego e que ele ainda tem bons relacionamentos com outros amigos.

SUPERGENERALIZAÇÃO

Conclusão sobre um acontecimento isolado é estendida de maneira ilógica a Outras áreas do funcionamento.

Um universitário deprimido tira nota B em uma prova. Ele considera insatisfatório e supergeneraliza com pensamentos automáticos:

"Estou com problemas nessa aula; estou ficando para trás em todas as áreas da minha vida; não consigo fazer nada direito".

MAXIMIZAÇÃO E MINIMIZAÇÃO

A importância de um atributo, evento ou sensação é exagerada,ou minimizada.

Uma mulher com transtorno.de pânico começa a sentir tonturas durante o início de um ataque de pânico. Ela pensa: "Vou desmaiar; posso ter um ataque cardíaco ou um derrame"„

"Eu tenho um ótimo emprego, mas todo mundo tem”.

"Obter notas boas não quer dizer que sou inteligente, os outros obtêm notas melhores do que as minhas.”

PENSAMENTO ABSOLUTISTA (dicotômico ou do tipo tudo-ou-nada)

Os julgamentos sobre si mesmo, as experiências pessoais ou com os outros são separados em duas categorias. (totalmente mau ou totalmente bom, fracasso total ou acesso, cheio de defeitos ou completamente perfeito)

Paulo, cada homem com depressão, compara--se com Roberto, um amigo que parece ter um bom casamento e cujos filhos estão indo bem na escola. Embora o amigo seja muito feliz em sua casa, sua vida está longe do ideal. Roberto tem problemas no trabalho, restrições financeiras e dores físicas, entre outras dificuldades.

Paulo está se envolvendo em pensamento absolutistas quando diz para si mesmo:

“Tudo vai bem para Roberto; para mim nada vai bem”.

PERSONALIZAÇÃO

Assumir responsabilidade excessiva ou culpa por eventos negativos, falhando em ver que outras pessoas e fatores também estão envolvidos nos acontecimentos.

O chefe estava nervoso e de cara feia. “Devo ter feito algo errado.”

Separando-se da esposa. “Não consegui manter meu casamento, ele acabou por minha causa.”

RACIOCÍNIO EMOCIONAL

Presumir que sentimentos são fatos. “Sinto, logo êxito”.

Pensar que algo é verdadeiro porque tem um sentimento (na verdade de um pensamento) muito forte a respeito.

Deixar os sentimentos guiarem a interpretação da realidade. Presumir que as reações emocionais refletem a situação verdadeira.

“Eu sinto que minha mulher não gosta mais de mim.”

“Sinto que meus colegas riem às minhas costas”.

“Sinto que estou tendo um enfarto, então deve ser verdadeiro.”

“Sinto-me desesperado, então a situação deve ser desesperadora.”

ADIVINHAÇÃO

Prever o futuro. Antecipar problemas que talvez não venham a ocorrer. Expectativas negativas estabelecidas como fatos.

“Não irei gostar da viagem.”

“Ela não aprovará meu trabalho.”

“Dará tudo errado.”

ROTULAÇÃO

Colocar um rótulo global, regido em si mesmo, numa pessoa ou situação, em vez de rotular a situação ou o comportamento específico.

“Sou incompetente.”

“Ele é uma pessoa má.”

“Ela é burra.”

LEITURA MENTAL

Presumir, sem evidências, que sabe o que os outros estão pensando, desconsiderando outras hipóteses possíveis.

“Ela não está gostando da minha conversa.."

"Ele está me achando importuna.”

"Ele não gostou do meu projeto.”

DESQUALIFICANDO O POSITIVO

Experiências positivas e qualidades que entram em conflito com a visão negativa são desvalorizadas porque "não contam" ou são triviais.

"O sucesso obtido naquela ta tarefa não importa, porque foi fácil."

"Isso é o que esposas devem, fazer, portanto, ela ser legal comigo não conta.”

"Eles só estão elogiando meu trabalho porque estão com pena."

IMPERATIVOS

"deveria" e "tenho que"

• interpretar eventos em termos de corno as coisas deveriam ser, em vez de simplesmente considerar as coisas como são. Afirmações absolutistas na tentativa de prover motivação ou modificar um comportamento. Demandas feitas a si mesmo, aos outros e ao mundo para evitar as consequências do não cumprimento dessas demandas.

"Eu tenho que ter controle sobre todas as coisas."

"Eu devo ser perfeito em tudo que faço."

"Eu não deveria ter ficado incomodado com meu amigo."

QUESTIONALIZAÇÃO

(E se?)


Focar o evento naquilo que poderia ter sido e não foi. Culpar-se pelas escolhas do passado e questionar-se por escolhas futuras.

“Se eu tivesse aceitado o outro emprego, estaria melhor agora.”

“E se o novo emprego não der certo?”

“Se eu não tivesse viajado, isso não teria acontecido.”

VITIMIZAÇÃO

Considerar-se injustiçado ou não entendido. A fonte dos sentimentos negativos é algo ou alguém, havendo recusa ou dificuldade de se responsabilizar pelos próprios sentimentos e comportamentos.

“Minha esposa não entende meus sentimentos.”

“Faço tudo pelos meus filhos e eles não me agradecem.”

BAIXA TOLERÂNCIA À FRUSTRAÇÃO

Supor que quando urna coisa parece difícil de ser tolerada, ela é intolerável.

• Significa aumentar o desconforto e não tolerar o desconforto temporário, quando é do seu interesse fazê-lo em prol de algo que você deseja.

Exemplos


Frequentemente você adia os trabalhos acadêmicos, pensando:

“Vai dar muito trabalho. Vou fazer quando estiver com vontade. “Você tende a fazer o trabalho quase no fim do prazo e isso se torna desconfortável demais para ser ainda mais adiado. Infelizmente, esperar até o último momento significa que você raramente se esforça tanto quanto poderia no seu curso/trabalho para atingir todo o seu potencial.

“Você quer superar sua ansiedade por viajar para longe de casa enfrentando diretamente o seu medo. E ainda assim, cada vez que você tenta viajar para longe de trem, você fica ansioso e pensa:

“Isso é horrível, eu não posso suportar”, e rapidamente retorna para casa, o que reforça seu medo mais do que o ajuda a vivenciar uma experiência menos ameaçadora.

Pensamentos Automáticos

São um fluxo de pensamentos que coexistem com um fluxo de pensamentos mais manifestos. Surgem

São, usualmente aceitos como verdadeiros, sem avaliação crítica.

Parecem surgir, espontaneamente, mas estão ligados ao nosso sistema de crenças centrais e subjacentes.

São quase sempre negativos, a menos que o paciente seja maníaco ou hipomaniaco, tenha um transtorno de personalidade narcisístico ou seja um dependente de drogas.

São usualmente breves e o paciente com frequência está mais ciente da emoção que se sente em decorrência do pensamento do que do pensamento em si.

CETCC

Pensamentos Automáticos Disfuncionais



CETCC

Pensamentos Automáticos

Influenciam o comportamento o que escolhemos ou não fazer e a qualidade do nosso desempenho.

Podem ocorrer em forma verbal ou como imagens.

Pensamentos e Crenças afetam respostas

São influenciados pelas crenças que se adquire na infância e no melo cultural.

Pensamentos Automáticos

Ajudam a definir os estados de humor que experimentamos

Os pensamentos ajudam a definir qual estado de humor experimentamos em determinada situação.

Por exemplo, pessoas com raiva pensam a respeito de como foram prejudicadas; pessoas deprimidas pensam sobre quão infelizes suas vidas se tornaram; e pessoas ansiosas veem perigo em toda parte."

(D.Greenberger e C. Padesky, em A Mente Vencendo o Humor, pg. 24, Artmed, 1999)

CETCC


PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS

Desencadeantes e Estimulantes

P. A.

É uma cognição alicerçada em auto-avaliações e auto-direcionamentos, fora do alcance consciente que opera automaticamente, de forma particular e produzida pelos esquemas,



(Aaron Beck)

Origem dos PAD

Uma gama de situações pode gerar pensamentos automáticos DISFUNCIONAIS

Sequência entre a geração da situação desencadeante e o comportamento final

(Pensamento quente)

Situações desencadeantes

Pequenos acontecimentos

Pensamentos estressantes

Lembranças

Imagens


Emoções

Comportamentos

Sensações físicas

Sensações mentais

2a. situação

O paciente refletiu sobre esses pensamentos e leve uma outra série de pensamentos

“Eu não devia pensar mal da minha mãe. Ela é idosa e sozinha

(Culpa)


1ª Situação

O paciente estava se sentindo bem, quando estava falando com a mãe ao telefone, percebeu que ela o estava criticando por não telefonar sempre para ela.

"Por que ela sempre reclama que eu não falo o suficiente com ela? Ela não sabe que eu tenho a minha vida?"

(Irritado)

3ª situação

Ao se sentir culpado, ele pensou:

"Eu sou um homem. Como a minha mãe ainda me afeta tanto? Realmente há alguma coisa errada comigo."

(Tristeza)

4a. situação

Ao se sentir triste, sentou no sofá, ficou encolhido, refletindo sobre seu comportamento.

"Eu não devia estar sentado aqui. Qual o problema comigo?"

(Raiva)


Reações do paciente

Emocional

Comportamental

Física


É importante descobrir se a natureza dessas reações perturba o paciente. Normalmente eles se sentem perturbados com suas emoções negativas

(Mudança de humor)

Situações estimulantes

Pensamentos, automáticos tornam-se situações ESTIMULANTES quando os pacientes os avaliam, tomam conhecimento deles e

Tem pensamentos automáticos adicionais

Reação emocional

O paciente estava na farmácia e pensou: "Por que este remédio não me ajuda?" (Ansioso)

Percebeu a ansiedade e pensou:

"Nunca vou sarar".

(Desanimado)

Reação comportamental

A paciente viu um prato de biscoitos e pensou: "Não tem problema se eu pegar apenas um” pegou o biscoito e comeu).

Quando terminou de comer percebeu o que tinha feito e pensou:

"Oh! Eu não devia ter comido. Realmente quebrei minha dieta hoje. Talvez eu possa comer mais um e recomeçar minha dieta amanhã".

Situações e reações

"Na verdade, pode ser mais importante trabalhar a avaliação do paciente quanto às suas reações do que a situação desencante".

Judith Beck

Em TERAPIA COGNITIVA PARA DESAFIOS CLÍNICOS, O que fazer quando o básico não funciona, página 47, Artmed

Reação física

O paciente estava dirigindo quando passou pela sua cabeça as imagens de um acidente, sentiu-se

Pensou

“Isso pode acontecer comigo”.



Uso de substâncias

Situações desencadeantes e estimulantes

Situação 1– Em casa

PA – "Estou sem dinheiro, quebrado, Eu nunca sairei desse buraco".

Emoção: Tristeza, desânimo

Situações desencadeantes e

estimulantes

Situação 2

- Percebe o sentimento de tristeza

PA – "Eu odeio este sentimento. Se eu pudesse cheirar só uma carreira (usar cocaína)"

Emoção: Ansiedade

PA – Lembrança do sentimento maravilhoso da primeira vez em que usou cocaína

Emoção: Excitação

Reação física: Fissura

Uso de substâncias

Situações desencadeantes e estimulantes

Situação - 3 – Reconhece o desconforto da fissura

PA – "Preciso conseguir um pouco (de cocaína). Não vai me fazer mal desta vez"

Emoção: Alívio Comportamento: Evita pensamentos que possam detê-lo, consegue a cocaína e a consome.

Uso de substância

Situações desencadeantes e estimulantes

Situação 4 - Mais; tarde percebe o que faz

PA – "Nau acredito que eu fiz isso. Sou um fraco. I nunca vou me livrar disto (dependência)!.

REFORÇO DA CRENÇA DE SER UM FRACASSO E SEM CONTROLE.

CETCC

Conclusão



Os pacientes tendem a pensar e agir de modo rígido.

É essencial reavaliar continuamente a conceituação cognitiva para entender por que os pacientes reagem desta ou daquela forma em situações atuais e para selecionar os problemas mas importantes, cognições e comportamentos a serem trabalhados.

CETCC

Exercício



Lembre de uma situação em que você sentiu algo desagradável e o que passou por sua cabeça naquele momento.

Identifique o pensamento automático disfuncional, que erro cognitivo ele apresenta.

CEETCC

Conceitualização (Conceituação)



Cognitiva

E essencial para o terapeuta aprender a conceituar as dificuldade do paciente em termos cognitivos, a fim de determinar como proceder na terapia:

quando trabalhar sobre uma meta especifica

pensamento automático

crença técnica escolher e

como melhorar o relacionamento terapêutico.

As perguntas básicas que o terapeuta faz a si mesmo são:

Como esse paciente veio parar aqui?

Que vulnerabilidades e eventos de vida (traumas, experiências, interações) foram importantes?

Conto o paciente enfrentou suo vulnerabilidade?

Quais são seus pensamentos auto, que crenças eles brotaram?

É importante para o terapeuta colocar-se no lugar do paciente para desenvolver empatia pelo que o paciente está passando, entender como ele está se sentindo e perceber o mundo através dos seus olhos.

Dessa maneira, de acordo com a sua história e conjunto de crença, sua percepções, pensamentos, emoções e comportamentos deveriam fazer sentido.

Uma conceituação cognitiva fornece a estrutura pelo entendimento de um paciente pelo terapeuta, quando os mesmo as seguintes perguntas:

Qual é o diagnóstico do paciente:

Quais são seus problemas atuais, como esses problemas se desenvolveram e como eles são mantidos?

Que pensamentos e crenças disfuncionais estão associados aos problemas?

Quais reações (emocionais,fisiológicas e comportamentais) estão associa das ao seu pensamento?

Que mecanismos cognitivos, efetivos e comportamentais, positivos e negativos, ele desenvolveu para enfrentar suas crenças disfuncionais?

Como ele via (e vê) a si mesmo, aos outros, seu mundo pessoal, seu futuro?

Que estressores contribuíram para seus problemas psicológicos ou interferiram em sua habilidade para resolver esses problemas?

Dessa maneira o terapeuta começa a construir uma conceituação cognitiva durante seu primeiro contato com um paciente e continua a refinar sua conceituação até a última sessão.

História de Vida

Mãe excessivamente atenciosa com os filhos e marido, e ativa no contexto familiar, Pai passivo; necessidade da família em situações diárias; Medo de não ser aceita; Muito estudiosa; Poucas amigas.

Dados Relevantes na Infância e Adolescência

Gagueira desde os 11 anos; Baixa Auto-estima; Solicitação de amigas para quase todas as atividades.

Crenças Centrais

Eu sou incapaz; Não consigo fazer nada sozinha; Não sou amada.

Estratégias compensatórias

Solicitar mãe e namorado para reassegurar que gostam dela; Fazer tudo que as pessoas pedem; Exigência acerca do desempenho em todas atividades diárias; Esquivar-se em situações sociais e de desempenho; Solicitar às pessoas significativas para o enfrentamento de dificuldades.

Situação 1

Solicitar pessoas significativas para todas atividades diárias;

Pensamento automático (P.A.): Sou incapaz porque não consigo resolver meus problemas.

Significado do P.A.: sou chata e incompetente.

Emoção: solidão / Tristeza.

Comportamento: Brigas com namorado e amigas.

Situação 2

Telefonar para mãe e o namorado várias vezes ao dia.

Pensamento Automático: Eles podem me esquecer; preciso saber se eles realmente gostam de mim.

Significado do P.A.

Emoção, Ansiedade / tristeza

Comportamento: pede ajuda para solucionar problemas e assegurar que é amada.

Situação 3

Não conseguir falar em público

Pensamento Automático: vão rir de mim;

Significado do P.A.: Emoção, ansiedade / desvalia

Comportamento: esquiva de falar em seminários na faculdade e de situações sociais.

Conceitualjzação Cognitiva Análise Vertical

Pensamentos Automáticos e Distorções Cognitivas típicas

Crenças Centrais, Crenças Subjacentes e Estilos de Enfrentamento

Tríade Cognitiva (Visão de si, dos outros, do mundo e do futuro)

Organização da Personalidade (autônoma X Sociotrópica)

Metas e expectativas de vida

Traço de Personalidade

Sociotrópica VS.. Autonômica

Sociotrópica Voltado ao social – Autônoma Voltado a si

Ideal: Equilibrar-se entre os dois extremos Desenvolver as duas áreas

Conceitualização Cognitiva

Análise Longitudinal

Fatos relevantes de desenvolvimento e ou impedimentos psicológicos ou físicos que predispuseram a problemas

Autoconceito e autoestima

Conceito sobre os outros significativos

Estilos de Enfrentamento e Estratégias Compensatórias

Formulação da Hipótese de Vulnerabilidade Cognitiva

Interação entre eventos de vida e vulnerabilidade cognitiva (temas frequentes e episódios passados)

Distúrbio atual:- Problemas internos que mantém o estado disfuncional

- Problemas externos que mantém o estado disfuncional

- Problemas causados pelo distúrbio

- Problemas residuais após a solução do distúrbio atual

Objetivos da TCC

Flexibilidade Cognitiva:

Modificando primeiramente os erros cognitivos

Modulando as emoções

Procurando interpretações mais adaptativas

Reestruturação Cognitiva:

Aprofundando a terapia em busca de tornar o sistema de esquemas e crenças mais funcional

Resolução de Problemas: Pragmatismo

Exercício

Conceitualização do Caso Florinda

CETCC


CETCC

IDENTIFICANDO PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS

Profa. Lina Sue Matsumoto

Psicóloga e Psicoterapeuta.

Professora de TCC, Psicotera pia Cognitiva Narrativa e Psicologia Positiva no CETCC (2011-2012).

Aprimorada em Transtornos Alimentares (IPg-HC-FMUSP) e Psicóloga colaboradora AMBULIM (2008-2010).

Professora de Psicologia Cognitiva e Construtivismo, PPB, Teste de Rorschach - Universidade Paulista - UNIP (2009-2010).

E-mail: lina..sug@batinaLcom. Celu lar (11) 8660.1234

RECONHECIMENTO DAS MUDANÇAS DE HUMOR

VÍDEO 6: UMA MUDANÇA DE HUMOR

" A emoção é a estrada real para a cognição" (Beck, 1989)

Padrões de pensamentos ligados à expressão emocional intensa, carregada - oportunidades ricas para trazer à tona alguns PA ESQUEMAS importantes a serem trabalhados em terapia.

Além disso há um impacto significativo na memória. A carga emocional propicia maior lembrança dos eventos a serem trabalhados.

PENSAMENTO AUTOMÁTWO (PA)

Base do tratamento na TCC

Promove a flexibilidade Cognitiva

Fases sobrepostas:

1) Identificação Pensamentos Automáticos Negativos (PAN)

2) Modificação Pensamentos Automáticos Negativos (PAN)

Métodos para identificar o PAN:

Reconhecimento das mudanças de humor

Psicoeducação

Descoberta Guiada

Registro de Pensamentos

Exercícios de Imagem Mental

Exercício de “Role Play”

IMPORTANTE IDENTIFICAR OS ESTADOS DE HUMOR

As emoções = importância primária = TC.

Meta importante TC – alívio de sintomas (redução no nível de aflição = quando ele modifica PA disfuncional).

A emoção negativa intensa é dolorosa -3 disfuncional quando interfere na capacidade do paciente de pensar claramente, resolver problemas, agir efetivamente ou obter satisfação.

Os pacientes com um transtorno psicológico, frequentemente experimentam uma intensidade de emoção que é excessiva ou inapropriada à situação.

Podem sentir-se cansados (não reconhecer depressão) ou sentirem-se nervosos (não reconhecerem ansiedade).

Também a raiva, a vergonha e a culpa são estados de humor problemáticos comuns a muitas pessoas.

PSICOEDUCAÇÃO

Vídeo 4 e 5

Ensinar ao paciente, se possível com exemplos próprios, a origem dos PAN.

Explicar como o pensamento influencia a emoção e o comportamento

DESCOBERTA GUIADA

Vá fundo e questione

“Quais outros pensamentos você teve na situação?”

“Vamos tentar nos manter nisso um pouco mais?”

“Você se lembra de mais algum pensamento que pudesse estar passando por sua cabeça?”

Conte com a formulação de caso para saber que caminho tomar.

Pode dirigir o questionamento mesmo no início.

O conhecimento dos diagnósticos diferenciais ajudam na formulação de perguntas para dirigir os pacientes aos seus focos problemáticos.

VÍDEO 7 – DESCOBERTA GUIADA

DESCOBERTA GUIADA

Utilize suas habilidades de empatia.

Coloque-se no lugar do paciente e pense comi ele pode estar pensando.

Essa prática leva a uma maior competência do terapeuta.

Faça questionarnentos que estimulem a EMOÇÃO = Elas balizam seu caminho.

Seja específico = Situações específicas (discussão de tópicos gerais leva a relato de cognições difusas).

Focalize em eventos recentes.

Mantenha-se em uma linha de questionamento e u único tópico.

REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS (RPD)

No papel ou no computador

Dá início ao empenho espontâneo de rever ou corrigir cognições desadaptativas

Pode ser um trampolim para intervenções mais específicas do terapeuta para modificar PANs

'Apresentado na fase inicial d tratamento de modo simples

No início, usar apenas duas 'U três colunas, primeiro na sessão e depois como tarefa de casa

Situação: Meu marido resolveu jogar baralho com os amigos na sexta-feira à noite ao invés de ficar comigo

– Pensamentos Automáticos: “Sou uma chata. Não é de estranhar que ele queira passar tanto tempo com os amigos. Não sei ainda como não me deixou."

- Emoções: Tristeza, solidão

Situação: É segunda-feira de manhã e não tenho nada pra fazer e nem pra onde ir.

Pensamentos Automáticos: “Queria gritar. Não suporto minha vida. Fui uma burra ao ter que me aposentar.

Emoções: Tristeza, tensão, raiva

Situação: Uma senhora na igreja disse que eu tinha sorte de ter me aposentado e não ter que lidar mais com os alunos.

Pensamentos Automáticos: “Se ela soubesse como estou infeliz... Não tenho amigos. Minha família não liga pra o que eu estou sentido. Sou uma porcaria.”

Emoções: Raiva, tristeza

COMO AJUDAR OS PACIENTES NESTA TÊCNICA

Explique - Use um tom de voz incentivador e que mostre acolhimento, demonstrando a utilidade e segurança do método.

Peça que tente lembrar o que se passava em sua cabeça antes do incidente:

0 que o levou pra essa situação?"

O que se passava em sua mente enquanto estava na situação?",

Como estava se sentindo antes da interação começar?"

Faça perguntas do tipo: "Quem estava lá?" "Como era o lugar?"

Como a outra pessoa apareceu?'

"Você se lembra de algum som ou cheiro naquele momento?"

“O que você estava vestindo ?"

“ O que mais você consegue lembrar da cena antes que tenha sido dito qualquer coisa?”

Conforme a cena for sendo descrita, utilize perguntas estimulantes que intensifiquem a imagem e ajudem o paciente a ir mais fundo e lembrar os pensamentos automáticos.

IMAGENS MENTAIS

Utilizada quando o paciente tem dificuldade de identificar pensamentos automáticos.

Utilização de perguntas que estimulem imagens vividas de uma situação ocorrida.

Necessita de preparação para ser eficaz.

ROLE PLAY"

(DRAMATIZAÇÃ0)

»O terapeuta encena o papel de uma figura significativa do paciente e dramatiza uma cena = que está relacionada com a causa problema.

Num segundo momento eles trocam de papel.

0 objetivo é trazer à tona PANs„

«ROLE PLAY"

DRAMATIZAÇÃO

IMPLICAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO ROLE PLAY NA RELAÇÃO TERAPÊUTICA

Como o "role-play", nesta situação específica, com essa firma importante da vida do paciente, afetaria a relação terapêutica?

O teste de realidade do paciente é forte o suficiente para ver essa experiência como uma dramatização e retornar ao trabalho depois do "role-play"?

Esse “role-play" tocaria em questões relacionais de longo tempo ou seria focado em um evento mais restrito?

LISTA DE PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS

MARQUE UM X AO LADO DE CADA PENSAMENTO AUTOMÁTICO NEGATIVO QUE VOCÊ TENHA TIDO NAS 2 ÚLTIMAS SEMANAS (WRIGHT, 2008)

Eu deveria estar me dando melhor na vida.

Ele/ela não me entende.

Eu o/a decepcionei

Eu simplesmente não consigo achar mais graça em nada.

Por que sou tão fraco(a)?

Eu sempre estrago as coisas.

Minha vida está sem rumo.

Não consigo lidar com isso.

Estou fracassando.

Isto é demais para mim.

Não tenho muito futuro.

As coisas estão fora de controle.

Estou a fim de desistir.

Com certeza, alguma coisa ruim vai acontecer.

Alguma coisa deve estar errada comigo.

INVENTÁRIO PARA PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS

BDI – Escala de Depressão (Beck Depression Inventory) (Mede a intensidade da depressão)

BAI – Escala de Ansiedade (Beck Anxiety Inventory) (Mede a intensidade da ansiedade)

BHS – Escala de Desesperança (Beck Hopelessness Scale) (Medida de pessimismo – indícios sugestivos risco de suicídio)

BSI – Escola de Ideação Suicida (Beck´s Suicida! Ideation Scale) (Detecta a presença de ideação suicida – mede extensão da motivação e planejamento)

EXERCÍCIO PRÁTICO

Escolha um colega para fazer o papel de paciente e você terapeuta.

Utilize a mudança de humor para identificar um pensamento automático disfuncional (PAN)

Agora troque de papel:, seu colega vira terapeuta e você paciente.

BIBLIOGRAFIA

TERAPIA COGNITIVA – TEORIA E PRÁTICA. Judith Beck – ARTMED

APRENDENDO A TERAPIA COGNITIVO – COMPORTAMENTAL – UM Guia ilustrado. Jesse H. Wriht et al. ARTMRD

A MENTE VENCENDO O HUMOR. Christine Padesky et al ARTMED

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL NA PRÁTICA – Dona M. Sudak. ARTMED

CETCC


Namastê!

Profa. Lina Sue –lina.sue@hotmall.com – celular (11) 8660-1234

Modificando Pensamentos Automáticos

Eliana Melcher Martins

Doutorada em Ciências pelo Depto. De Psiquiatria da UNIFESP Mestre em Ciências pelo Depto de Psicobiologia da UNIFESP Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP Psicóloga Clinica Cognitivo-Comportamental

Questionamento Socrático Características –Chave

FAÇA PERGUNTAS

que revelem oportunidades de mudança.

O quanto pensamento influencia emoções e comportamentos.

que Tragam resultados

que envolvam o paciente no processo de aprendizagem.

Modificação dos Pensamentos Automáticos

Questionamento Socrático

Uso do RPD

Geração de Alternativas Racionais

Identificação de Erros Cognitivos

Exame das Evidências

Descatastrofização

Reatribuição

Ensaio Cognitivo

Cartões de Enfrentamento

Características -chave

Elabore perguntas de forma que sejam produtivas para o paciente.

Evite fazer perguntas de comando

Use perguntas de múltipla escolha

O RPD incentiva o paciente a:



  1. Reconhecer seus pensamentos automáticos

  2. Identificação de Erros Cognitivos, Examinar as evidências, gerar alternativas racionais

  3. Observar resultados positivos em seus esforços para modificar seus pensamentos

Registro de Pensamentos Disfuncionais (RPD)

Situação: Preparando-se para ir uma festa – Pensamento Automático: Não vou saber o que dizer – 90% - Emoção Ansioso 80% - Tenso 70% - Reposta Racional: Maximizando – Leio muito ouço as noticias no rádio . Tenho praticado como bater papo. Tenho algo a dizer. Só preciso começar a falar (90%) – Resultado: Ansioso 40%. Fui à festa e fiquei lá por mais de 1 hora. Eu estava nervoso, mas me sai bem

Situação: 1-Evento que levou à emoção desagradável – 2-Fluxo de Pensamentos – 3-Sensações fisiológicas.

Pensamentos Automáticos: Escreva os pensamentos – Automáticos que precederam as Emoções – Grau de crença no PA 0 a 100%

Emoção: especifique – triste, ansioso, Com Raiva – Grau de emoção de 0 a 100%

Resposta racional: Identifique os erros cognitivos – escreva a respeito a resposta racional ao PA. – grau de crença na resposta racional, de 0 a 100%

Resultado: especifique o grau das emoções e PA. Subseqüentes de 0 a 100% - Descreva as mudanças no comportamento.

Exercício: Utilizando o RPD

Identifique um episódio de sua vida que causou ansiedade, tristeza, raiva ou alguma outra emoção desagradável

Preencha o RPD, identificando pensamentos automáticos, emoções, pensamentos racionais e o resultado do uso do RPD

Exercício: Utilizando o RPD

Apresente ao seu paciente esse exercício em uma sessão de terapia.

Peça a ele para preencher um RPD como tarefa de casa e depois revise em sessão posterior

Se o paciente tiver problemas para implementar o RPD ou não estiver fazendo muito progresso, busque soluções para essas dificuldades

Geração de Alternativa Racionais

de Pensamento Positivo, tentando mascarar o problema, ignorando possíveis dificuldades pessoais ou minimizando riscos genuínos

Enxergar circunstâncias da forma mais racional possível e trabalhar maneiras mais adaptativas de lidar com os problemas

Desenvolvimento de Pensamentos Lógicos

1. Abra sua mente para as possibilidades: cientista ou detetive (evitando a precipitação, buscando evidências)

2. Pense como pensava antes de estar deprimido ou ansioso. Em algum momento da vida obteve sucesso

Desenvolvimento de Pensamentos Lógicos

3. Faça e explique um bminstorm.

Considerar uma lista de todas as idéias possíveis, factíveis ou não e depois ver quais podem ser mais lógicas

4. Aprenda com os outros

Vídeo 9 — Gerando alternativas racionais

Exercício:

Questionamento Socrático e Geração de Alternativas Racionais

Faça um




Compartilhe com seus amigos:
  1   2


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal