Sono e Sonhos



Baixar 80.5 Kb.
Encontro05.07.2018
Tamanho80.5 Kb.




Sono e Sonhos

O sono é um estado reversível e transitório, ele é alternado com o estado de vigília, o qual ocorre quando o indivíduo está acordado ou quando desperta durante o sono. Quanto a sua classificação, o sono pode ser considerado sono não REM e sono REM, os quais se alternam durante a noite.

O sono não REM é um sono mais leve, em seu primeiro estágio é considerado até mesmo como um semi-sono, devido a capacidade do individuo se lembrar de fatos que aconteceram no ambiente, caso tenha sido desperto. No seu estágio quatro, o despertar pode demorar cerca de 20 minutos.

O sono REM é o sono mais profundo, é nele que ocorrem predominantemente os sonhos e o movimento rápido dos olhos. Demora de 65 a 120 minutos para aparecer, após o adormecimento.

Os sonhos podem causar sensações como medo, alegria, entre outras. Isso ocorre por causa das descargas que atingem diversas áreas cerebrais, não tendo relação nenhuma com o conteúdo emocional.

Freud antes de se aprofundar na sua teoria da psicanálise, percebeu que estímulos sensoriais e externos são capazes de alterar o conteúdo dos sonhos, e utilizava o método científico-experimental para investigar essas influências.

Os sonhos também exercem uma função adaptativa. Os chamados sonhos moduladores reforçam ou inibem uma estratégia que foi formulada no estado de vigília. Os sonhos classificados como formuladores de estratégia possibilitam que o individuo crie estratégias cognitivas e assim sejam capazes de lidar com novas experiências, para as quais anteriormente não tinham preparo.

Embora pouco utilizados, os sonhos também podem ser muito importantes no tratamento de dependentes químicos, pois são um instrumento terapêutico que pode ajudar os dependentes e seus terapeutas na luta conta a abstinência.

Pesquisadores como Kalra, Natu, Deswal e Agarwal ao realizarem pesquisas com dependentes químicos que estavam fazendo uso de diversos psicofármacos, constataram que o sonho desses indivíduos possuíam conteúdos mais aterrorizantes e que eles se recordavam menos de seus sonhos.

Ao pesquisar o sonho de dependentes de heroína, o pesquisador Colace constatou que no inicio da abstinência, os pacientes sonhavam com o uso da heroína e sentiam ansiedade e culpa o que fazia com que eles despertassem. Esse tipo de sonho se mostrou mais comum no inicio da abstinência, quando a privação causa maiores sintomas físicos e psicológicos.

Já nos alcoólatras o pesquisador Choi chegou à conclusão de que aqueles que sonham estar bebendo álcool na fase de privação conseguem se manter abstinentes e se tornam menos ansiosos, já que realizaram o seu desejo, mesmo que de forma parcial.

Porém outros pesquisadores ao estudarem casos de pacientes envolvidos com múltiplas drogas, relataram o contrário. Segundo eles, sonhar com a substancia química é desfavorável a abstinência.

Apesar das diferentes opiniões e resultados de pesquisa, sabe- se que o acompanhamento dos sonhos dos dependentes químicos é uma importante ferramenta para que seja possível preparar a prevenção à recaída. No entanto, é preciso que haja mais pesquisas no ramo, para aprofundar a sua eficácia.

No aspecto comportamental a análise dos sonhos também é indispensável. Diversos pesquisadores, psiquiatras e psicólogos formularam suas teorias sobre o sonho. Para Delitti, eles servem como chave para o acesso da história do paciente, sendo possível relacionar o conteúdo dos sonhos com as áreas de sua vida.

Guillardi defende que sonhar é uma forma de comportar-se, portanto a interpretação dos sonhos está relacionada ao comportamento do individuo. Já Skinner defendia que na falta de estímulos externos, o ato de sonhar é uma resposta perceptual.

Na terapia, Delitti afirma que os terapeutas podem ou não reforçarem os relatos dos sonhos, mas não deve ser descartado em hipótese alguma, é preciso ser compreendido em conjunto com os outros comportamentos, assim como os verbais.

Todas essas e outras teorias sobre os sonhos tiveram sua origem depois que surgiu a Psicanálise, Freud foi o pioneiro em desvendar o conteúdo dos sonhos, ao publicar sua obra ‘’ A análise dos sonhos’’ (1900).

O sonhar sempre causou intensa curiosidade na humanidade. Na visão de Freud, todo sonho tem um significado oculto da realização dos desejos. Os desejos reprimidos na vida de vigília muitas vezes estão relacionados com os nossos desejos mais primitivos vetados pela nossa moral.

Interpretar um sonho significa conferir lhe um sentido, ajusta-lo a cadeia de nossas faculdades mentais.

A memória do sonho trata-se de um material vivido, reproduzido e recordado. Antes da Psicanálise, na antiguidade os sonhos eram vistos como revelações por parte de Deuses e demônios, e uma previsão do futuro.

Para interpretar os sonhos, segundo Freud, é preciso fazer uma ligação de cada elemento que aparece, visto que em geral se espera esclarecimentos importantes. Ocorrem nos sonhos as fugas patológicas, que conduzem o indivíduo a uma necessidade imperiosa e insaciável de movimentos, gritos, falas e fugas. É necessário que este sujeito engane a si mesmo, simulando através da imaginação viagens que nunca fez.

Freud ao equacionar as divisões do inconsciente define o superego como responsável pela repressão dos impulsos. O desejo reprimido vem à tona nos sonhos, e segundo a psicanálise, todo sonho é a realização de um desejo, mesmo os pesadelos e sonhos agoniantes. Freud defende que o que se consegue lembrar-se do sonho é o conteúdo manifesto, o desejo que nele está manifestado se encontra no conteúdo latente, o qual não tem se acesso.

Portanto, para interpretar realmente um sonho é preciso anotar, da forma mais clara possível o que foi sonhado, separar partes e assim fazer uma interpretação para se chegar realmente ao significado latente dos sonhos, que tanto despertam a curiosidade humana.

Autor 1


Daniella Dantas Calixto

Susi Pereira




Centro de Ensino Superior de Catalão - CESUC


Baixar 80.5 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
Conselho nacional
minas gerais
terapia intensiva
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
Colégio estadual
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
extensão universitária
língua portuguesa