Sempre que um novo veículo de comunicação surge, automaticamente os profissionais que lidam com esta área precisam aprender como o utilizar



Baixar 27,57 Kb.
Página3/5
Encontro11.10.2018
Tamanho27,57 Kb.
1   2   3   4   5
A INFLUÊNCIA DO PASSADO

Toda experiência visual é inserida num contexto de espaço e tempo. Da mesma maneira que a aparência dos objetos sofre influência dos objetos vizinhos no espaço, assim também recebe influência do que viu antes.

No entanto, a interação entre a configuração do objeto presente e das coisas vistas no passado não é automática e ubíqua, mas dependente do fato de uma relação ser ou não percebida entre elas.

PERCEPÇÃO VISUAL

O fato de percebermos os quatro pontos como um quadrado agora, deve-se ao fato que já havermos visto muitos quadrados no passado.

Um experimento familiar aos estudantes de psicologia, mostra que a percepção e reprodução de formas ambíguas estão sujeitas à influência da instrução verbal. Os traços de objetos familiares retidos na memória podem influenciar a forma que percebemos, e que elas podem fazê-la parecer-nos de maneiras completamente diferentes se sua estrutura permitir. A maioria dos padrões de estímulos são de certo modo ambíguos.

Outros experimentos mostram que, mesmo que se apresente uma dada figura centenas de vezes aos observadores, ela pode, não obstante, continuar invisível quando apresentada em seu novo contexto. Em alguns casos consegue-se a camuflagem pondo fora de ação antigas conexões e introduzindo novas, transformando ângulos em cruzamentos, e manipulando correspondências, eixos estruturais e simetrias. Mesmo uma dose excessiva de experiência passada não pode contrabalançar tais artifícios. O que importa é saber quais são as estruturas favorecidas pela configuração dada.

O sentido normal da visão, na maioria das vezes, capta a forma imediatamente. Ele apreende um padrão global. Mas como se determina esse padrão? No encontro do estímulo projetado nas retidas e o sistema nervoso que processa essa projeção, o que conduz à forma que aparece na consciência?

Quando se olha para um simples contorno de figura, parece não haver problema, não há quase escolha. E por que a tendência a ver os quatro pontos como um quadrado semelhante à Figura a, mas dificilmente como um quadrado inclinado (b) ou um rosto de perfil (c), mesmo que as últimas formas também contenham os quatro pontos?

Os fenômenos deste tipo encontram sua explicação naquilo que os psicólogos da Gestalt descrevem como a lei básica da percepção visual: Qualquer padrão de estímulo tende a ser visto de tal modo que a estrutura resultante é tão simples quanto as condições dadas permitem.




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal