Saiu na Imprensa



Baixar 24,25 Kb.
Página1/5
Encontro12.06.2018
Tamanho24,25 Kb.
  1   2   3   4   5

Entrevista

Acessibilidade Estética” Para Deficientes Visuais



Virgínia Kastrup é doutora em Psicologia pela PUC-SP e professora-associada do Instituto de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Pesquisadora na área da deficiência visual, com vários artigos e livros publicados, concede entrevista para a revista Benjamin Constant sobre suas recentes investigações e projetos desenvolvidos que aproveitam a parceria com o Instituto Benjamin Constant.



Contato: virginia.kastrup@gmail.com
BC – Como você relaciona estética e cegueira?

Kastrup – Em termos de pesquisa, a articulação entre arte e cegueira possui, a meu ver, duas abordagens. A primeira consiste na investigação da representação do cego na literatura, na pintura e outras formas de expressão artística. A pesquisa da Zina Weygand é muito importante nessa área. Ela mostra como, desde a Idade Média, as fábulas e o teatro profano trazem a figura do cego bufão, desajeitado e grosseiro, bem como do cego mendigo, geralmente acompanhado de um guia. Também é muito comum a figura do falso cego, que explora a caridade das pessoas. Tais personagens podem inspirar o riso, o terror, a repugnância ou a compaixão. Muitas vezes, a ausência de visão simboliza o obscurecimento da inteligência e mesmo uma cegueira moral. De modo geral, a cegueira vem associada a uma condição degradante. Outras vezes, o cego é apresentado como uma pessoa dotada de uma vidência especial e de uma capacidade mística. Há incontáveis aplicações metafóricas do termo cegueira no domínio do conhecimento e no domínio moral, significando confusão do juízo, privação da reflexão, do discernimento e da razão. São em sua maioria representações negativas, com ênfase na deficiência. Eu procuro seguir a outra abordagem. Penso que a arte pode abrir caminhos e perspectivas inusitadas para pessoas com deficiência visual, tanto aquelas cegas quanto as com baixa visão. Isso vale tanto para as que já nasceram cegas quanto para as que vieram a perder a visão precoce ou tardiamente. A experiência da perda da visão pode assumir a extensão de uma experiência de perda generalizada, ou seja, o sentimento de que tudo foi perdido: a alegria, o trabalho, mas também a dignidade e a autonomia, enfim, o lugar no mundo. Mais do que perda da identidade, experimenta-se, muitas vezes, a perda do mundo ao seu redor, pois a interrupção de rotinas leva consigo uma rede de relações e, enfim, grande parte das conexões com o mundo. As pessoas sentem-se muitas vezes solitárias e atingem um grau de extrema vulnerabilidade.
BC – Na segunda abordagem, os sujeitos da pesquisa são os produtores e apreciadores da arte, e não personagens. Qual a importância das experiências artísticas em grupos de convivência e em oficinas para o deficiente visual e desses mesmos espaços para a observação do pesquisador?

Kastrup – Nesse contexto, as oficinas de práticas artísticas são muito potentes. Sua função por vezes é apresentada como sendo a de ocupação do tempo e de saída da ociosidade; outras vezes é a capacitação profissional que ganha destaque. Embora essas funções existam, elas não tocam o ponto essencial. Em meu entendimento, o que caracteriza em primeiro lugar a oficina é que ela é um espaço de aprendizagem inventiva. As oficinas são espaços de fazer junto. Trabalha-se em grupo em um processo de criação coletiva. O processo de aprendizagem inventiva se faz por meio do uso da arte, que envolve o trabalho com materiais flexíveis, que se prestam à transformação e à criação. Na pesquisa que realizamos aqui no Instituto Benjamin Constant (IBC), na oficina de cerâmica coordenada pela Clara Fonseca, fomos capazes de acompanhar um trabalho maravilhoso, muito potente nessa direção. Há efeitos notáveis de produção de subjetividade, ao mesmo tempo em que ocorre a produção das peças de cerâmica. Nesse caso, o processo de criação é, ao mesmo tempo, um processo de autocriação. O encontro com o barro é também ocasião para o encontro consigo mesmo. É nesse sentido que afirmamos que a prática com a cerâmica virtualiza a subjetividade, produzindo novas atualizações. Há também outras oficinas que vêm produzindo efeitos muito interessantes, como as de corpo, movimento e expressão, desenvolvidas pela Laura Pozzana, doutoranda da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), e a coordenada pela Marcia Moraes, da UFF (Universidade Federal Fluminense), ambas aqui no IBC.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
terapia intensiva
Conselho nacional
Curriculum vitae
oficial prefeitura
ensino médio
minas gerais
Boletim oficial
Concurso público
educaçÃo infantil
Universidade estadual
seletivo simplificado
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
Conselho regional
assistência social
ciências humanas
Atividade estruturada
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
Dispõe sobre
outras providências
recursos humanos
secretaria municipal
Conselho municipal
psicologia programa
Colégio estadual
consentimento livre
ResoluçÃo consepe
Relatório técnico
Corte interamericana
público federal
ministério público