Rio Grande/RS, Brasil, 23 a 25 de outubro de 2013



Baixar 31,2 Kb.
Encontro10.08.2018
Tamanho31,2 Kb.




.

Rio Grande/RS, Brasil, 23 a 25 de outubro de 2013.



Minha primeira vez no hospital: A visão dos estudantes do primeiro ano do curso de medicina da FURG participantes do projeto Recrutas da Alegria

SOUZA, Jean Paulo Veronese de Souza1;

FLOSS, Mayara;

SOUZA, Pamela Almeida;

SILVA, Angélica Freires da

SENE, Maria Emilia Prata de

COSTA, Marilice Magroski Gomes da

1jeanpvs713@gmail.com
Evento: Seminário de Extensão
Área do conhecimento: 40100006
Palavras-chave: Humanização, medicina, extensão.
1 INTRODUÇÃO
As transformações nas condições sociais de trabalho surgidas nas últimas décadas restringiram a disponibilidade do contato profissional-paciente. Esse processo surgiu frente ao rápido desenvolvimento científico e tecnológico, as ciências biológicas e exatas tornaram-se bases indiscutíveis do saber médico em detrimento das ciências sociais e humanas, sem que houvesse igual crescimento e valorização da perspectiva humanística da medicina (EZEQUIEL,et al., 2008) . A busca por possibilidades de contato com o paciente de forma integral e que, fundamentalmente, permita o desenvolvimento da sensibilidade do futuro profissional médico é fundamental na rotina do estudante. Baseado nessa realidade foi criado em 2010, a partir da perspectiva dos estudantes, o projeto de extensão Recrutas da Alegria, posteriormente modificado para um programa, utilizando a técnica de clown para inserir o estudante no ambiente hospitalar e aproximá-lo da realidade do paciente.

O programa desenvolve-se através de reuniões quinzenais para desenvolvimento da técnica do clown, discussão de temas como o luto, a psicologia infantil e a importância da humanização da medicina e também por intervenções, utilizando-se da técnica do clown, no Hospital Universitário Dr. .Miguel Riet Corrêa Jr.. Nas intervenções, alunos de diferentes séries do curso de medicina da Universidade Federal do Rio Grande entram em contato com pacientes em diversas situações de gravidade, sendo esse momento, na maioria das vezes, seu primeiro contato com um paciente acamado.

O ciclo básico do curso de medicina é constituído por disciplinas que, na sua maioria efetuam uma visão fragmentada do indivíduo, possuindo uma estrutura tradicional. Além disso, uma visão hospitalocêntrica, que muitas vezes supervaloriza a doença em detrimento do paciente, torna-se um obstáculo para a formação de profissionais sensibilizados.

Nesse contexto, torna-se importante avaliar como o programa atuou como mecanismo de mudança do estudante do primeiro ano do curso de medicina, a fim de avaliar a importância de inserir o acadêmico no meio hospitalar em um projeto de humanização da medicina.


2 MATERIAIS E MÉTODOS
Para a realização desse trabalho foi analisado o questionário de avaliação do projeto Recrutas da Alegria do ano letivo de 2012/2013 submetido aos estudantes do primeiro ano do curso de medicina da Universidade Federal do Rio Grande. O tema gerador “Relação do Projeto Recrutas da Alegria com o acadêmico e futuro profissional médico”, foi inserido no questionário aplicado a esses estudantes, que não foram identificados e suas respostas serão utilizadas para avaliação e reestruturação do projeto no ano letivo de 2013/2014.
3 RESULTADOS e DISCUSSÃO
Nove questionários foram analisados e observou-se que o projeto é um importante mecanismo de inserção do estudante no meio hospitalar, observado na resposta: “Participar do programa foi a melhor maneira de poder perceber a realidade da enfermaria”. Além disso, a observação do paciente e a percepção do tipo de abordagem a ser realizada foi um importante incremento nas habilidades do estudante, pois, conforme o relato o projeto “ajudou-me a ver os pacientes não só como doenças, mas também como seres que carregam sentimentos, histórias e impressões”. Outras habilidades desenvolvidas foram a da comunicação, abordagem do paciente e empatia, pois “aprendi a me comunicar melhor (...) o R.A. melhorou minha percepção sobre o sofrimento e a importância do sorriso”. Observa-se então que essa entrada no hospital intermediada pelo projeto permite a vivência da cidadania, desenvolvimento de autonomia e contato com problemas reais do paciente.
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Percebe-se que o Recrutas da Alegria propicia o primeiro contato dos estudantes participantes da primeira série do curso. . A forma como o projeto entende e lida com o indivíduo é marco fundamental no desenvolvimento de habilidades como comunicação, empatia e observação, essenciais ao exercício da medicina. Dessa forma, o projeto possibilitou a inserção do estudante na realidade do paciente hospitalizado, compartilhando experiências e praticando saberes necessários para o desenvolvimento de uma medicina humanizada.
REFERÊNCIAS
1. Ezequiel OdS, Tibiriçá SHC, Oliveira SPd, Segrégio CAdS, Souza DMPd, Silva LFd. Avaliação da abordagem do humanismo na relação médico-paciente, antes das mudanças curriculares e após, no Curso de Medicina da UFJF. HU Revista. 2008;34(3):167-72.


Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal