Regras gerais



Baixar 0,5 Mb.
Página24/26
Encontro30.11.2019
Tamanho0,5 Mb.
1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   26
} EMPREGO DO HÍFEN



PRINCIPAIS CASOS (Bases XV e XVI)


1º) Emprega-se o hífen nas palavras compostas que designam espécies botânicas e zoológicas, estejam ou não ligadas por preposição ou qualquer outro elemento.

Ex.: abóbora-menina, couve-flor, erva-doce, feijão-verde; benção-de-deus, erva-do-chá, ervilha-de-cheiro, fava-de-santo-inácio, bem-me-quer (nome de planta que também se dá à margarida e ao malmequer); andorinha-grande, cobra-capelo, formiga-branca; andorinha-do-mar, cobra-d’água, lesma-de-conchinha; bem-te-vi (nome de um pássaro).
2º) Nas formações com prefixos (como, por exemplo: ante-, anti-, circum-, co-, contra-, entre-, extra-, hiper-, infra-, intra-, pós-, pré-, pró-, sobre-, sub-, super-, supra-, ultra-, etc.) e em formações por recomposição, isto é, com elementos não autônomos ou falsos prefixos, de origem grega e latina (tais como: aero-, agro-, arqui-, auto-, bio-, eletro-, geo-, hidro-, inter-, macro-, maxi-, micro-, mini-, multi-, neo-, pan-, pluri-, proto-, pseudo-, retro, semi-, tele-, etc.), só se emprega o hífen nos seguintes casos:



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   26


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal