Psicologia aplicada a administraçÃO



Baixar 0,69 Mb.
Página14/14
Encontro03.03.2018
Tamanho0,69 Mb.
1   ...   6   7   8   9   10   11   12   13   14
Conclusão: nós temos influencias externas, mas também internas que influenciam nosso comportamento.
Case: Betty Vinson

  • Quais os possíveis motivos para que a Vinson tenha deixado as coisas chegarem a este ponto de desonestidade?

    • Ordem do superior

    • Risco de demissão

    • Lealdade à empresa

    • Escalada gradual (foi cometendo o crime aos poucos)

    • Pressão

      • Socialização: contexto social incide a desonestidade

      • Racionalização: é criar justificativas para comportamentos inadequados em relação a suas atitudes.

        • Cooptação: incentivos que levam indiretamente à desonestidade. [Ex.: prescrição médica. Na farmácia, o farmacêutico cadastra o crm do médico em relação a prescrição daquele determinado medicamento, e isso é repassado para os laboratórios, que acabam dando benefícios aos médicos, para que assim estes prescrevam mais medicamentos daquele laboratório].

        • Incrementalismo: introduzido a um ato de desonestidade bem leva. Entretanto leva a uma dissonância cognitiva (desalinhamento entre atitude e comportamento). Para resolver esse desalinhamento leva a uma racionalização para justificar aquele determinado comportamento. Ex.: Fui desonesta por ordem do meu chefe.

MANOBRANDO MECANISMOS INTERNOS



  • Estratégias:

    • Negação da responsabilidade: a justificativa é de que a pessoa não teve escolha para realizar aquela atividade

    • Negação da culpa: As pessoas são convencidas que não haverá consequências ruins pelas suas ações. Como o ato não foi doloso, então não é desonesto.

    • Negação de vitima: as pessoas justificam suas culpas argumentando de que foi merecido o que aconteceu.

    • Ponderação social: comparação social relativa, ou seja escolhe referentes muito negativos, o que o torna seu ato menos lesivo (pequenininho); ou compara com todo mundo (eu fiz, mas todo mundo faz também)

    • Lealdade: fez em prol de algo muito maior. Ex.: ser conivente com um ato, para não denunciar o outro.

    • Balanceamento de açoe: Balancear seu ato negativo com os atos positivos que já realizou, ou seja, neutraliza o ato desonesto. Ex.: eu chego atrasado todos os dias, no entanto trabalho até mais tarde e também no final de semana.



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   6   7   8   9   10   11   12   13   14


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal