Proposta preliminar de implantaçÃo de política sobre drogas psicoativas na unicamp



Baixar 59,47 Kb.
Página3/5
Encontro17.10.2018
Tamanho59,47 Kb.
1   2   3   4   5

Prevenção terciária


Consiste em quaisquer atos destinados a diminuir a prevalência das incapacidades crônicas numa população, reduzindo-se ao mínimo as deficiências funcionais consecutivas à doença, no caso, a dependência de substâncias psicoativas. Aqui incluem-se medidas terapêuticas propriamente ditas e reabilitação.

A Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas (ABEAD, 1990) estabeleceu as diretrizes a serem implementadas nas políticas de prevenção ao abuso de drogas no Brasil, que se encontram listadas a seguir :



  • A questão das drogas psicoativas, incluindo o álcool e o tabaco, deve ser tratada fundamentalmente como um problema de educação e saúde.

  • A abordagem do problema deve ser ampla, contemplando igualmente as drogas lícitas e ilícitas.

  • As políticas em relação às drogas devem ser integradas às políticas sociais mais gerais.

  • As ações de enfrentamento do problema devem respeitar as particularidades históricas, sociais e culturais.

  • A viabilização dos programas depende da participação de toda a sociedade.

  • As políticas referentes às drogas devem ser baseadas no conhecimento científico sobre o tema.

As tentativas de estabelecimento de programas de prevenção ao uso, abuso e dependência de SPAs nos têm mostrado o quão complexa pode ser a relação do ser humano com produtos capazes de modificar percepções e sentimentos. Sabe-se hoje que as estratégias preventivas têm eficácia limitada, restando um percentual de indivíduos que chegarão ao uso problemático, necessitando de intervenções terapêuticas propriamente ditas, como abordaremos no próximo tópico.

Baseando-se nos referenciais citados, propôs-se um trabalho de prevenção ao consumo de substâncias psicoativas, principalmente nos níveis primário e secundário, para os alunos e funcionários da Universidade Estadual de Campinas.


2. OBJETIVOS:

1. OBJETIVO GERAL:


Reduzir o uso excessivo de álcool, criar áreas livres de tabaco e inibir o consumo de substâncias psicoativas ilícitas na UNICAMP.
2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
2.1- Realizar um diagnóstico de situação do consumo de substâncias psicoativas (SPAs) na Universidade;
2.2- Implementar estratégias de prevenção primária em atenção ao uso de SPAs;
2.3- Estruturar estratégias de intervenção secundária;
2.4- Ampliar o acesso a abordagens de tratamento em SPAs;
2.5- Fomentar o debate interno sobre o problema relacionados ao uso de SPAs na Unicamp;

3. MATERIAL E MÉTODOS:





  1. Para a adequada realização dos objetivos propostos, serão estabelecidas medidas que possibilitem escolhas mediadas pelo conhecimento e intervenções nos níveis primário, secundário e terciário, como explicitado na introdução em anexo.

3.1.ESTRATÉGIAS:


Diagnóstico de situação:

Atividade I – diagnóstico de consumo de SPAs pelos estudantes da UNICAMP em parceria com GREA/USP;

Atividade II - diagnóstico de demanda manifesta (contato com os setores responsáveis pelo trabalho assistencial da Universidade);

Atividade III - diagnóstico dos recursos institucionais assistenciais de enfrentamento (CECOM, SAE, SAPPE, GRAPEME, DGRH, ASPA, CCI, PS e outros que forem identificados) e estabelecimento de formas de encaminhamento interno e/ou externo dos casos detectados.

Divulgação de informações utilizando os vários meios de comunicação dentro da Universidade (telefone*, cartazes, folders, internet, jornal, murais).



Atividade IV– distribuição de material visual indicando faixa do beber seguro/baixo risco de bebidas alcoólicas.

Atividade V – organização de atividade de recepção dos alunos no início do ano letivo tendo como tema o consumo de SPAs. Para tanto, montagem de stands informativos sobre drogas e palestras no tema.

Atividade VI – criação de linha telefônica para informação sobre SPAs e orientação sobre os serviços disponíveis no município na área de prevenção e tratamento em dependência química. Para tal atividade, será realizado treinamento dos atendentes nos temas fundamentais em substâncias psicoativas e montagem de material bibliográfico de consulta;

Atividade VII – Disponibilizar endereços/sites de consulta sobre o tema na Internet;

Promoção de eventos para alunos de graduação e pós-graduação – palestras, cursos, concursos – visando sensibilizar, informar e debater a questão do consumo de SPAs;

Esclarecimento de docentes e chefias no auxílio à divulgação de conhecimentos no tema e detecção precoce de casos ;

Encaminhamento interno e/ou externo para tratamento, dos casos detectados (abuso ou dependência de SPAs).

Estímulo ao debate interno sobre a definição da política da Universidade quanto ao uso de substâncias psicoativas (e.g. áreas “free smoking”, venda de bebidas alcoólicas no campus, aspectos legais do consumo de drogas);

Estímulo à promoção de fatores protetores ao consumo abusivo de SPAs, como atividades artísticas, físicas e de lazer, associadas ao estilo de vida saudável;

Estabelecimento de intercâmbio com outras Universidades e setores da sociedade no tema;




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal