Projeto pedagógico do curso de farmácia da faculdade de ciências sociais e agrárias de itapeva fait



Baixar 3.13 Mb.
Página233/295
Encontro30.11.2019
Tamanho3.13 Mb.
1   ...   229   230   231   232   233   234   235   236   ...   295


      1. A construção de um currículo multicultural para promoção da cidadania no Ensino Superior


A IES comprometida com a vivência dos direitos humanos deve construir um currículo multicultural, que visa a formação para a cidadania e, para que esse processo ocorra, é necessário levar em conta que os atores têm diferentes representações e racionalidades.

A centralidade do processo curricular está na interdisciplinaridade. As disciplinas e seus conteúdos passam a se constituir em ferramentas no processo de construção do conhecimento contextualizado, ou, em outras palavras, as diversas representações da realidade, sistematizadas nas diferentes áreas do conhecimento, são auxiliares no processo de conscientização do aprendiz.

É importante ainda observar que o currículo desempenha, de fato, distintas missões em diferentes contextos e níveis educativos, de acordo com as características e finalidades que refletem de cada nível. O currículo deve, portanto, ser concebido tendo como parâmetro o contexto em que se configura e as práticas educativas na realidade, mediante as quais se expressa, considerando-se o currículo proposto, o projeto pensado/escrito e o currículo vivenciado, a prática do projeto pensado/aplicado, avaliado.

O currículo escolar é um texto que pode nos contar muitas histórias: histórias sobre indivíduos, grupos, sociedades, culturas, tradições; histórias que nos pretendem relatar como as coisas são ou como deveriam ser. O que há de comum entre elas uma vontade de saber que, é inseparável da vontade de poder, e tem se constituído em “prodigiosa maquinaria destinada a excluir”.

Na política cultural estas representações construídas pelos discursos vão posicionando os indivíduos numa certa geografia e economia do poder cujo objetivo é o governo, a regulação social. Diante dessa discussão, a escola produz espaço privilegiado para alguns enquanto reforça a desigualdade e a subordinação de outros. Os professores estão implicados na produção e reprodução dos discursos e práticas que configuram os sujeitos e constituem suas múltiplas identidades culturais.

Por isso, é interessante olhar para dentro da escola e do currículo e verificar como as histórias estão sendo construídas e como se constrói os sentidos de pertencimento e exclusão. Como nossa sociedade é dualizada, há pobres e ricos convivendo juntos, as formas de exclusão tornam-se invisíveis aos olhares das pessoas, porque elas causam dois sentimentos: indiferença – pois estão tão banalizadas pela mídia que deixam de ser um problema para ser um dado, que pouco sensibiliza, e medo – pois o medo é o grande causador da exclusão e da desconfiança das pessoas, pois lembra os efeitos da exclusão, da pobreza e da marginalidade, que são produzidos pela fome, pelo desespero e pelo desencanto.

Esta forma de exclusão acaba se naturalizando aos olhos dos indivíduos que a aceitam e muitas vezes a consideram como problema do indivíduo e não da sociedade ou outras instâncias maiores. Na realidade das escolas, muitas vezes os olhares, que a tudo padronizam, não percebem o clamor dos estudantes chamando por seus direitos, muitas vezes de formas equivocadas.

A naturalização do infortúnio vivido por muitos, nunca é produto de causas naturais. Trata-se de uma construção histórica, ideológica, discursiva, moral. Uma construção que tende a se superpor ao olhar cotidiano, tornando os acontecimentos passíveis de uma invisibilidade artificial, ainda que não por isso menos poderosa.

Desta maneira, a FAIT e todas as instituições de ensino como espaço de convivência da diversidade, devem ser entendidas como espaços democráticos de desmascaramento das exclusões, pois “o silêncio, a atenuação, a ocultação edulcorada da exclusão faz com que esta se torne mais poderosa, mais intensa, menos dramática e, portanto, mais efetiva”.

A FAIT visa contribuir para ser local que respeite os mais elementares direitos humanos e sociais. E, para isso, reelaborou o Projeto Pedagógico Institucional – PPI com a finalidade de adoção de um plano de referência para sua ação educativa, e para a elaboração dos Projetos Pedagógicos de Curso que respeitem e promovam o respeito aos Direitos Humanos e às Diversidades sócio-étnico-culturais.

Os fundamentos do PPI da FAIT orientam o processo educativo de forma articulada, no entanto, não pode secundarizar os compromissos sociais da Instituição. A ideia de autonomia, que se expressa no cotidiano educacional através do princípio da liberdade de ensino, se impõe como corolário dos compromissos sociais e engendra o caráter plural da Faculdade. Mas esta pluralidade não é neutra e nem necessariamente atende a interesses comuns. Tal fato exige que a Faculdade exponha os fundamentos de sua proposta para a sociedade, como forma de submeter-se à crítica social. Assim, a afirmação da liberdade de ensino cria as condições para que ele possa legitimamente materializar-se, articulando a pluralidade de ideias e as propostas que caracterizam a instituição.

Desta perspectiva, impõem-se, naturalmente, algumas indagações, dado que, de forma explícita ou não, há projetos pedagógicos de curso em andamento, de acordo com os recursos disponíveis e com as diretrizes existentes. Assim, cabe perguntar:

- Como produziremos a integração entre os diferentes projetos de cursos?

- O que eles têm em comum?

- De que modo suas especificidades poderiam contribuir para potencializar uma proposta integradora?

- Como ampliar sua capacidade de intervenção na realidade do mundo atual?

Para efeitos de construção do presente documento, toma-se como referência o pressuposto de que um projeto educativo é parte indissociável dos projetos sociais e culturais que o influenciam. Entre suas características básicas estão:

- Expressar uma proposta pedagógica;

- Implicar em uma concepção de “ser humano”;

- Orientar-se por um estilo educativo e em um estilo de aprendizagem ensino;

- Considerar a realidade do contexto social, econômico e cultural no qual se realizará;

- Concretizar-se pela ação integrada de gestores, docentes, alunos e técnico-administrativos.

Nesta ótica, a construção do PPI implica preliminarmente um diagnóstico, isto é, o que está se passando no mundo atual e na Faculdade. Uma vez obtido o consenso necessário a respeito das questões fundamentais, trata-se de traçar as alternativas de ação. Para traçá-las, é necessária uma fundamentação teórica (filosófico-pedagógica) que justifique o porquê de sua formulação e os seus propósitos e objetivos – para que vamos fazê-lo.

Estabelecidos os nossos propósitos, há que se conceber as estratégias de implementação, ou seja: Como vamos fazê-lo? Pessoas para implementar a proposta: quem a dirigirá e a quem se destinará – Com quem vamos fazê-lo e a quem vamos dirigi-lo? Recursos materiais e outros - Com o que vamos fazê-lo? Cronograma – Quando vamos fazê-lo? Circunscrição da área de ação – ambiente físico e lugar geográfico – Aonde iremos realizá-lo?

A preocupação das propostas pedagógicas com o desenvolvimento do raciocínio dos futuros universitários que serão matriculados nos cursos da FAIT, através de atividades regulares e de atividades extracurriculares, prioriza a visão da eficácia social dos conteúdos estudados. Assim, o estudante aprende a pensar sobre a área de sua formação também como ferramenta de construção do controle e direção social. Consequentemente, o aluno, desenvolvendo um raciocínio voltado à sua área de atuação profissional, que observe as complexidades econômicas, sociais, políticas, culturais, ecológicas e demográficas do Brasil, saberá lidar com as mudanças nos procedimentos, de acordo com seu curso, nas diversas áreas do saber, sendo, inclusive um agente propulsor dessas mesmas mudanças.

Por tudo que foi aduzido, os cursos implementados e projetados pela FAIT formarão e habilitarão os profissionais com conhecimentos básicos que lhes permitam visualizar a profissão em toda sua amplitude, objetivando desenvolver atividades orientadas para soluções dos problemas em diversas áreas de atuação, além de assumir compromisso social como agente propulsor em diversas áreas públicas do país. Manter-se atualizado tecnicamente, atento às Diretrizes da Política Governamental, Mercado de Trabalho, Integração e Globalização da Economia, no que se refere às diversas áreas de atuação, serão relevantes nos futuros cursos a serem autorizados.

Ter consciência da importância da profissão e sua utilização como instrumento de desenvolvimento individual e coletivo, assim como conhecer e observar, no exercício profissional, os princípios estabelecidos pelo código de Ética Profissional, de cada curso superior, são preceitos fundamentais aqui buscados.

Ainda, é preciso ressaltar que os Projetos Pedagógicos dos Cursos da FAIT, tem como base para formação do perfil do aluno egresso alcançar as competências e habilidades requeridas dentro de cada área de atuação de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais e ainda, preocupando-se com a opção filosófico-educacional de formação do cidadão-profissional, os mesmos estão alicerçados sobre os pilares do respeito: às diferenças presentes em uma sociedade multicultural e pluriétnica; ao direito de todos a ter e usufruir do meio ambiente ecologicamente equilibrado, às concepções e práticas educativas fundadas nos direitos humanos e em seus processos de promoção, proteção, defesa e aplicação na vida cotidiana.

Assim a FAIT atende, dentro das peculiaridades de cada curso a Lei 10.639 de 09 de janeiro de 2003 (Alteração da LDBEN 9394/96 - Temática da História e Cultura Afro-Brasileira), a Resolução nº 01 de 17 de junho de 2004 (Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana) e a Lei 9.795 de 27 de abril de 1999 (Política de Educação Ambiental) e Resolução nº 02 de 15 de junho de 2012 (Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental) e a Resolução N. 01, DE 30 DE MAIO DE 2012 (Diretrizes Nacionais para Educação em Direitos Humanos).

Desta maneira, um currículo que visa a Educação em Direitos Humanos, objetiva a construção de uma cultura de respeito à dignidade humana através da promoção e vivência de valores como a ética a liberdade, a justiça, a igualdade, a solidariedade, a cooperação e o reconhecimento do/a outro/a como sujeito de direitos em uma sociedade.



Baixar 3.13 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   229   230   231   232   233   234   235   236   ...   295




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
ensino médio
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
Curriculum vitae
oficial prefeitura
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
assistência social
santa maria
Excelentíssimo senhor
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
outras providências
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
secretaria municipal
Dispõe sobre
Conselho municipal
recursos humanos
Colégio estadual
consentimento livre
ResoluçÃo consepe
psicologia programa
ministério público
língua portuguesa
público federal
Corte interamericana