Projeto pedagógico do curso de farmácia da faculdade de ciências sociais e agrárias de itapeva fait



Baixar 3.13 Mb.
Página187/295
Encontro30.11.2019
Tamanho3.13 Mb.
1   ...   183   184   185   186   187   188   189   190   ...   295
competências pessoais (aprender a ser): identidade pessoal, autoconceito, autoestima, projeto de vida;

  • competências produtivas (aprender a fazer): aquisição de habilidades básicas, específicas e de gestão;

  • competências sociais (aprender a conviver): sentido ético da vida, cidadania, solidariedade, compromisso histórico;

  • competências cognitivas (aprender a aprender): aquisição da capacidade de se preparar para seguir aprendendo ao longo da vida.



    3.10. EQUIPE MULTIDISCIPLINAR E INTERAÇÃO ENTRE ALUNOS E PROFESSORES

    Para alcançar o sucesso nas atividades realizadas, este trabalho acontece através do trabalho de uma equipe multidisciplinar, considerando a concepção de professor-orientador e mediador nas suas atividades de ensino. Este termo é para destacar não apenas o "acompanhamento" individual de alunos, mas também a responsabilidade coletiva de compartilhamento, pesquisa e parceria educacional com outros professores, comunicadores e alunos na criação e reflexão democrática sobre cultura, ciência, tecnologia e trabalho a serviço da humanização e da superação de problemas.

    É importante ressaltar que a Instituição de Ensino Superior FAIT, além dos professores especialistas nas disciplinas ofertadas e parceiros no coletivo do trabalho pedagógico dos cursos, conta ainda com as parcerias: de profissionais das diferentes tecnologias da comunicação e informação ligados aos cursos que ministram, e, além de dispor de educadores locados nas Licenciaturas capazes de atuar nos Núcleos de apoio à Coordenação e à Direção, contribuindo com atividades que enriquecem a metodologia de ensino dos cursos, sendo capazes de:

    a) estabelecer os fundamentos teóricos do projeto de ensino do curso (Núcleo Docente Estruturante e Núcleo de Ensino);

    b) selecionar e preparar o conteúdo curricular articulado a procedimentos e atividades pedagógicas (Núcleo Administrativo, Núcleo de Ensino, Núcleo de Pesquisa, Núcleo de Estágio, Núcleo de Extensão e Ação Comunitária);

    c) identificar os objetivos referentes a competências cognitivas, habilidades e atitudes (Núcleo Docente Estruturante e Núcleo de Ensino);

    d) definir bibliografia, tanto básicas quanto complementares, além de revistas e periódicos adequados ao curso (Núcleo Docente Estruturante e Núcleo de Ensino);

    e) elaborar o material didático para aulas com recursos audiovisuais (Núcleo de Tecnologia, Informação e Comunicação e Núcleo de Ensino);

    f) apreciar, de forma avaliativa, o material didático, indicando correções e aperfeiçoamentos (Núcleo de Ensino);

    g) motivar, orientar, acompanhar e avaliar os alunos e auto avaliar-se continuamente como profissional participante do coletivo de um projeto de ensino superior (Núcleo de Ensino, Núcleo Docente Estruturante, Núcleo de Pesquisa,_ Núcleo Administrativo, Núcleo de Estágio, Núcleo de Extensão e Ação Comunitária);

    h) garantir a inclusão, a acessibilidade e os direitos humanos, além de desenvolver ações que visam valorizar e respeitar as etnias e garantir a realização de práticas de educação ambiental (Núcleo de Acessibilidade e Direitos Humanos e Núcleo de Educação Ambiental).

    Trabalha-se constantemente atento quanto à interação entre alunos e professores. O aluno é sempre o foco de um programa educacional e um dos pilares que garante a qualidade dos cursos é a interação de professores e alunos. A interação é um componente fundamental no processo de construção do conhecimento. Desta maneira, todos os cursos oferecidos pela FAIT estão ancorados em um sistema de comunicação que permita ao aluno resolver, com rapidez, questões referentes ao aprendizado dos conteúdos, bem como aspectos relativos à orientação de aprendizagem como um todo, articulando o aluno com todos os docentes, com seus colegas, com os coordenadores de curso, coordenadores de núcleos de apoio da Direção e com os responsáveis pelo sistema de gerenciamento acadêmico e administrativo.

    Da mesma forma que a interação professor-aluno é privilegiada e garantida, a relação entre colegas de curso, é uma prática muito valiosa, capaz de contribuir para evitar o isolamento e manter um processo instigante, motivador de aprendizagem, facilitador de interdisciplinaridade e de adoção de atitudes de respeito e de solidariedade ao outro, o que possibilita ao aluno o sentimento de pertinência ao grupo.

    Para assegurar a comunicação/interatividade/professor/aluno, a instituição descreve, de forma clara, a sua proposta para esta questão, que está em consonância com as peculiaridades dos Projetos Pedagógicos dos Cursos.


    De maneira geral, a instituição FAIT faz:

    1. apresentação ao aluno como se dará a interação entre alunos e professores, ao longo do curso – o Programa do Pacto Disciplinar da FAIT apoia esta proposta;

    2. quantificação do número de professores/hora disponíveis para os atendimentos individuais dos alunos;

    3. informação aos alunos, desde o início do curso, nomes, horários, formas e números para contato com professores e pessoal de apoio;

    4. informação sobre datas de provas e datas limite para as diferentes atividades (matrícula, substitutivas e outras);

    5. descrição do sistema de orientação e acompanhamento do aluno, garantindo que os estudantes tenham sua evolução e dificuldades regularmente monitoradas e que recebam respostas rápidas a suas perguntas bem como incentivos e orientação quanto ao progresso nos estudos. O NUEN acompanha estas ações oferendo Atividades de Nivelamento e contribui integrado a Ouvidoria da FAIT para sustentar o processo;

    6. flexibilidade no atendimento ao aluno, oferecendo horários ampliados e/ou plantões de atendimento às dúvidas e dificuldades de aprendizagem que surjam. Os docentes dispõe de tempo além aulas, para atendimento e orientação dos alunos que apresentem dificuldades;

    7. disposição de núcleos de atendimento ao aluno – próprios ou conveniados;

    8. oferecimento de plantões de aprendizagem e de saneamento de dúvidas nas modalidades comunicacionais sincrônicas como videoconferências, chats na Internet, facebook, telefones, sites, Whatssap, etc, para promover a interação em tempo real entre docentes e alunos;

    9. interação entre alunos, sugerindo procedimentos e atividades, abrindo sites e espaços que incentivem a comunicação entre colegas de curso;

    10. oferecimento de espaço para representação de estudantes, de modo a receber feedback e aperfeiçoar os processos, destacando neste a importância dos Programa de Agentes Multiplicadores de Informações – AMIs.

    Concluindo, destaca-se que é sabido pela IES que o desenvolvimento da educação em todo o mundo está associado à popularização e democratização do acesso ao ensino e à necessidade crescente de elevar o nível de escolaridade das comunidades e de aperfeiçoamento e atualização profissional contínuo. A educação passa, assim, a ser vista como um espaço em expansão, propiciando o aparecimento de propostas de ensino sustentadas pelas mais variadas organizações, independentemente de suas tradições e, eventualmente, sem qualquer compromisso com uma educação crítica, transformadora, cidadã.

    No entanto, a educação, deve estar apoiada em uma filosofia de aprendizagem que proporcione aos estudantes a oportunidade de interagir, de desenvolver projetos compartilhados, de reconhecer e respeitar diferentes culturas e, principalmente, de construir o conhecimento. O conhecimento é o que cada indivíduo constrói - individual e grupalmente - como produto do processamento, da interpretação e compreensão da informação. É, portanto, o significado que se atribui à realidade e como a contextualizamos.

    Diferentes concepções de educação emergem da distinção entre informação e conhecimento, o que nos leva a atribuir diferentes significados aos conceitos de ensino e aprendizagem. Um significado para o conceito de ensino pode ser o literal, definido pela origem etimológica da palavra. Ensinar tem sua origem no latim, “ensignare”, que significa "colocar signos" e, portanto, pode ser compreendido como o ato de "depositar informação" no aprendiz - é a educação bancária, descrita por Paulo Freire. Segundo esta concepção, o professor ensina quando passa a informação para o aluno e esse "aprende" quando memoriza e reproduz, fielmente, essa informação. "Aprender", neste sentido, está diretamente vinculado à memorização e reprodução da informação.

    Uma outra interpretação para o conceito de aprender diz respeito a construir conhecimento. Para tanto, o aprendiz deve processar a informação, interagindo com o mundo dos objetos e das pessoas. Em virtude dessa interação com o mundo, o aprendiz descobre-se frente a problemas e situações que devem ser resolvidos e, para tanto, é necessário buscar certas informações. A aplicação da informação exige seu processamento e interpretação, o que implica a atribuição de significados de modo que a informação passe a ter sentido para aquele aprendiz.

    Assim, aprender significa apropriar-se da informação, a partir de conhecimentos que o aprendiz já possui e que estão sendo continuamente construídos.

    Educar deixa de ser o ato de transmitir informação e passa a ser o de criar ambientes nos quais o aprendiz possa interagir com uma variedade de situações e problemas, recebendo a orientação e o estímulo necessários para sua interpretação, de forma que consiga construir novos conhecimentos. Informação e construção de conhecimento não são, entretanto, antagônicos.

    Embora haja propostas educacionais cujo foco consiste, simplesmente, no repasse de informações, há momentos em que é necessário ir além, não se limitando ao provimento de informações, mas utilizando-as para instigar a construção do conhecimento.

    O educador deve saber como intervir nestas situações e escolher a abordagem pedagógica mais adequada. É a interação entre essas abordagens que determina uma educação efetiva. Portanto, restringir-se ao repasse de informações é limitar o ato educativo e não é cabível em uma proposta de educação superior.

    O ponto focal da educação superior é o desenvolvimento humano, em uma perspectiva de compromisso com a construção de uma sociedade justa.

    Daí a importância da educação superior ser baseada em Projetos Pedagógicos onde as Organizações Curriculares, Metodologia e Princípios Pedagógicos sejam Inovadores e Integradores, que favoreçam a integração entre as disciplinas e suas metodologias, bem como o diálogo do aprendiz consigo mesmo (e sua cultura), com os outros (e suas culturas) e com o conhecimento historicamente acumulado.

    Essa é a proposta metodológica da FAIT, que espera que os alunos construam seus conhecimentos enquanto se formam como cidadãos, com mentes críticas e criativas, aliando a formação profissional com a formação ética e moral.





    Baixar 3.13 Mb.

    Compartilhe com seus amigos:
  • 1   ...   183   184   185   186   187   188   189   190   ...   295




    ©psicod.org 2020
    enviar mensagem

        Página principal
    Universidade federal
    Prefeitura municipal
    santa catarina
    processo seletivo
    concurso público
    conselho nacional
    reunião ordinária
    prefeitura municipal
    universidade federal
    ensino superior
    ensino fundamental
    Processo seletivo
    ensino médio
    Conselho nacional
    minas gerais
    terapia intensiva
    oficial prefeitura
    Curriculum vitae
    Boletim oficial
    seletivo simplificado
    Concurso público
    Universidade estadual
    educaçÃo infantil
    saúde mental
    direitos humanos
    Centro universitário
    Poder judiciário
    educaçÃo física
    saúde conselho
    santa maria
    assistência social
    Excelentíssimo senhor
    Atividade estruturada
    Conselho regional
    ensino aprendizagem
    ciências humanas
    secretaria municipal
    outras providências
    políticas públicas
    catarina prefeitura
    recursos humanos
    Conselho municipal
    Dispõe sobre
    ResoluçÃo consepe
    Colégio estadual
    psicologia programa
    consentimento livre
    ministério público
    público federal
    extensão universitária
    língua portuguesa