Projeto pedagógico do curso de farmácia da faculdade de ciências sociais e agrárias de itapeva fait



Baixar 3,13 Mb.
Página177/295
Encontro30.11.2019
Tamanho3,13 Mb.
1   ...   173   174   175   176   177   178   179   180   ...   295

3.4.8. Flexibilidade Curricular

A flexibilidade é um das bases epistemológicas relevantes do currículo porque vivemos, mais do que nunca, numa sociedade em que a única certeza é a de que o futuro é incerto (MORIN, 2000). Isso não significa que devamos cruzar os braços e esperar que o futuro simplesmente chegue. Ao contrário, ao adotar o pensamento crítico-social-histórico como fundamento norteador do currículo. A FAIT assume a responsabilidade com a formação de cidadãos críticos, reflexivos, éticos e comprometidos com as transformações sociais e coletivas voltadas para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

Entretanto, isso não significa que se possa prever o futuro e garantir que se alcançarão, de forma linear, os objetivos traçados; mas, sim, que eles deverão ser perseguidos, apesar das dificuldades e das incertezas próprias da contemporaneidade.

Nesse sentido, a mudança, assim como a expectativa de que ela ocorra, é o que gera a necessidade crescente de uma postura flexível, aberta, pois a mudança está presente em nossa realidade, em nossa corporeidade, já que é parte intrínseca da natureza da matéria. Está presente tanto nas circunstâncias que nos envolvem, como também em nossas estruturas biológicas. Isto pelo fato de a mudança fazer parte da própria dinâmica organizadora da vida. Assim, ela está também presente nos processos de construção do conhecimento, na aprendizagem e na maneira como interpretamos a realidade, no modo de construir, desconstruir e reconstruir conhecimento. Isto pelo fato de os processos interpretativos possuírem uma natureza dialeticamente complexa e intrinsecamente reconstrutiva (DEMO, 2000).

É a mudança implícita na reconstrução do conhecimento, no diálogo sujeito/objeto, nos processos auto organizadores da vida que permite o desenvolvimento da autonomia e a emancipação do sujeito (FREIRE, 1996). É ela que está também presente na dinâmica não-linear ambivalente da aprendizagem. Muitas vezes, a mudança acontece ao se rever o aprendido, ao reconhecer o próprio erro, ao construir um novo significado, e isto é muito importante em termos hermenêuticos, pois a reconstrução do conhecimento e a reinterpretarão de algo supõe a sua desconstrução.

Além disso, o currículo deve reforçar a consciência de nossa incompletude como humanos, indicando que somos seres históricos inacabados em processo constante de vir a ser (FREIRE, 1996); e, portanto, abertos constantemente à mudança, à reorganização e à auto-organização, que é a capacidade que todo sistema vivo possui de se autotransformar continuamente. É quando o sistema é capaz de se autoproduzir. Para tanto, interage com o meio exterior de onde extrai energia, matéria e informação, elementos constituintes de sua dinâmica organizacional, inclusive, para interferir nos rumos desse meio exterior.

Conhecer e aprender implica processos auto organizadores. Ambos requerem interpretação, criação, e auto organização e flexibilidade por parte do aprendiz. Situações de desequilíbrios, de desafios facilitam o desenvolvimento da aprendizagem, pois requerem processos de auto organização recorrentes. Assim, o conhecimento e a aprendizagem são processos de construção recursivos e interpretativos desenvolvidos por sujeitos ativos em sua interação com o mundo e a realidade que os cerca. Tais processos, para que aconteçam, requerem uma cooperação global de todo o organismo.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   173   174   175   176   177   178   179   180   ...   295


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal