Prof. Dr. José Luiz Guimarães



Baixar 23,44 Kb.
Encontro09.08.2018
Tamanho23,44 Kb.


PROJETO DE LEI Nº 1139, DE 2014
Dá denominação de "Prof. Dr. José Luiz Guimarães", à Fatec - Faculdade de Tecnologia - de Assis, do Centro Paula Souza, no Município de Assis.



A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:
Artigo 1º - Passa a denominar-se "Prof. Dr. José Luiz Guimarães", a Fatec - Faculdade de Tecnologia - de Assis, do Centro Paula Souza, no Município de Assis.
Artigo 2º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.



JUSTIFICATIVA

A presente propositura tem por objetivo denominar de "Prof. Dr. José Luiz Guimarães", a Fatec - Faculdade de Tecnologia - de Assis, do Centro Paula Souza, no Município de Assis.


José Luiz Guimarães nasceu no dia 15 de dezembro de 1960 em Taiúva, SP. Filho de Edna Furlan Guimarães e Guilhermino Ribeiro Guimarães foi educado no seio de uma família de duas irmãs e um irmão. Nas linhas que se seguem, podemos conhecer um pouco da sua vida em família.
Eram dias memoráveis aqueles em que era possível ir caminhando da cidade ao campo – cerca de oito a dez quilômetros – entre cercas, porteiras e riachos que entrecortavam os pequenos sítios, sem o menor risco de se entediar: surpresas a cada colina e a cada fundo de quintal. Pela singeleza e a altivez da nossa rica pobreza, meus pais souberam, como ninguém (embora todos os filhos tenham a tendência a dizer o mesmo dos seus pais), ensinar a mim e aos meus irmãos as melhores lições. (...) Minha mãe parecia incansável nas lides domésticas, que dividia com as inúmeras encomendas de serviços de costuras que executava na sua Vigorelli, movida a pedal e correia de couro. Meu pai, um trabalhador para todo tipo de serviço. Meeiro de terra, eletrotécnico pelo Instituto Universal Brasileiro, funcionário municipal e, só bem mais à frente, pequeno comerciante. Tinha veleidades de poeta, em versos que rabiscava com métrica irrepreensível, além de locutor bissexto no serviço de som, uma espécie de "rádio peão" da cidade, comum nas pequenas comunidades e precursora das atuais rádios comunitárias. Vivíamos, na precariedade das nossas existências, intensamente felizes e unidos em torno de alguns ideais e projetos futuros que – aprendemos bem cedo – passariam, necessariamente, pela nossa dedicação aos estudos”.
Desde muito cedo, José Luiz aprendeu que o caminho para o sucesso seria por meio dos estudos e, estimulado pelos pais, pegou o gosto pela leitura, tendo chegado à escola, praticamente, alfabetizado. As leituras continuaram a fazer parte de seu cotidiano e nortearam o seu futuro. Já na adolescência seguiu a militância estudantil no colégio, onde foi presidente do Grêmio Estudantil. Aluno sempre aplicado, decidiu que seguiria para a universidade. Inicialmente, a opção era Comunicação na USP, mas acabou optando por cursar Psicologia na UNESP de Assis, SP, onde foi o décimo sétimo colocado no vestibular, uma boa classificação, quando levadas em conta a concorrência e as circunstâncias adversas que tinha enfrentado nos anos anteriores, relacionadas a problemas familiares, como a morte precoce de seu pai.
No início do segundo ano na Universidade, foi aprovado num Concurso Público para Técnico de Laboratório, com lotação prevista no Laboratório de Biologia, Fisiologia e Neurofisiologia, do Curso de Psicologia da UNESP de Assis. Sua jornada de estudos e trabalho consumia mais de 14 horas diária. Seguiu nessa luta até a conclusão da Licenciatura em Psicologia e complementou sua formação com o Curso de Formação de Psicólogo.
A opção por atuar na área da Psicologia Educacional se deu por conta de um interessante trabalho de extensão desenvolvido, voluntariamente, junto a uma comunidade carente da periferia de Assis, sob coordenação de uma Pastoral da Igreja Católica, com perspectivas de intervenção na área social, pela via educacional. Isso possibilitou um convite para ele atuar no Departamento Municipal de Educação e Cultura.
Foi na convivência cotidiana com os problemas de toda ordem que afligem as famílias da classe trabalhadora que compreendi a importância que a educação deve ter para o futuro do país”.
Mas os anseios para continuar os estudos na área de Psicologia fizeram o professor José Luiz Guimarães retomar os estudos em 1988, quando ingressou na primeira turma do Curso de Pós-Graduação em Educação da UNESP de Marília-SP, tendo concluído o Mestrado em 1991, com a dissertação intitulada “Desigualdades regionais e a municipalização do Ensino em São Paulo: uma análise do decreto n. 30.375/89”.
Iniciou sua carreira docente na Fundação Educacional do Município de Assis - FEMA e num Curso de Magistério, no Colégio Comercial de Assis. Nessa época também aconteceu um fato novo em sua vida. Em junho de 1989, por meio de Concurso Público, ingressou na carreira universitária como docente de Psicologia Geral, do Curso de Psicologia da UNESP de Assis, onde fora aluno e funcionário.
Um novo convite para assumir a Secretaria Municipal de Educação ocorreu em 1993. Nessa gestão, como Secretário Municipal de Educação – amparado na existência de Convênio de Cooperação Técnico Científico existente entre a Prefeitura Municipal e a UNESP – houve um empenho maior no que se refere à melhoria das condições de trabalho dos docentes, além da aprovação do novo Estatuto e Plano de Carreira do Magistério, que eram reivindicações antigas da categoria. Iniciou-se, assim, uma política de revalorização salarial progressiva, consolidada, no final daquele ano, para os servidores nessa área.
Em 1995, deu sequência a seus estudos quando ingressou no Doutorado, na UNESP de Marília-SP. Defendeu, em 1998, sua tese intitulada “A Municipalização do Ensino Fundamental e o Impacto da Emenda Constitucional n. 14 sobre municípios paulistas”.
Com o doutorado defendido, assumiu outros papéis na Universidade além da docência, pesquisa e extensão; orientações de trabalhos acadêmicos e outros; participação em eventos científicos, comissões técnicas, assessorias com destaque para um importante trabalho realizado junto ao Centro Paula Souza, quando foi presidente do Conselho Deliberativo do CEETEPS, no período de 2000-2002. Participou também, juntamente com o prof. Dr. Rubens Cruz, da elaboração do Projeto Pedagógico para a criação do Curso de Psicologia da FAI- Faculdades Adamantinenses Integradas de Adamantina-SP, em 2001, por meio de Convênio celebrado entre a UNESP e a FAI.
Em 2006, defendeu sua livre-docência na área de Psicologia, com a apresentação do trabalho “Psicologia, ciência e profissão: da diversidade do objeto à concretude da experiência docente”.
Foi membro-nato e Vice Presidente do Conselho de Curadores da Fundação Educacional do Município de Assis - FEMA. Participou, ainda, da organização de eventos ligados à Prefeitura Municipal e também à Universidade. Atuou como coordenador do Curso de Pós-Graduação em Psicologia e como Chefe de Departamento, além de participar outros órgãos colegiados da Instituição. Foi consultor ad hoc junto ao Conselho Estadual de Educação de São Paulo- CEESP. Também foi orientador de pesquisas nas modalidades de Iniciação Científica. Atou no Curso de Pós-Graduação em Psicologia da UNESP - Assis como professor-orientador de mestrado e doutorado. Participou como membro em inúmeras bancas de avaliação de trabalhos científicos (mestrado, doutorado e livre-docência) e de concurso público.
Sua produção científica foi muito significativa, com destaque para o livro “Desigualdades regionais na educação: a municipalização do ensino em São Paulo”, saído pela Editora UNESP em 1995; publicou, também, capítulos de livros em co-autoria e vários artigos em periódicos especializados; anais de congressos científicos e jornais, além de ter participado com palestras e comunicações em eventos científicos em instituições de renome.
Casou-se com Silvana Superbia, com quem teve uma filha, Luísa Superbia.
Diante de tal corolário, é mais do que justa a homenagem ora pretendida, de denominar com o nome de "Prof. Dr. José Luiz Guimarães", falecido em 1º de setembro de 2009, a Fatec - Faculdade de Tecnologia - de Assis, do Centro Paula Souza, no Município de Assis.
Diante do exposto, conto com o apoio dos nobres pares para a aprovação do presente projeto de lei.

Sala das Sessões, em 25-8-2014.
a) Mauro Bragato - PSDB




Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal