Por que eles preferem asloiras



Baixar 62,78 Kb.
Página1/5
Encontro02.03.2019
Tamanho62,78 Kb.
  1   2   3   4   5

Por que eles preferem as
loiras?


Parece que está virando regra: negro bem- sucedido tem sempre uma loira a tiracolo. Não é um problema só nosso. Muito menos de falta de esclarecimento. Basta lembrar de algumas frases do líder negro norte-americano Eldridge Cleaver, em sua autobiografia Alma no Exílio.
"...Não existe amor entre um homem negro e uma mulher negra. Eu, por exemplo, amo as mulheres brancas e odeio as negras. Está dentro de mim, tão profundo que já não tento mais arrancar."
"Todas as vezes que eu abraço uma mulher negra, estou abraçando a escravidão, e quando envolvo em meus braços uma mulher branca, bem... estou apertando a liberdade."
livro foi escrito nos anos 70 e hoje, às portas do Terceiro Milênio, homens negros, no todo ou em parte, concordam com sua análise: "É, sem dúvida, uma comparação interessante, porque o branco representa realmente essa grandeza. Acho que sempre relacionei a mulher negra ao retrocesso", confessa D.P., administrador de empresas negro, bem-sucedido, quarentão, que só aceitou falar sobre o assunto desde que fosse preservada sua identidade. Motivo? "Não consigo ter um papo-cabeça, inteligente, com a minha mulher. Nunca conversamos sobre isso, apesar de estarmos casados há 22 anos e termos dois filhos."
D.P. até fez uma reflexão: "Se eu encontrasse uma negra na faculdade, será que eu me casaria com ela?" Ele mesmo responde: "Não. Minha esposa não tem curso superior, é baixa, gorda e tem barriga". Mas é branca.
"...Não serei livre enquanto não puder ter uma mulher branca em minha cama..."
Esta outra frase do texto de Cleaver bate fundo em D.P. Para ele, essa é a verdade crua, pelo menos no seu caso: "Eu não queria ser do samba, da zona leste, onde nasci. Eu queria um ambiente não negro, e vi na mulher branca a porta de saída para um mundo melhor. Além disso, tinha que mostrar que poderia ter quantas mulheres brancas quisesse. Na juventude, fui rejeitado pela família de muitas namoradas".
Ana Lúcia Valente, da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, pós-doutorada em Antropologia, faz esta avaliação do problema: "Quando o homem negro tem o domínio sobre uma mulher branca ele reafirma sua masculinidade. É a reatualização da prática racista - 'eu domino essa branca'".
O negro Joel Rufino dos Santos, historiador que esteve à frente da Fundação Palmares, do Ministério da Cultura, confessa: "Toda a ânsia de ascensão do negro talvez tenha por objetivo ser o branco, e ele só o alcança - ou julga alcançar - quando enfim possui sexualmente a branca".
















Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal