Poder judiciário justiça federal goiáS


JORNAL – VALOR ECONÔMICO – 08.06.2009 – PÁG.E01



Baixar 231,3 Kb.
Página15/19
Encontro28.11.2019
Tamanho231,3 Kb.
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   19
JORNAL – VALOR ECONÔMICO – 08.06.2009 – PÁG.E01
STJ decide contra multa de 10%
Um precedente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) afastou a cobrança de multa de uma empresa condenada a pagar dívida em execução provisória - processo contra o qual ainda cabe recurso judicial. Com a reforma do processo de execução civil, por meio da Lei nº 11.232, de 2006, foi incluído no Código de Processo Civil (CPC) um dispositivo que exige o pagamento de 10% do valor em discussão, quando o executado é condenado e não paga em 15 dias. Mas o CPC não especifica se isso valeria apenas em execuções definitivas, ou seja, no fim do processo, ou também nas provisórias. A decisão do STJ já vem influenciando os tribunais de segunda instância. Com base no julgado, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), que na maioria das vezes julgava a favor da cobrança da multa, decidiu livrar uma empresa da pena.
Para a empresa, o impacto da decisão do STJ, será um ganho de fôlego financeiro. O advogado que representa a empresa no processo, Heitor Vitor Fralino Sica, afirma que a empresa precisará apenas oferecer bens à penhora como garantia na execução. "Mas deixa de ter que pagar a multa de 10% que, no caso, corresponderia a R$ 5,1 mil", diz.
O STJ já proferiu diversas decisões a respeito de outros aspectos deste mesmo artigo, o 475-J do CPC, como, por exemplo, a partir de quando deve ser contado o prazo de 15 dias para cobrança da multa.
Em outubro do ano passado, um recurso da Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros), que trata da multa de 10%, chegou à pauta do tribunal. No entanto, por unanimidade, os ministros da quarta turma decidiram encaminhá-lo para a corte especial. Em dezembro, em entrevista ao Valor, a ministra Nancy Andrighi disse que iria estudar se poderia ser imposta minoração da multa de 10%, conforme o caso concreto. Mas o processo ainda não foi apreciado.
A primeira decisão do STJ a respeito da aplicação da multa em execuções provisórias foi proferida pela Segunda Turma no início de maio. Em seu voto, o ministro relator Humberto Martins afirmou que, antes do trânsito em julgado da sentença - quando ainda há possibilidade do executado ajuizar recurso - o devedor não está efetivamente condenado. O ministro considerou ainda o entendimento de que o pagamento é a aceitação tácita da dívida, porém o processo ainda não havia se encerrado. Por fim, a turma concluiu que obrigar o executado a efetuar o pagamento sob pena de multa, estando pendente o julgamento de recurso, seria como obrigá-lo a praticar um ato incompatível com o seu direito de recorrer.
O precedente do STJ é importante porque sinaliza o posicionamento do tribunal sobre o tema. Na prática, a decisão será útil em processos em que se discute a aplicação da multa em execuções provisórias. Para o advogado Elias Marques de Medeiros Neto, do escritório Barbosa, Müssnich e Aragão Advogados (BMA), a decisão abre via para a divergência nos tribunais estaduais. "E facilitará a apreciação de outros recursos especiais, referentes a execuções provisórias, que ainda estão para chegar no STJ", diz. No ano passado, a jurisprudência sobre a aplicação da nova lei processual foi levantada por Medeiros Neto. O advogado analisou decisões do STJ e dos principais tribunais de Justiça (TJs) do país - São Paulo, Rio Grande do Sul, Goiás, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Paraná. Em relação à aplicação da multa em execuções provisórias, segundo o levantamento, há decisões favoráveis à incidência da multa nos TJs fluminense, paulista, gaúcho e sul-mato-grossense - sendo que no Rio e São Paulo há também decisões contrárias.
No fim de maio, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) proferiu uma decisão contrária à aplicação da multa com base na decisão do STJ. "Não há que se falar em multa em execução provisória", declarou o desembargador relator Natan Zelinschi de Arruda. Em uma das decisões do TJSP a favor da aplicação da multa, o desembargador Manoel Justino Bezerra Filho declarou: "Em caso de execução provisória, a multa é devida após a intimação para pagamento do valor devido, intimação a ser feita pela imprensa, em nome do advogado". Se a multa é paga na execução provisória e na decisão final do processo o executado não for considerado devedor, a multa recolhida é devolvida, corrigida. O advogado Flávio Pereira Lima, sócio do Mattos Filho Advogados, afirma que como as decisões do STJ são muito influentes sobre os tribunais estaduais - embora não sejam vinculantes - o impacto desta decisão deverá ser relevante. "Em São Paulo, até então, inúmeros julgados eram a favor da multa", diz o advogado.
Só poderá ser proposto recurso contra a decisão da Segunda Turma, se outra turma do STJ julgar a questão em sentido contrário. Caberia ainda recurso extraordinário ao Supremo Tribunal Federal (STF) se fosse alegada alguma inconstitucionalidade da lei nº 11.232, o que não é o caso. Mas há críticos à decisão do STJ. "Aplica-se a multa justamente para que a execução provisória seja eficaz", defende o advogado Pérsio Thomaz Ferreira Rosa, do escritório Ferreira Rosa Sociedades de Advogados. Para Rosa, a interpretação do STJ implica em dificultar a execução e ir contra o espírito da lei. Na época em que se discutiu a reforma do processo civil, um dos seus principais objetivos, segundo os juristas que participaram dela, era criar ferramentas para garantir o pagamento devido. "A multa atua como fator de estímulo a que o devedor não incorra em inadimplemento", argumenta.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   19


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa