Pesquisa em Cibercultura



Baixar 9.79 Kb.
Encontro14.06.2019
Tamanho9.79 Kb.

A Comunicação e a Pesquisa em Cibercultura

André Lemos1


O campo das ciências da comunicação é vasto e, por vocação, multidisciplinar e sua origem data do começo do século vinte, influenciado pela sociologia, antropologia, história, psicologia e filosofia. Como uma ciência ainda muito jovem, ela passa sempre por reformulações. Tradicionalmente as ciências da comunicação abrangem estudos sobre as mídias de massa e os processos comunicaionais que constituem e moldam a vida social. Não é à toa que estamos situados nas área das ciências sociais aplicadas e somos denominados de “comunicação social”. Assim, estudos sobre o jornalismo impresso, televisivo e radiofônico, publicidade e propaganda, além dos estudos culturais e de domínios que fazem fronteira com as artes como o cinema, a fotografia e o vídeo, estão entre os objetos de interesse de estudo da comunicação.
Mais recentemente, a partir da década de 70 do último século, a convergência das telecomunicações com a informática fez surgir a noção de sociedade da informação e sociedade da comunicação. Desde então os processos de digitalização das esferas da produção, do transporte e do armazenamento de informação têm sido capitais na transformação da sociedade moderna. Nos anos 50, a teoria da informação e a cibernética já haviam criado as bases para o desenvolvimento atual de máquinas de comunicação. Desde então, as ciências da comunicação têm se interessado diretamente pelos impactos comunicacionais, culturais e sociais das novas tecnologias de base micro-eletrônica. A sociedade contemporênea, principalmente com a revolução da micro-informática, ingressa na atual cibercultura planetária.
Os estudos em cibercultura abragem diversas etapas desse processo de informatização das sociedades contemporâneas. Podemos elencar, a título de exemplo, diversas pesquisas que têm por base a interface entre as novas tecnologias, a comunicação e a cultura. Trata-se, portanto, dos estudos sobre os novos formatos jornalísticos (jornalismo online, rádio online, tv digital, revistas nonline e e-books), as relações comunicacionais (chats, e-mail, listas e fóruns, weblogs, muds, games, troca de arquivos), as práticas sociais e comunicacionais emergentes com a nova cultura informática (cyberpunks, ciberativistas, hackers), as reconfigurações corporais e comunicacionais (cyborgs), o comércio (comércio eletrônico, publicidade e marketing online, gestão da informação), as artes eletrônicas (webarte, música eletrônica, body art), as práticas discursivas interativas (hipertextos), as questões ligadas à cidade e à esfera pública (cibercidades, cibercidadania) além dos estudos em realidade virtual como mídia de comunicação.
Os estudos em cibercultura representam hoje a grande atração da área visto o impacto planetário da Internet em todos os domínios da sociedade e da cultura. Estamos, efetivamente, no começo dessa revolução e os jovens pesquisadores terão diante de si um vasto e excitante campo de investigação. Para seguir uma carreira científica nesse campos o jovem pesquisador deve, além dos preceitos básico de qualquer fazer científico (objetividade, neutralidade, empirismo, revisão bibliográfica constante), buscar a imersão, o contato vivo com o meio. Nessa área onde as revoluções acontecem a cada hora, o pesquisador deve saber manusear com destreza as diversas ferramentas e manter um olho ao mesmo tempo apaixonado e crítico. Não devemos sucumbir às maravilhas do mundo tecnológico (a tecnologia deve ser vista como um meio e não um fim último) nem, entretanto, cair em um academicismo que vê tudo com pessimismo, que se separa do mundo da vida e encaixa tudo em modelos pré-concebidos.
O campo da comunicação é privilegiado para a análise desses fenômenos. Todas as formas sociais, culturais e comunicacionais estão passando por reconfigurações importantes. Não se trata de esquecer o antigo em prol do que é mais “up to date”, mas de compreender as potências e negatividades abertas pelos novos processo tecnológicos. Trata-se, então, de compreender a liberação do pólo da emissão, a nova esfera pública planetária, os novos formatos midiáticos, as potências hipertextuais e interativas, não sob a camisa de força dos arcabouços téoricos a que estamos acostumados, mas a partir de um espírito aberto, investigador e questionador.
Isto é, simplesmente, fazer ciência de forma viva, longe das escleroses que nos fizeram desacreditar de tudo. Os novos pesquisadores devem assim saber ver (a essência mesmo de toda teoria) e não ver tudo com os mesmos olhos, que seria, em última instância instalar uma cegueira radical, aquela que vê tudo com os mesmos olhos. Esse é o grande desafio atual.

1 André Lemos é doutor em sociologia pela Paris V, Sorbonne, Professor da Faculdade de Comunicação da UFBa, diretor do Centro de Estudos e Pesquisa em Cibercultura e atual presidente da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação do Brasil, COMPÓS.

Baixar 9.79 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
Conselho nacional
minas gerais
terapia intensiva
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
Colégio estadual
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
extensão universitária
língua portuguesa